Seguradora não pode mudar contrato sem autorização do cliente

Intuito da liminar é impedir o aumento do prêmio e redução de indenizações a clientes, autorizadas pela Susep

Por  Equipe InfoMoney

SÃO PAULO – Contratos de seguro de vida não podem ser rescindidos ou modificados sem a concordância do cliente e da empresa. A decisão é da juíza Mônica Autran Machado Nobre, da 4ª Vara Cível da Justiça Federal de São Paulo.

Segundo o Última Instância, a decisão tem caráter provisório. No entanto, todos os acordos firmados antes de 11 de janeiro de 2003 estão incluídos nesse entendimento.

Ação

A liminar foi concedida após ação civil pública movida pela Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor de São Paulo (Procon), pela Procuradoria Geral do Estado de São Paulo e pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec). Os réus eram a Superintendência Nacional de Seguros Privados (Susesp) e a União e o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP).

A intenção da medida é evitar o aumento dos prêmios e redução de indenização empregados por algumas empresas.

Autorização

A autorização desses aumentos consta em circulares publicados pela Susep. A magistrada determinou a suspensão do efeito desse documento até o julgamento final da ação.

A liminar foi deferida parcialmente, para abranger os contratos anteriores ao Código Civil de 2002. Com a decisão, os contratos de seguro de vida firmados até 11 de janeiro de 2003, quando entrou em vigor o novo Código Civil, não podem sofrer alterações nem cancelamento.

Compartilhe