Em minhas-financas

Fraudes bancárias: um em cada dez brasileiros já teve dados pessoais roubados

Cerca de 70% dos entrevistados temem muito o uso dos bancos on-line, o que explica a baixa adesão ao serviço no País (18%)

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - Cerca de um em cada dez brasileiros que têm conta em banco já foi vítima de roubo de identidade, risco praticamente dobrado entre os adeptos das transações bancárias pela internet. Trata-se de golpes aplicados por fraudadores que realizam saques, transferências e pagamentos usando dados roubados dos clientes.

Dados colhidos em oito países pela Syovate em parceria com a Unisys Corporations, revelaram que esse tipo de fraude no Brasil já vitimou 9% dos clientes de bancos. Esse percentual só não é maior que nos Estados Unidos e Inglaterra, locais onde o roubo de identidades já atingiu 17% e 11% dos usuários, respectivamente.

Insegurança
O estudo também mediu dados referentes à segurança de operações bancárias pela internet. Vale lembrar que só no Brasil, foram entrevistadas 996 pessoas. Enquanto os países latino-americanos temem muito as fraudes por este método, os países desenvolvidos aceitam os bancos on-line com menos restrições.

Por aqui, por exemplo, essa é a preocupação de 70% dos clientes. No México, que lidera a pesquisa, o percentual chega a 78% dos clientes. Já nos Estados Unidos (23%) e França (8%), esses índices são bem menores.

O elevado nível de preocupação dos brasileiros resulta no baixo uso propriamente dito do internet banking. O Brasil é o líder entre os países que preferem evitar o sistema, contando com apenas 18% de usuários, enquanto o México, apesar do medo, é o que mais pratica este tipo de negociação: 57% dos internautas.

Entre os países estudados, o Brasil foi o único onde a preocupação com a segurança pessoal liderou a lista de preocupações dos entrevistados. No País, apenas 12% se preocupam com a perda de dinheiro, a principal preocupação nos outros locais.

Ainda de acordo com a pesquisa, 15% em cada país se preocupam mais com a maneira como aconteceu e com a necessidade de cancelar ou substituir cartões de crédito.

Precauções
Esse temor todo entre os brasileiros talvez diminuísse se algumas sugestões dos entrevistados fossem ouvidas. Cerca de 87% deles acreditam que a implantação de sistemas biométricos (leitor de impressão digital ou escaneamento de íris) daria mais tranqüilidade aos correntistas.

Outras opções apontadas pelos entrevistados são a adoção de leitores de cartões inteligentes (smart cards), opinião de 77% dos clientes, a implantação de tokens de segurança (61%) e mais senhas e números pessoais de identificação (41%).

Quanto às preocupações próprias, a pesquisa garantiu que 93% dos consultados acham que destruir informações pessoais é uma boa opção, assim como atualizar softwares de segurança (77%), enquanto a desconexão de sites com cautela, o não compartilhamento com outros computadores e a mudança de senhas e números pessoais são alternativas válidas para 72%, 61% e 59% deles, respectivamente.

 

Contato