Operação-padrão pode atrasar divulgação da Ata do Copom e outros indicadores, afirma sindicato

Presidente do sindicato afirma que atraso no Relatório Focus de hoje foi causado pelas paralisações diárias dos servidores da instituição

Lucas Sampaio

Publicidade

O presidente do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), Fabio Faiad, afirmou ao InfoMoney nesta segunda-feira (21) que as paralisações diárias dos servidores podem afetar divulgações importantes previstas para esta semana, assim como ocorreu com o Relatório Focus hoje.

As projeções semanais, que são divulgadas às 8h25, saíram excepcionalmente às 10h. Entre as importantes divulgações desta semana estão a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que decidiu por elevar a taxa básica da economia em 1 ponto percentual, para 11,75% ao ano.

Leia também:

Masterclass

O Poder da Renda Fixa Turbo

Aprenda na prática como aumentar o seu patrimônio com rentabilidade, simplicidade e segurança (e ainda ganhe 02 presentes do InfoMoney)

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A Ata do Copom está prevista para ser divulgada na terça-feira (22) às 8h. Na quinta-feira (24), tem a divulgação do relatório de inflação também às 8h e da reunião do CMN (Conselho Monetário Nacional) às 15h.

Faiad afirmou que não pode divulgar quais divulgações podem atrasar “porque senão vai atrapalhar a nossa logística”. “Não podemos fazer divulgação anterior, só vamos fazer divulgação depois de ter parado”.

Os servidores do BC decidiram, em assembleia na quarta-feira (16), que fariam paralisações diárias de quatro horas, de 14h às 18h. Também ficou decidido que os substitutos de cargos de chefia pediriam exoneração de suas posições.

Continua depois da publicidade

Reinvindicações dos servidores

A categoria quer um reajuste salarial de 26,3%, além da reestruturação da carreira de analistas, e fará uma nova assembleia amanhã, terça-feira (22), para deliberar sobre a possibilidade de uma greve geral.

“As recentes declarações do presidente Jair Bolsonaro, pedindo ‘compreensão’ aos servidores que não são da segurança pública federal, sugerem que o reajuste será dado somente para os policiais federais e outros servidores de segurança, excluindo os servidores do BC”, afirma Faiad.

O sindicato cobra uma reunião com o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, nos próximos dias, e também que o presidente do BC, Roberto Campos Neto, envie um ofício ao Ministério da Economia e ao presidente Jair Bolsonaro cobrando o reajuste.

9 formas de transformar o seu Imposto de Renda em dinheiro: um eBook gratuito te mostra como – acesse aqui!

Lucas Sampaio

Jornalista com 12 anos de experiência nos principais grupos de comunicação do Brasil (TV Globo, Folha, Estadão e Grupo Abril), em diversas funções (editor, repórter, produtor e redator) e editorias (economia, internacional, tecnologia, política e cidades). Graduado pela UFSC com intercâmbio na Universidade Nova de Lisboa.