Ausência de Messi em jogo em Hong Kong ganha contornos de crise diplomática

Astro argentino ficou de fora num jogo no domingo, mas atuou normalmente ontem numa partida no Japão; jornal chinês e autoridades de Hong Kong reclamaram de tratamento diferenciado

Reuters

Messi comemora gol pelo Inter Miami (Mike Ehrmann/Getty Images)

Publicidade

Hong Kong (Reuters) – A ausência do jogador argentino Lionel Messi numa partida amistosa de seu time, o Inter Miami, em Hong Kong, ganhou contornos de uma mini crise diplomática. O astro ganhador de 8 Bolas de Ouro como melhor jogador do planeta e campeão mundial pela Argentina na última Copa do Mundo ficou no banco de reservas, decepcionando um multidão de fãs, que passaram a exigir reembolso dos ingresso.

O problema foi que, na turnê de seis jogos da pré-temporada do Inter Miami, o jogador de 36 anos só ficou de fora do jogo em Hong Kong, disputado no último domingo. Ontem, ele ficou no banco de reservas na partida contra Vissel Kobe, no Japão, mas entrou em campo aos 60 minutos de jogo.

O jornal Global Times, controlado pelo Estado chinês, disse que a ausência de Messi levanta muitas questões sobre o tratamento diferenciado para Hong Kong.

Continua depois da publicidade

“A partida em Hong Kong se tornou a única nos seis amistosos de pré-temporada de Messi nesta viagem em que ele esteve ausente. A situação (…) ampliou essas dúvidas e suspeitas sobre a integridade do Inter Miami e do próprio Messi.”

Alguns torcedores do continente viajaram 12 horas de Xinjiang a Hong Kong para ver Messi, escreveu o Global Times, com a decepção “inteiramente compreensível”. “O impacto deste incidente excedeu em muito o âmbito dos esportes”.

O técnico do Miami, Gerardo “Tata” Martino, tentou contemporizar, afirmando que Messi foi considerado “inadequado” para jogar em Hong Kong, sendo liberado na partida seguinte.

Messi pediu desculpas aos seus torcedores chineses no Weibo, uma plataforma chinesa semelhante ao X, pouco antes do jogo de quarta-feira, dizendo que era uma pena não poder jogar em Hong Kong devido a uma lesão.

“Quem me conhece sabe que sempre quero jogar (…) especialmente nesses jogos onde viajamos tão longe e as pessoas estão ansiosas para ver nossos jogos. Espero que possamos voltar e jogar em Hong Kong”, escreveu ele, em chinês e espanhol.

Ingressos de US$ 640

A partida em Hong Kong atraiu 40 mil torcedores, com os espectadores pagando até quase HK$ 5 mil (cerca de US$ 640) por ingresso. Em Tóquio, blocos inteiros de assentos no Estádio Nacional do Japão permaneceram desocupados, com apenas 28.614 ingressos vendidos.

​O Departamento de Cultura, Desporto e Turismo de Hong Kong disse num comunicado que, tal como os adeptos, estava muito desapontado por Messi não poder jogar em Hong Kong devido a lesão.

“No entanto, três dias depois, Messi pôde jogar ativa e livremente no Japão (…) o governo espera que os organizadores e as equipes possam fornecer explicações razoáveis.”

O legislador esportivo Kenneth Fok disse que o incidente “espalhou feridas de sal” nos torcedores de Hong Kong, enquanto a conselheira governamental Regina Ip escreveu no X que “o povo de Hong Kong odeia Messi, o Inter Miami e a ‘mão negra’ por trás deles, pelo desprezo deliberado e calculado para Hong Kong.”