Assange ganha outra chance para recorrer contra extradição aos EUA

EUA acusam Assange de ajudar a analista de inteligência do Exército, Chelsea Manning, no vazamento de cerca de 750 mil documentos confidenciais

Bloomberg

Manifestantes do lado de fora do Royal Courts of Justice em Londres, em 20 de maio (Carlos Jasso/Bloomberg)
Manifestantes do lado de fora do Royal Courts of Justice em Londres, em 20 de maio (Carlos Jasso/Bloomberg)

Publicidade

A extradição de Julian Assange foi adiada novamente depois que juízes de Londres deram ao fundador do WikiLeaks outra oportunidade de apresentar um recurso.

Depois de mais de uma década de disputas jurídicas, os juízes britânicos deram a Assange alguma esperança de um adiamento do processo de extradição. Isso significa que o fundador do WikiLeaks, que está preso ou na embaixada do Equador em Londres desde 2012, não será colocado num avião para os EUA a curto prazo.

Dois juízes de Londres decidiram nesta segunda-feira (20) que Assange poderia interpor um novo recurso, depois dos seus advogados argumentarem com sucesso que as garantias dos EUA sobre os seus direitos da Primeira Emenda não eram suficientes. Se as garantias tivessem sido consideradas suficientes, Assange poderia ser extraditado em poucos dias.

Continua depois da publicidade

Os EUA acusam Assange de ajudar a analista de inteligência do Exército dos EUA, Chelsea Manning, na obtenção de cerca de 750 mil documentos confidenciais, em um dos maiores vazamentos de segredos de Estado na história dos EUA. As acusações acarretam uma pena máxima de 175 anos de prisão se ele for considerado culpado em todas as acusações, embora as sentenças para crimes federais sejam normalmente inferiores a isso.

O presidente Joe Biden disse aos jornalistas no mês passado que o governo considerava um pedido do governo australiano, país natal de Assange, para encerrar o caso. As autoridades dos EUA também estariam considerando um acordo judicial, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto.

Jennifer Robinson, advogada de Assange, disse numa conferência de imprensa na semana passada que a sua equipe jurídica trabalha em estreita colaboração com o governo australiano para tentar encontrar uma resolução para o caso. Assange tem o apoio do primeiro-ministro Anthony Albanese, que disse que o fundador da WikiLeaks já pagou um preço significativo e deveria ser autorizado a voltar à Austrália.

Continua depois da publicidade

© 2024 Bloomberg L.P.