primeiros resultados

Maioria dos paulistanos está satisfeita com sua vida na cidade

Índice que mede satisfação em relação à vida e aos serviços públicos foi lançado hoje pela FGV-EAESP

SÃO PAULO – A cidade de São Paulo tem um novo indicador que mede o bem-estar e a felicidade. A partir de hoje, o chamado de WBB (Well Being Brazil), ou Índice de Bem-Estar Brasil, irá mensurar o nível de felicidade os paulistanos a partir de suas percepções em relação à vida e aos serviços públicos.

O WWB foi divulgado nesta terça-feira (14) pela FGV-EAESP (Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas), em parceria com o Movimento Mais Feliz, organização focada em comunicação e articulação de projetos sociais, e a rede social MyFunCity, aplicativo que permite que cidadãos avaliem a qualidade das cidades.

O índice foi lançado em março de 2013, quando o site www.wbbindex.org foi inaugurado para coletar os dados para a pesquisa. No endereço, o WBB foi desenvolvido com base em informações fornecidas pelos cidadãos da cidade de São Paulo sobre 10 temas: meio ambiente, transporte e mobilidade, família, redes de relacionamento, profissão e dinheiro, educação, governo, saúde, segurança e consumo.

PUBLICIDADE

Primeiros resultados
Apesar de ser um índice nacional, o WBB terá leitura regional de cada um dos temas pesquisados. Na capital paulista, os resultados foram pouco otimistas em relação ao poder público, transporte e mobilidade e saúde, mas satisfeitos com a família, rede de relacionamentos e vida profissional e financeira.

No geral, os cidadãos estão satisfeitos com sua vida. Cerca de 60% estão totalmente ou relativamente satisfeitos. Quase 30% afirmaram estar indiferentes com a satisfação e 12% estão relativamente ou totalmente insatisfeitos.

Entre as classes sociais, as mais altas (A e B) tendem ser menos satisfeitas com a vida na cidade, em comparação às classes mais baixas (C, D e E). Segundo pesquisadores, tal fato está relacionado ao nível de escolaridade e conhecimento. “A principal conclusão que tivemos foi que o cidadão vive extremamente bem, só que ele é extremamente crítico com o que ele recebe da cidade. Os paulistanos são uns dos mais satisfeitos”, afirmou o professor da FGV e coordenador da pesquisa, Fabio Gallo.

Por setores que compõe o bem-estar na cidade, o poder público foi o mais insatisfatório para os paulistanos. Em uma escala de 0 a 5 (sendo zero o máximo de insatisfação e 5 seu ápice de satisfação), a área teve uma média abaixo de 1,5. As piores avaliações da sociedade estão relacionadas à atuação dos vereadores, deputados federais, senadores e deputados estaduais, respectivamente. Todos estes receberam notas abaixo de 1. O item melhor avaliado no poder público é a atuação da prefeitura, com um pouco mais de 2.

Outra área mal avaliada é a de transporte de mobilidade, com uma satisfação média de 2,7. O tempo gasto no trânsito e qualidade do transporte público são as principais insatisfações do paulistano em relação à mobilidade. Outro setor pior avaliado foi segurança, influenciado, principalmente, pela visão pessimista do cidadão em relação ao nível de violência na cidade, trabalho da polícia e controle das fronteiras do Brasil.

Na área da saúde, os maiores destaques ficaram por conta da vida sexual do paulistano (item mais satisfatório) e a rede pública de saúde da cidade (menos satisfatório). No consumo, o abastecimento de água foi o melhor avaliado e os serviços do plano de saúde do cidadão, o pior. Em relação ao meio ambiente, o nível de barulho e a qualidade do ar são os aspectos que mais interferiram de forma negativa na vida do paulistano.

PUBLICIDADE

Já entre as áreas que tiveram as melhores avaliações foram família, rede de relacionamentos e vida profissional e financeira. Esta última, fortemente influenciada pela grande oferta de trabalho na cidade de São Paulo, obteve  nota próxima da pontuação máxima, 5. Entre os itens mais satisfatórios estão relacionados ao emprego e ambiente de trabalho. Vida financeira e questões sobre dinheiro guardado foram as mais insatisfatórias, o que mostra que o paulistano tem dificuldade em deixar as contas em dia e planejar sua aposentadoria.

Nas redes de relacionamentos, foi constatado que os cidadãos têm baixa qualidade de lazer, o que compromete o convívio social em São Paulo. Por outro lado, a relação com os amigos e a convivência com os vizinhos são satisfatórias.

Outro destaque da pesquisa foi a satisfação com a família. Apesar de reclamarem de ter pouco tempo para passar com os familiares (fato influenciado por outros itens, como tempo gasto no trânsito), o núcleo familiar é o que mais contribuiu para o bem-estar do paulistano. “A variável Família apresentou-se, entre as 10 componentes do WBB, como a melhor performance, já que a satisfação média e os seus seis indicadores mostraram-se mais próximos com a relevância apontada pelos respondentes”, informou o estudo.

Metodologia
O processo para elaboração do índice é composto por três fases. A primeira fase da pesquisa considerou apenas indivíduos residentes na cidade de São Paulo. Nesta etapa, 786 pessoas responderam voluntariamente ao questionário desenvolvido para medir o índice no Brasil, seguindo todo rigor acadêmico e aplicado de maneira completa considerando a realidade do nosso país. A seleção dos entrevistados levou em conta itens como idade, sexo e nível socioeconômico.

Ainda estão previstos no projeto inicial audiências públicas em dez cidades brasileiras com a presença de gestores públicos e sociedade civil para apresentar dados coletados, compartilhar sugestões e críticas que possibilitem qualquer ajuste necessário no processo e a apresentação do indicador.