Com ponte destruída em Baltimore, portos da Costa Leste têm de absorver demanda extra

Acidente provocado por colisão de navio com ponte fechou por tempo indeterminado o 17º maior porto dos EUA em tonelagem total de carga

Bloomberg

Vista da ponte que desabou em Baltimore em março de 2024 (MD Fire&EMS/Divulgação)

Publicidade

(Bloomberg) – Os portos ao longo da Costa Leste dos EUA estão modificando suas operações para absorver cargas desviadas do porto de Baltimore, onde especialistas em salvamento estão iniciando a difícil tarefa de limpar os destroços da ponte Francis Scott Key destruída na semana passada.

O Porto da Virgínia, com terminais na foz da Baía de Chesapeake, perto de Norfolk, abrirá os portões na segunda-feira às 5h – uma hora mais cedo do que o normal – para ajudar a acomodar mais caminhoneiros. O porto de Nova York e Nova Jersey, que espera cargas adicionais incluindo automóveis, está trabalhando para permitir acesso rápido às empresas de transporte que costumam passar por Baltimore. Uma grande ferrovia também está expandindo seus serviços.

As consequências do colapso mortal da ponte na semana passada – que fechou por tempo indeterminado o 17º maior porto do país em tonelagem total de carga e a porta de entrada mais movimentada para veículos – deverão ser em grande parte contidos, pois instalações vizinhas com capacidade ociosa ajustaram seus horários. É mais provável que surjam complicações, atrasos e custos adicionais fora dos portos, uma vez que dezenas de milhares de remessas exigem rotas mais longas em estradas e linhas ferroviárias já lotadas.

Continua depois da publicidade

“Os portos da Costa Leste podem absorver facilmente as consequências imediatas do comércio em contêineres”, disse Sanne Manders, presidente de operações internacionais da Flexport Inc., uma plataforma digital de frete. “As consequências a longo prazo serão provavelmente mais graves, porque mesmo que se retirem os destroços, esta é uma ponte extremamente importante como fonte de alimentação para o porto, e o tráfego terá de ser redirecionado por um longo caminho.”

A CSX Corp., ferrovia com sede em Jacksonville, na Flórida, disse que está começando a oferecer um serviço ferroviário projetado para transportar cargas desviadas de Baltimore a partir de Nova York.

Norfolk, Nova York e Charleston, na Carolina do Sul, são frequentemente o primeiro destino dos navios de carga que partem de Baltimore em rotas regulares, de acordo com uma análise da plataforma PortWatch, do Fundo Monetário Internacional (FMI). Isso os torna os mais propensos a absorver mais importações no curto prazo.

Continua depois da publicidade

No domingo (31), havia 29 transportadores de carga a granel, contêineres e veículos ancorados fora de 10 portos entre Boston e Jacksonville, em comparação com 18 no sábado. de acordo com dados de rastreamento por satélite compilados pela Bloomberg.

Embora ainda não haja um cronograma para a reabertura do canal de Baltimore, guindastes gigantes estão sendo instalados para começar a desmontar os destroços da ponte, disse o secretário de Transportes dos EUA, Pete Buttigieg, no domingo. É importante “para nossas cadeias de abastecimento nacionais colocar esse porto de volta em funcionamento o mais rápido possível”, disse à emissora CBS.

O governador de Maryland, Wes Moore, disse que o fechamento do porto terá efeitos em cascata em todo o leste dos EUA. “Este porto é um dos mais movimentados do país, então isso afetará o agricultor em Kentucky, o revendedor de automóveis em Ohio e o dono de restaurante no Tennessee”, disse à CNN.

Continua depois da publicidade

Se tudo correr conforme o planejado, os motoristas de caminhão que normalmente marcam horários de coleta e entrega em Baltimore deverão poder fazê-lo esta semana em terminais em outras partes da região.

“O Porto de Nova York e Nova Jersey está trabalhando proativamente com nossos parceiros da indústria para responder conforme necessário e garantir a continuidade da cadeia de abastecimento ao longo da Costa Leste”, disse o diretor do porto, Bethann Rooney, em um comunicado enviado por e-mail.

De acordo com dados divulgados pela FourKites Inc., uma plataforma de visibilidade da cadeia de suprimentos, os desvios estão adicionando cinco dias aos prazos de entrega nos meios de transporte terrestre.

Continua depois da publicidade

“Mesmo quando removerem os escombros da água, o tráfego na área será afetado, pois os motoristas de caminhão ficarão relutantes em levar cargas para dentro e para fora da região sem um aumento de preço”, disse Jason Eversole, vice-presidente de serviços profissionais da FourKites.

A devastação local causada pela ponte desmoronada e pelo fechamento do porto de Baltimore permanecerá na região por alguns meses, disseram vários economistas.

Embora relativamente pequeno em termos de impacto econômico, é outro exemplo claro dos tipos de choques causados na cadeia de fornecimento por centro globalmente conectado – o que causa arrepios nas salas de reuniões corporativas e nos círculos políticos sobre a necessidade de mais resiliência e autossuficiência.

Continua depois da publicidade

Esses tipos de choques foram sentidos em todo o mundo , inclusive por navios que navegam ao redor da África para evitar ataques Houthi no Mar Vermelho, ou atrasos no trânsito pelo Canal do Panamá, atingido pela seca.

E outros choques apenas prejudicam as economias locais — incluindo uma greve portuária na Finlândia; a infraestrutura logística pouco confiável da África do Sul; e um navio porta-contêineres que colidiu com guindastes em um porto turco no início deste mês.

“Na verdade, o comércio está se sustentando muito bem – os fluxos comerciais ainda estão em movimento, as empresas estão encontrando soluções alternativas e a maior parte dessa interrupção parece ser bastante temporária”, disse Shanella Rajanayagam, economista comercial do HSBC Holdings Plc. em Londres.

Os economistas do HSBC aumentaram recentemente a sua previsão para o crescimento do comércio mundial este ano para 2,5% e mantiveram a sua perspectiva para uma expansão de 3,4% em 2025. Isso seria uma melhoria acentuada em relação a 2023, o que muitos observadores esperam mostrará pouco ou nenhum crescimento quando os números finais forem compilados.

Rajanayagam disse que embora as taxas de transporte de contêineres da Ásia para a Costa Leste dos EUA possam aumentar temporariamente após o desastre de Baltimore, os maiores riscos para o comércio global são aqueles que envolvem geopolítica, protecionismo, incerteza no ano eleitoral e alterações climáticas.

“Tudo parece apontar para o lado negativo e não para o lado positivo, por isso faz sentido preparar-se para esses choques”, disse ela.

©2024 Bloomberg L.P.

Tópicos relacionados