Eleição nos EUA mergulha em território desconhecido enquanto Trump aguarda sentença

Ex-presidente foi condenado pela falsificação de registos comerciais, crime que acarreta uma pena máxima de quatro anos de prisão

Reuters

Donald Trump (Foto: Seth Wenig/Pool via Reuters)

Publicidade

Donald Trump, primeiro presidente dos EUA condenado por um crime, passará por um novo marco em seu esforço histórico para reconquistar a Casa Branca quando um juiz decidir, em 11 de julho, se o envia ou não para a prisão.

O veredito de culpa da última quinta-feira (30) catapulta os Estados Unidos a um território inexplorado antes da votação de 5 de novembro, quando Trump, o candidato republicano, tentará reconquistar a Casa Branca após perder da disputa em 2020 para o presidente democrata Joe Biden.

A acusação pela qual foi condenado, de falsificação de registos comerciais, acarreta uma pena máxima de quatro anos de prisão. Outros condenados por esse crime recebem frequentemente penas mais curtas, multas ou liberdade condicional, mas o juiz do caso disse durante a seleção do júri que Trump enfrenta uma potencial pena de prisão.

Continua depois da publicidade

Os riscos são elevados, mas o encarceramento não impediria Trump de fazer campanha ou de assumir o cargo se vencesse.

O ex-presidente se irritou diariamente durante seu julgamento, porque estar no tribunal o impediu de fazer campanha. Agora ele tem seis semanas para fazer campanha antes que o juiz Juan Merchan, que supervisiona o caso, emita uma sentença em 11 de julho — apenas quatro dias antes do início da Convenção Nacional Republicana, quando Trump deverá garantir a nomeação do partido.

Após dois dias de deliberação, um júri de nova-iorquinos considerou Trump, de 77 anos, culpado de todas as 34 acusações criminais que enfrentou por falsificar documentos para encobrir um pagamento secreto à estrela pornô Stormy Daniels, nos últimos dias de sua bem-sucedida campanha de 2016.

Continua depois da publicidade

Trump ainda enfrenta três outros processos criminais – dois pelos seus esforços para anular a derrota eleitoral de 2020 – mas o veredicto de Nova Iorque pode ser o único proferido antes da votação dos norte-americanos, já que os outros casos estão envolvidos em disputas jurídicas. Trump se declarou inocente em todos os quatro casos, que ele diz terem motivação política.

“O verdadeiro veredito será dado pelo povo em 5 de novembro”, disse Trump aos repórteres logo após ser considerado culpado, acrescentando: “Sou um homem muito inocente”.

Trump não será preso antes da sentença, e uma fonte familiarizada com o funcionamento interno de sua campanha disse que se espera que o veredito o leve a intensificar as deliberações sobre a escolha de uma mulher como sua companheira de chapa à vice-presidência.

Continua depois da publicidade

Um advogado que o representa disse que apelaria o mais rapidamente possível.

Divisões partidárias

As reações ao veredito foram duras, com os democratas elogiando o resultado e muitos republicanos abraçando as afirmações de Trump de que os processos são uma tentativa politicamente motivada de impedir seu regresso ao poder.

“Ninguém está acima da lei, nem mesmo um ex-presidente”, disse o senador democrata Chris Coons, membro do Comitê Judiciário da Câmara. “Felicito os jurados pelo seu serviço e apelo a todos os americanos, independentemente da sua filiação partidária, que aceitem e respeitem o resultado deste julgamento.”

Continua depois da publicidade

O presidente republicano da Câmara dos Representantes, Mike Johnson, disse: “Hoje é um dia vergonhoso na história americana… Este foi um exercício puramente político, não legal.”

Pesquisas de opinião nacionais mostram que Trump trava uma disputa acirrada com Biden. Um em cada quatro entrevistados republicanos em uma pesquisa Reuters/Ipsos de abril disse que não votaria nele se ele fosse condenado por um crime por um júri.

Alguns estrategistas expressaram ceticismo quanto à possibilidade de os republicanos virarem as costas a Trump após seus implacáveis ​​ataques verbais contra as acusações.

Continua depois da publicidade

“Só há uma maneira de manter Donald Trump fora do Salão Oval: nas urnas. Doe para a nossa campanha hoje”, disse Biden nas redes sociais após o veredito.

Alguns dos principais doadores republicanos disseram que continuariam a doar para a campanha de Trump, apesar da condenação.

Testemunho explícito

O júri considerou Trump culpado de falsificar documentos comerciais após um julgamento que contou com testemunho explícito de Daniels sobre um encontro sexual que ela diz ter tido com Trump em 2006, quando ele era casado com sua atual esposa, Melania. Trump nega ter feito sexo com Daniels.

O ex-conselheiro e advogado de Trump, Michael Cohen, testemunhou que Trump aprovou um pagamento silencioso de 130.000 dólares a Daniels nas últimas semanas da eleição de 2016, quando ele enfrentou múltiplas acusações de mau comportamento sexual.

Cohen testemunhou que administrou o pagamento e que Trump aprovou um plano para reembolsá-lo por meio de pagamentos mensais disfarçados de trabalho jurídico. Os advogados de Trump criticaram a credibilidade de Cohen, destacando seu registo criminal e prisão e o seu histórico de mentiras.

A falsificação de documentos comerciais é normalmente uma contravenção em Nova Iorque, mas o gabinete do procurador distrital de Manhattan, Alvin Bragg, classificou o caso como crime, alegando que Trump estava ocultando uma contribuição ilegal de campanha.

Se eleito este ano, Trump poderá encerrar os dois casos federais que o acusam de tentar ilegalmente anular a derrota eleitoral de 2020 e de manusear indevidamente documentos confidenciais depois de deixar o cargo em 2021. No entanto, ele não teria o poder de impedir o andamento de um caso separado de subversão eleitoral que ocorre em Geórgia.