Crise na Argentina: consumo de carne bovina deve bater mínima histórica em 2024

As tendências de longo prazo mostram que a população está se voltando cada vez mais para alternativas mais baratas, como frango e carne de porco

Reuters

Carnes assam em churrasqueira (Foto: Pexels/Gonzalo Guzman)
Carnes assam em churrasqueira (Foto: Pexels/Gonzalo Guzman)

Publicidade

Os argentinos, amantes da carne bovina, estão reduzindo o consumo de bifes e assados à medida que a economia do país despenca, o que significa que o consumo provavelmente atingirá uma mínima histórica este ano, segundo um relatório de mercado publicado na sexta-feira (5).

O consumo de carne bovina na Argentina em 2024 deverá totalizar cerca de 44,8 kg per capita, o menor valor desde que os registros começaram a ser feitos em 1914, informou a Bolsa de Comércio de Rosário, que publica atualizações de mercado para grãos e gado. A média histórica é de quase 73 kg.

CDB Banco XP 150% do CDI Bruto. Invista até R$60 mil com segurança e liquidez diária. 

Continua depois da publicidade

A economia do país sul-americano foi duramente atingida por uma inflação de três dígitos, uma recessão e o aumento da pobreza e do desemprego.

O presidente libertário Javier Milei, que assumiu o cargo em dezembro, implementou medidas de austeridade para controlar os gastos do governo. Ele também pôs fim ao congelamento dos preços da carne bovina imposto pelo governo anterior.

As tendências de longo prazo mostram que a população está se voltando cada vez mais para alternativas mais baratas, como frango e carne de porco. Em 2024, quase 2 kg de carnes alternativas poderão ser comprados pelo preço de 1 kg de carne bovina, segundo o relatório.

Continua depois da publicidade

No entanto, este ano, todo o consumo de carne deverá cair 9% em relação ao ano passado, atingindo o nível mais baixo desde 2011, segundo a bolsa.

Com a queda do consumo interno, os produtores estão cada vez mais enviando sua carne bovina para o exterior, segundo um relatório separado da bolsa publicado na sexta-feira. Os volumes de exportação de janeiro a maio deste ano aumentaram 10% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Apesar de comer menos carne bovina, os argentinos ainda consomem muito mais do que os americanos, que consomem uma média de 38 kg por ano, os australianos, 27 kg, e os chilenos, 26 kg, acrescentou a bolsa.