Perda ou roubo de documento aumenta em 120% chance de fraude

Perto do feriado da Independência do Brasil, consumidores devem ficar atentos; comerciantes também devem ter cuidados

Por  Viviam Klanfer Nunes

SÃO PAULO – Na semana da Pátria, com a comemoração da Independência do Brasil na próxima quarta-feira (7), os consumidores devem ficar atentos às fraudes decorrente de perdas de documentos. De acordo com levantamento do Serasa Experian, em vésperas e durante os feriados, os crimes aumentam 25%.

O estudo ainda revelou que pessoas que já tiveram roubados, perdidos ou extraviados documentos como identidade, CPF ou carteira de habilitação têm 120% de chances a mais de ser vítimas de fraudes do que aqueles que nunca tiveram problemas com seus documentos.

O tipo mais comum de crime com documentos é a realização de compras em nome de terceiros, surpreendendo as vítimas com cobranças indevidas.

Avisando o mercado
Por conta dos transtornos causados com a perda ou roubo dos documentos, a Serasa Experian disponibilizou, desde 2007, um serviço gratuito que permite às vítimas cadastrar os dados dos seus documentos. Vale lembrar que não é suficiente informar o ocorrido apenas à instituição bancária.

Na prática, o cadastro permite que todos os clientes do comércio que utilizam os serviços da Serasa tenham acesso às informações de documentos roubados. Assim, se o criminoso for realizar uma compra com CPF ou identidade de terceiros, o lojista, por exemplo, saberá que aquilo se trata de uma fraude.

A recomendação, portanto, é que, ao ser roubado ou simplesmente ter os documentos perdidos, o indivíduo entre no site da Serasa Experian (www.serasaexperian.com.br/servicos/cadastro) ou vá em alguma agência do órgão e se cadastre. As informações permanecerão no banco de dados da Serasa por 10 dias, podendo ficar por prazo indeterminado após a vítima enviar um Boletim de Ocorrência ou declaração formal.

A partir do cadastro, as informações ficam disponíveis em todo o território nacional e só deixam o banco de dados a pedido do consumidor. Essas medidas ajudam a blindar a vítima de golpes futuros.

Compartilhe