Ataque aéreo de Israel mata 7 trabalhadores de ONG em Gaza

Comboio com equipe da World Central Kitchen (WCK), criada pelo famoso chef de cozinha José Andrés, foi atingido após descarregar mais de 100 toneladas de ajuda alimentar humanitária trazida para Gaza

Reuters

Veículo destruído por ataque israelense em Deir Al-Balah, na Faixa de Gaza - 2/4/2024 (Reuters/Ahmed Zakot)

Publicidade

Cidadãos de Austrália, Reino Unido e Polônia estão entre os sete trabalhadores da World Central Kitchen (WCK), a ONG do famoso chef de cozinha José Andrés, que foram mortos em um ataque aéreo de Israel no centro de Gaza na segunda-feira (1), informou a organização.

Os trabalhadores, que também incluíam palestinos e um cidadão com dupla nacionalidade dos Estados Unidos e do Canadá, estavam viajando em dois carros blindados com o logotipo da ONG e em outro veículo, disse a instituição em um comunicado.

Israel tem negado que esteja impedindo a distribuição da ajuda alimentar urgentemente necessária em Gaza, dizendo que o problema é causado pela incapacidade dos grupos de ajuda internacional de levá-la aos necessitados.

Planilha Gratuita

Fuja dos ativos que rendem menos com essa ferramenta gratuita

Baixe a Calculadora de Renda Fixa do InfoMoney e compare a rentabilidade dos ativos

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Apesar de coordenar os movimentos com a Força de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês), o comboio foi atingido quando saía de seu depósito em Deir al-Balah, após descarregar mais de 100 toneladas de ajuda alimentar humanitária trazida para Gaza por via marítima, disse a ONG.

“Não se trata apenas de um ataque contra a WCK, mas de um ataque às organizações humanitárias que aparecem nas situações mais terríveis em que os alimentos estão sendo usados como arma de guerra”, disse Erin Gore, diretora executiva da World Central Kitchen. “Isso é imperdoável.”

As Forças Armadas israelenses afirmaram que estão fazendo uma revisão completa nos níveis mais altos para entender as circunstâncias do que chamaram de incidente trágico e prometeram uma investigação por “um órgão independente, profissional e especializado”.

Continua depois da publicidade

Israel tem estado sob crescente pressão internacional para aliviar a fome severa no enclave, que tem sido devastado por meses de combates que forçaram a maioria da população a deixar suas casas.

A Organização das Nações Unidas (ONU) e outros grupos internacionais têm acusado Israel de dificultar a distribuição de ajuda com obstáculos burocráticos e de não garantir a segurança dos comboios de alimentos, o que foi enfatizado por um desastre em 29 de fevereiro, no qual cerca de 100 pessoas foram mortas enquanto esperavam pela entrega de ajuda.

Andrés, que fundou a ONG em 2010 ao enviar cozinheiros e alimentos para o Haiti após um terremoto, disse que estava com o coração partido e de luto pelas famílias e amigos dos que morreram. “O governo israelense precisa parar com essa matança indiscriminada”, disse ele nas redes sociais.

“Precisa parar de restringir a ajuda humanitária, parar de matar civis e trabalhadores humanitários e parar de usar alimentos como arma. Chega de vidas inocentes perdidas. A paz começa com nossa humanidade compartilhada. Ela precisa começar agora.”