Ex-assessor reconhece ter roubado empresa de Trump em julgamento sobre suborno

Admissão pode diminuir credibilidade de testemunha principal no julgamento do ex-presidente dos EUA sobre pagamento secreto

Reuters

Michael Cohen deixa tribunal em Nova York após prestar depoimento em julgamento do ex-presidente Donald Trump (REUTERS/Eduardo Munoz)

Publicidade

Michael Cohen, ex-assessor de Donald Trump, testemunhou nesta segunda-feira (20) que roubou dinheiro da empresa de Trump, uma admissão que pode diminuir sua credibilidade como testemunha principal no julgamento do ex-presidente dos Estados Unidos sobre o caso de um pagamento secreto.

Questionado por um advogado de Trump, Cohen reconheceu ter roubado da Organização Trump ao incluir um reembolso a uma empresa de tecnologia em seu pacote de bônus e embolsar a maior parte do dinheiro.

“Então você roubou da Organização Trump, certo?”, perguntou o advogado Todd Blanche.

Continua depois da publicidade

“Sim, senhor”, respondeu Cohen, de 57 anos.

Cohen disse que pagou cerca de US$ 20 mil dos US$ 50 mil que a empresa de Trump devia à empresa de tecnologia, entregando o dinheiro em um saco de papel marrom em seu escritório. Ele disse que ficou com o restante. Ele foi reembolsado em um total de US$ 100 mil pela Organização Trump por esse pagamento.

Cohen é a última e mais importante testemunha para os promotores de Nova York, que tentam convencer um júri de que Trump infringiu a lei ao encobrir um pagamento de US$ 130 mil dólares que comprou o silêncio da estrela pornô Stormy Daniels pouco antes da eleição de 2016.

Continua depois da publicidade

Mas, como criminoso condenado e mentiroso confesso, Cohen é uma testemunha problemática. Os promotores reforçaram seu depoimento com provas documentais, enquanto os advogados de Trump tentaram minar a credibilidade de Cohen por meio de seu interrogatório.

Após a conclusão de seu depoimento, os advogados de Trump terão a chance de apresentar provas e testemunhas próprias.

Não ficou claro se Trump irá depor como testemunha. Os advogados de defesa geralmente optam por não chamar testemunhas ou apresentar suas próprias provas quando acreditam que os promotores não conseguiram defender seu caso.

Continua depois da publicidade

Embora Trump tenha dito antes do início do julgamento que planejava testemunhar, Blanche disse ao juiz na semana passada que isso não era mais certo. Fora do tribunal na segunda-feira, Trump não disse aos repórteres se iria ou não testemunhar.

Argumentos finais

No início da sessão desta segunda-feira, o juiz Juan Merchan disse que esperava que a acusação e a defesa concluíssem suas apresentações esta semana e apresentassem seus argumentos finais na próxima semana.

O primeiro ex-presidente dos EUA a enfrentar um julgamento criminal se declarou inocente de 34 acusações de falsificação de registros comerciais para encobrir o pagamento a Daniels, que ameaçou tornar público seu relato de um suposto encontro sexual com Trump em 2006 – uma ligação que Trump nega.

Continua depois da publicidade

Fora do tribunal, Trump, de 77 anos, criticou o julgamento como um esforço politicamente motivado para atrapalhar sua tentativa de retomar a Casa Branca do presidente democrata Joe Biden na eleição de 5 de novembro.

Dentro do tribunal, Trump se sentou à mesa do réu, ouvindo Daniels contar sua versão do tempo que passaram juntos com detalhes escabrosos. Outras testemunhas, incluindo Cohen, discutiram os esforços para enterrar histórias pouco lisonjeiras envolvendo Trump, que já enfrentou várias acusações de mau comportamento sexual.

Os advogados de Trump disseram na semana passada que não achavam que precisariam de muito tempo, a menos que Trump optasse por testemunhar.

Continua depois da publicidade

“Essa é outra decisão que precisamos refletir”, disse Blanche na quinta-feira, o último dia do julgamento.

Se optar por testemunhar, Trump terá a oportunidade de refutar o relato detalhado de Daniels sobre o encontro em Lake Tahoe, Nevada. Ele não seria restringido por uma ordem que o impede, em outros ambientes, de criticar testemunhas, jurados e parentes do juiz e dos promotores.

No entanto, ele enfrentaria o interrogatório dos promotores, que poderiam tentar expor inconsistências em sua história. Qualquer mentira dita sob juramento poderia expô-lo a outras acusações criminais de perjúrio.

A última vez que Trump compareceu como testemunha em um julgamento civil de fraude comercial foi no ano passado, prestando um depoimento desafiador e desconexo que irritou o juiz Arthur Engoron, que estava supervisionando o caso. Engoron ordenou que ele pagasse US$ 355 milhões em multas depois de descobrir que ele fraudulentamente exagerou seu patrimônio líquido para enganar credores.

O julgamento do caso do pagamento secreto é amplamente visto como o menos consequente dos quatro processos criminais que Trump enfrenta, mas é provável que seja o único a ir a julgamento antes da eleição de novembro.

Trump enfrenta acusações em Washington e na Geórgia de tentar reverter sua derrota em 2020 para Biden e acusações na Flórida de manuseio indevido de documentos confidenciais após deixar a Casa Branca em 2021. Ele se declarou inocente em todos os três casos.