Open Finance: Bradesco disponibiliza Pix com saldos de outros bancos; veja como vai funcionar

Recurso é possível a partir do iniciador de pagamentos, mecanismo criado pelo Banco Central

Giovanna Sutto

Publicidade

O Bradesco anunciou que vai permitir que as transações Pix em seu ambiente sejam feitas com saldos de outros bancos no âmbito do Open Finance. O recurso começou a ser disponibilizado no app do banco, a partir desta quarta-feira (5).

Na prática, o cliente ganha a opção de enviar R$ 50 pelo Pix do app do Bradesco, mas utilizando o dinheiro da conta corrente do Itaú, por exemplo, em vez de debitar o valor direto da conta do Bradesco. A possibilidade foi homologada pelo Banco Central, que submeteu a modalidade a testes de tecnologia e segurança.

O recurso é baseado no Open Finance e na possibilidade de compartilhamento de dados, a partir do consentimento do cliente. O Bradesco, homologado como iniciador de pagamentos, é o primeiro banco a oferecer o recurso no país.

Exclusivo para novos clientes

CDB 230% do CDI

Destrave o seu acesso ao investimento que rende mais que o dobro da poupança e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Como funciona?

Para conseguir fazer a transferência, o usuário entra na área Pix dentro do app do Bradesco, escolhe de qual instituição quer fazer o débito e define o valor. Depois é direcionado ao ambiente do outro banco, onde fará o login normalmente, passar por autenticação, conferir as informações e autorizar que o valor seja transferido.

Ao confirmar a transação, o Pix é realizado, e o cliente é redirecionado de volta ao app do Bradesco.

Qual a vantagem?

Do ponto de vista do cliente, a vantagem é a praticidade de poder utilizar saldos de várias instituições dentro de um único app. A ferramenta passa a centralizar as transferências em um único canal, mesmo que o dinheiro não esteja nesta conta especificamente. Não é um recurso obrigatório, e ficará disponível aos clientes do banco.

Continua depois da publicidade

Fase 3 do Open Finance

O novo recurso só é possível graças ao chamado iniciador de pagamentos, um mecanismo desenvolvido e liberado para o mercado na fase 3 do Open Banking, agora Open Finance, em 29 de outubro de 2021.

Os iniciadores de transação de pagamentos (ITPs) nada mais são do que empresas reguladas pelo BC que poderão iniciar transferências e pagamentos aos clientes.

Para se tornar um ITP, a instituição financeira precisa ter uma certificação e uma homologação do Banco Central, que é o selo de garantia. No total, atualmente são 13 empresas liberadas, incluindo grandes bancos como Banco do Brasil, Bradesco, Itaú, além de BTG, Inter, Mercado Pago, Sicoob e outros já estão autorizados pelo BC a atuar como iniciadores.

Nem todos, porém, já lançaram produtos e serviços a partir dessa autorização. O Mercado Pago e o Banco do Brasil, por exemplo, já oferecem uma opção bem similar ao anúncio do Bradesco, chamada cash-in, que permite ao cliente disponibilizar dinheiro de outras instituições para a sua respectiva conta em uma das instituições mencionadas.

O Bradesco deu um passo adiante ao permitir  fazer Pix para outras contas ou até mesmo pagar via Pix utilizando o recurso de iniciação de pagamentos.

Veja, abaixo, novidades em vídeo sobre a fase 3 do Open Banking:

Giovanna Sutto

Repórter de Finanças do InfoMoney. Escreve matérias finanças pessoais, meios de pagamentos, carreira e economia. Formada pela Cásper Líbero com pós-graduação pelo Ibmec.