Conteúdo editorial apoiado por

Projeto de lei quer proibir seguradora de negar venda de serviços a deficientes

Texto, que já foi aprovado pela CCJ, da Câmara dos Deputados, segue para análise no Senado

Gilmara Santos

Publicidade

Um Projeto de lei, em tramitação no Congresso Nacional, quer proibir que as operadoras de seguros privadas em atuação no país deixem de recursar, sem justificativa, a venda de produtos e serviços a pessoas com alguma deficiência em razão única e exclusivamente de condições física, mental, intelectual ou sensorial.

O texto, que já foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados segue para o Senado. Esse trâmite pode seguir outro fluxo caso haja algum recurso interposto junto ao plenário da Câmara.

O relator da iniciativa, deputado Luiz Couto (PT-PB), afirma no parecer que o Projeto de Lei 2346/19, do deputado Rubens Otoni (PT-GO), é constitucional e está de acordo com as leis brasileiras. Por recomendação de Couto, no entanto, foi aprovada a redação adotada pela antiga Comissão de Seguridade Social. “Estamos propondo apenas dois outros ajustes de redação por meio de duas emendas”, acrescentou.

Continua depois da publicidade

Autor da proposição, Rubens Otoni justifica a iniciativa citando que, apesar da proibição, “na prática, são recorrentes os casos de negativa por seguradoras da prestação de serviço à pessoa com deficiência”.

O texto aprovado altera a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (13.146/15), que já trata dessa proibição nos planos e seguros privados de saúde.

Aprenda a receber até 200% acima da poupança tradicional sem abrir mão da simplicidade e da segurança

Gilmara Santos

Jornalista especializada em economia e negócios. Foi editora de legislação da Gazeta Mercantil e de Economia do Diário do Grande ABC