EUA e Europa fazem novo esforço diplomático para conter escalada da guerra em Gaza

Israel, que afirma ter matado 8.000 militantes desde a morte de 1.200 pessoas no ataque do Hamas em 7 de outubro, anunciou uma abordagem mais direcionada na quinta-feira

Reuters

Sul de Israel, perto da fronteira do Gaza: local vive tensões há anos (Foto: John Macdougall/AFP/Getty Images)

Publicidade

CAIRO/GAZA/JERUSALÉM (Reuters) – O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, e o principal diplomata da Europa, Josep Borrell, foram ao Oriente Médio nesta sexta-feira para tentar impedir a propagação do conflito em Gaza para a Cisjordânia ocupada por Israel, o Líbano e as rotas marítimas do Mar Vermelho.


As visitas ocorrem quase três meses após o ataque ao sul de Israel por militantes do Hamas a partir de Gaza, o que desencadeou uma ofensiva israelense que, segundo autoridades de saúde palestinas, matou 22.600 pessoas e deixou grande parte do enclave em ruínas.


Israel, que afirma ter matado 8.000 militantes desde a morte de 1.200 pessoas no ataque do Hamas em 7 de outubro, anunciou uma abordagem mais direcionada na quinta-feira, enquanto Blinken partiu em uma viagem de uma semana pela região.

Continua depois da publicidade


Mas os palestinos disseram que aviões e tanques israelenses intensificaram os ataques durante a noite em Al-Maghazi, Al-Bureij e Al-Nusseirat, densamente povoadas, no centro da faixa costeira.


Pelo menos 162 habitantes de Gaza foram mortos nas últimas 24 horas, segundo autoridades de saúde palestinas.


Outras quatro pessoas foram mortas em um ataque aéreo em uma rua em Al-Nusseirat, segundo as autoridades, enquanto que mais ao sul, onde centenas de milhares de habitantes de Gaza se mudaram por recomendação israelense, seis pessoas morreram em um ataque em Khan Younis.


“O governo israelense reivindica democracia e humanidade, mas é desumano”, disse Abdel Razek Abu Sinjar, chorando sobre os corpos envoltos em mortalhas de sua esposa e filhos, mortos em um ataque na quinta-feira contra sua casa em Rafah, na fronteira com o Egito.


Os bombardeios de artilharia foram retomados perto do hospital Al-Amal, em Khan Younis, informou o Crescente Vermelho Palestino, e a agência de ajuda humanitária MSF disse que seus agentes estavam encurralados no sul de Gaza, cada vez menos capazes de fornecer a ajuda desesperadamente necessária.


Em Jabalia, no norte de Gaza, que tem sido fortemente bombardeada, as pessoas percorriam as ruas em ruínas cheias de esgoto e lixo, como mostram as imagens de vídeo divulgadas por jornalistas locais. Autoridades de saúde internacionais afirmam que fome e doenças mortais estão se espalhando.


Os militares israelenses afirmaram ter atingido mais de 100 alvos em toda a Faixa de Gaza nas últimas 24 horas, destruindo homens armados que tentaram atacar um tanque em Al-Bureij e outros em Khan Younis.


A guerra na Faixa de Gaza, administrada pelo Hamas, aumentou a violência na Cisjordânia, que é governada pelo rival Fatah e é outro território onde as esperanças palestinas de se tornar um Estado foram esmagadas desde que a última rodada de negociações mediadas pelos EUA sobre uma solução foi interrompida em 2014.


O Ministério da Saúde palestino disse que um jovem de 17 anos foi morto e quatro outros palestinos foram feridos por tiros do Exército israelense na cidade de Beit Rima, na Cisjordânia. Um porta-voz militar afirmou que as tropas atiraram em palestinos que jogaram bombas contra eles.


O escritório de direitos humanos da ONU disse que as forças israelenses estão usando táticas militares na Cisjordânia e que 300 palestinos foram mortos, incluindo 79 crianças. Dois israelenses, um civil e um militar, também foram mortos.


VISITAS

Blinken deve visitar a Cisjordânia durante sua viagem que começa na sexta-feira na Turquia, que está entre os países que se ofereceram para mediar. Ele também visitará Israel, Jordânia, Catar, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Egito e fará uma parada na Grécia.


“Não é do interesse de ninguém, nem de Israel, nem da região, nem do mundo, que esse conflito se espalhe para além de Gaza”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, na quinta-feira. “Não esperamos que todas as conversas nessa viagem sejam fáceis.”


Borrell, chefe de política externa da União Europeia, iria ao Líbano na sexta-feira para discutir a situação na fronteira entre Israel e Líbano, informou a UE.


A ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, visitará Israel e os territórios palestinos a partir de domingo.


“O risco de uma escalada é, infelizmente, muito real”, disse um porta-voz do ministério.