Saúde financeira do brasileiro melhora, mas 23% ainda têm dificuldade em fechar as contas, mostra pesquisa

Outros 42,6% dos entrevistados 'nunca' ou 'raramente' têm dinheiro sobrando no fim do mês

Gilmara Santos

(Ridofranz/iStock/Getty Images Plus)

Publicidade

A saúde financeira dos brasileiros estabilizou neste ano, na comparação com o ano passado, mas as finanças continuam sob grande pressão. É o que revela o Índice de Saúde Financeira do Brasileiro (I-SFB) elaborado pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), com apoio técnico do Banco Central.

A média geral ficou em 56,2 neste ano contra 56,0 do ano passado, o que significa uma pequena melhora entre os dois períodos. Isso porque quanto maior o indicador, melhor é a saúde financeira.

De acordo com os critérios da pesquisa, a pontuação na faixa entre 50 e 56 mostra os primeiros sinais de desequilíbrio e risco de entrada em um patamar considerado de alto estresse financeiro.

Masterclass

O Poder da Renda Fixa Turbo

Aprenda na prática como aumentar o seu patrimônio com rentabilidade, simplicidade e segurança (e ainda ganhe 02 presentes do InfoMoney)

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Conforme o levantamento, 23,3% dos entrevistados relatam estar totalmente ou muito apertados financeiramente; 26,6% dizem estar mais ou menos apertados; e 50,1% pouco ou nada apertados.

“A nova pesquisa demonstra que o índice geral da saúde financeira do brasileiro está se estabilizando, mas o orçamento do consumidor segue apertado. Esse cenário destaca a importância das ações de educação financeira, de modo que o consumidor possa retomar o controle dos seus gastos e se afastar do ciclo de estresse e desorganização financeira”, explica Amaury Oliva, diretor-executivo de cidadania financeira, autorregulação e relações com o consumidor da Febraban.

O estudo mostra que:

Continua depois da publicidade

A pesquisa foi realizada entre junho e setembro e considerou uma amostra de 4.769 pessoas com idade acima de 18 anos oriundas das cinco regiões do país. O I-SFB mede a saúde financeira da população usando uma escala de 0 a 100 pontos e, de acordo com a pontuação, classifica a pessoa em uma das 7 faixas (ou níveis) de saúde financeira que o compõem.

Gilmara Santos

Jornalista especializada em economia e negócios. Foi editora de legislação da Gazeta Mercantil e de Economia do Diário do Grande ABC.