A fria relação entre Lula e Milei esteve em plena exibição no G7

Luiz Inácio Lula da Silva e o argentino Javier Milei cruzaram-se pela primeira vez na sexta-feira na Cúpula do G-7 na Itália, mas evitaram contato

Bloomberg

Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, posa para a fotografia oficial da reunião do G7, ao lado dos Chefes de Estado e de Governo dos países do segmento externo da Cúpula do G7 e os representantes de organizações internacionais convidadas, no Hotel Borgo Egnazia. (Foto: Ricardo Stuckert / PR)
Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, posa para a fotografia oficial da reunião do G7, ao lado dos Chefes de Estado e de Governo dos países do segmento externo da Cúpula do G7 e os representantes de organizações internacionais convidadas, no Hotel Borgo Egnazia. (Foto: Ricardo Stuckert / PR)

Publicidade

(Bloomberg) –Eles não poderiam estar mais distantes na foto de família dos líderes do Grupo dos Sete, nem na vida real.
Luiz Inácio Lula da Silva e o argentino Javier Milei cruzaram-se pela primeira vez na sexta-feira na Cúpula do G-7 na Itália, fazendo parte de um elenco diversificado de personagens reunido pela primeira-ministra Giorgia Meloni. Eles mantêm uma relação fria e distante desde a eleição de Milei no ano passado, quando Lula apoiou publicamente o adversário e foi chamado de “comunista” pelo libertário.

Diversifique investindo no Brasil e no exterior usando o mesmo App com o Investimento Global XP

Mas, ao contrário de Narendra Modi, da Índia, que aproveitou a oportunidade para, pelo menos, tentar melhorar as relações com os presidentes dos EUA e do Canadá, os líderes das duas maiores economias da América do Sul voaram milhares de quilômetros dos seus países vizinhos para participar do mesmo evento evitando ao máximo um ao outro.

Continua depois da publicidade

Misturando-se entre líderes globais, incluindo o Papa Francisco, as suas diferenças ficaram à mostra.

Lula compareceu à reunião buscando transmitir a mensagem de que os líderes de extrema direita são prejudiciais à democracia, um apelo que mira muitos dos aliados de Milei. E com a sua agenda interna enfrentando obstáculos no Congresso, ele continua concentrado em reforçar o apoio aos principais objetivos da presidência rotativa do G-20 no Brasil, incluindo impostos globais sobre os super-ricos, programas sociais para combater a fome e medidas mais agressivas sobre as alterações climáticas.

O brasileiro estreitou laços com a liderança política global e preencheu a sua agenda na Itália com uma lista de reuniões bilaterais que incluiu Emmanuel Macron da França, Meloni, Olaf Scholz da Alemanha, a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen e Modi. Ele também se encontrou com o Papa, um argentino que entrou em confronto com Milei durante sua eleição.

Continua depois da publicidade

Milei, em vez disso, condenou o aborto e falou sobre os perigos do populismo, que ele vê como uma ameaça vinda de líderes de esquerda. Ele passou os primeiros meses de sua presidência se posicionando para aproveitar uma onda política de direita internacionalmente. O argentino irritou Biden ao bajular Donald Trump e provocou uma briga diplomática com o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez, ao aparecer em um comício do partido de extrema direita Vox.

Ele veio para Itália numa súbita série de vitórias, depois que os legisladores argentinos aprovaram a maior parte do seu pacote de reformas para cortar gastos. Na Itália, Milei teve uma reunião com a chefe do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva, no meio de expectativas de que a Argentina possa negociar um novo programa – e talvez obter novos fundos – do credor com sede em Washington.

Embora o governo de Milei tenha manifestado interesse em uma reunião informal com Lula em abril, o brasileiro até agora o rejeitou. Resta saber quem piscará primeiro, se é que alguém piscará. A próxima oportunidade de reunião será provavelmente em novembro, quando Lula receber os líderes do G-20 no Rio de Janeiro.

Continua depois da publicidade

© 2024 Bloomberg L.P.