Comportamento financeiro

Otimista, impaciente e frustrado: um retrato do investidor no Brasil e no mundo

Estudo da gestora global de recursos Schroders revela que brasileiro espera obter rentabilidade anual de 14,9% nos próximos cinco anos, embora 46% das pessoas estejam insatisfeitas com o desempenho de sua carteira

SÃO PAULO – Qual é o patamar de retorno que você espera alcançar com seus investimentos ao longo dos próximos cinco anos? De quanto em quanto tempo você muda a alocação da sua carteira? Como você avalia a trajetória das suas aplicações financeiras no passado recente?

A julgar pelos resultados de uma pesquisa elaborada pela gestora de recursos Schroders, o investidor brasileiro é hoje otimista, impaciente, mas de certa forma frustrado com sua rentabilidade, com dados em grande parte piores que os da média global.

O “Estudo Global de Investidores” deste ano teve como tema central mapear como investidores de cerca de 30 países se comportam. Nomeado “Comportamento do investidor: as pessoas têm controle sobre suas finanças pessoais?”, o levantamento revelou um alto grau de otimismo no mundo como um todo (ainda que por razões distintas), o que mostra que o contexto de maior turbulência dos mercados não tem afetado os ânimos.

PUBLICIDADE

Enquanto, em média, o investidor global espera um retorno anualizado de 10,7% ao longo dos próximos cinco anos, entre os brasileiros, a expectativa aumenta para 14,9% ao ano, mais que dobro da atual taxa Selic, de 6,5% ao ano. Em termos regionais, a expectativa no Brasil também supera a das Américas (com 12,4% de retorno anual projetado), Ásia (11,5%) e Europa (9%), e fica abaixo apenas dos percentuais indicados por investidores de países como Argentina (líder do ranking, com estimados 15,8% ao ano), Indonésia (15,5%) e Tailândia (15,0%).

Para os próximos 12 meses, a expectativa média de retorno dos participantes do estudo correspondeu a 10,3%, novamente abaixo da rentabilidade projetada no Brasil, de 13%.

microsoftteams-image

A Schroders realça o otimismo global ao mostrar que, nos últimos cinco anos, as ações globais – medidas pelo índice MSCI World – geraram retorno médio de apenas 6,7% ao ano. Em um horizonte de tempo ainda mais longo, o Barclays Equity-Gilt Study mostra que, mesmo tendo em perspectiva os retornos dos mercados acionários ao longo de mais de cem anos, os ganhos têm ficado em torno de 5% ao ano.

No Brasil, o Ibovespa dobrou de preço nos últimos dez anos e, de 2014 para cá, o índice subiu cerca de 90%, o que resultaria em um retorno médio de 18% ao ano.

“O que a gente percebe é que o passado é o que a pessoa tem, é a sua referência. Poucos entendem que é muito mais difícil olhar para frente do que falar sobre o que já foi”, diz Daniel Celano, CEO da Schroders Brasil. “Acho que existe essa inércia em termos de comportamento.”

PUBLICIDADE

Invista melhor o seu dinheiro: abra uma conta gratuita na XP

Há certo apego a um passado ainda recente, já que o Brasil tinha juros de dois dígitos até dois anos atrás, o que desestimulava a tomada de risco pelo investidor para garantir retornos atrativos, observa Celano.

O cenário, contudo, vem mudando, o que vai exigir uma adequação por parte de expectativas, atualmente “irrealistas”, e também deve ter impacto sobre o comportamento do investidor que quiser continuar a garantir rentabilidade.

“Com menos prêmio de arbitragem no óbvio e a questão de solvência dirimida num horizonte de dez anos, você tem um prêmio de risco menor. E como é que você vai gerar alfa? Vai ter que correr mais risco, girar a carteira, vai ajustar melhor as expectativas”, ressalta o CEO da Schroders Brasil, que comparou a situação do brasileiro com a do japonês, que demorou quase uma década para entender que o retorno desejado não seria mais equivalente à rentabilidade possível.

Impaciência

Outro aspecto que chama atenção no estudo diz respeito à impaciência do investidor brasileiro, que relatou permanecer apenas 1,9 ano em um produto antes de mudar a aplicação ou resgatar o dinheiro, diante da média global de 2,6 anos. A referência ideal da gestora gira em torno de cinco anos.

microsoftteams-image_(2)

Geograficamente, os investidores do Japão, dos Estados Unidos e do Canadá são os mais pacientes entre os participantes, com períodos correspondentes a pelo menos quatro anos, contrastando com os argentinos, com tempo de permanência de 1,3 ano.

Por faixa geracional, como é de se esperar, os mais jovens são mais impacientes. Os chamados millennials (pessoas com idades entre 18 e 37 anos) mantêm seus investimentos por uma média de 1,9 ano, em comparação com o período médio de permanência de 3,7 anos dos baby boomers (pessoas na faixa entre 51 e 70 anos).

“Cinco anos é um prazo razoavelmente longo para deixar os investimentos maturarem e os ciclos econômicos acontecerem, mas, para deixar o retorno consistente, acima do benchmark, você vai precisar de pelo menos uns dois anos”, diz Celano. “As pessoas vão precisar ser um pouco mais pacientes com o dinheiro de longo prazo e, nessa discussão em torno da reforma da Previdência, vai ficar cada vez mais óbvio que você vai precisar pensar nele de forma separada.”

Insatisfação

Conforme o estudo, em meio a expectativas muito elevadas de retorno, as pessoas estão se frustrando com as rentabilidades de seus ativos. No mundo, 51% das pessoas disseram não estarem satisfeitas com o desempenho dos seus investimentos nos últimos cinco anos, percentual que cai para 46% no Brasil, embora o número siga elevado.

microsoftteams-image_(4)

E tudo indica que a frustração poderá continuar se os investidores não se atentarem ao horizonte prospectivo. Para a Schroders, ao longo da próxima década, uma combinação de fatores — como o envelhecimento da população, inflação baixa e taxas de produtividade — irá lançar as bases para uma desaceleração da economia global.

Apesar dos dados relativos ao olhar dos investidores sobre o passado, Celano enxerga o episódio pelo aspecto positivo, no sentido de que as pessoas começam a se responsabilizar pelos resultados obtidos. O estudo revela que, além do desempenho de seus fundos, dentre os motivos citados pelos brasileiros para não alcançarem os retornos desejados, estão o tempo de permanência (maior ou menor que o ideal), o nível de risco assumido e a avaliação errada do produto selecionado.

“Os motivos pelos quais as pessoas se frustraram estão relacionados a muito do que elas decidiram, como se comportaram. Estão centrados na pessoa que toma a decisão e que age, o que eu achei muito positivo e mostra um grau de maturidade um pouco maior”, afirma.

A impulsividade, contudo, ainda pode atrapalhar. Ao pegar como exemplo a turbulência dos mercados no fim de 2018, a gestora identificou que a maioria das pessoas fez modificações em seu perfil de risco — 37% transferiram parte de sua carteira para investimentos de menor risco e 35%, para maior risco. “A volatilidade realmente faz as pessoas se mexerem.”

Realizado há cinco anos, o estudo da Schroders de 2019 contou com a participação de 25.743 pessoas com investimentos em 32 países, dos quais mil brasileiros. Todos os entrevistados têm a intenção de investir ao menos o equivalente a 10 mil euros nos próximos 12 meses e realizaram alguma movimentação em suas aplicações pelo menos uma vez em qualquer momento dos últimos dez anos. A pesquisa online foi realizada entre os dias 4 de abril e 7 de maio.

Invista o seu dinheiro e conquiste a sua independência financeira: abra uma conta gratuita na XP