Efeitos da pandemia

Maior desafio de líderes durante a pandemia foi manter a cultura da empresa à distância, mostra pesquisa

Estudo da AL+ People & Performance Solutions mostra também quais foram os maiores aprendizados de CEOs, acionistas e empresários de todo o país

SÃO PAULO – Em meio à pandemia e a adoção do home office, reorganizar a cultura da empresa, acompanhar o desempenho e manter uma comunicação efetiva estão entre os maiores desafios da gestão remota para os CEOs, de acordo com um estudo feito pela AL+ People & Performance Solutions.

A pesquisa, realizada nas duas últimas semanas de agosto, contou com 177 executivos entrevistados, incluindo CEOs, acionistas e empresários de todo o país.

Segundo o estudo, 33,9% dos entrevistados acreditam que o maior obstáculo seja manter uma cultura organizacional. Outros 25,4% afirmam que uma das dificuldades e manter o engajamento à distância. E a os desafios da comunicação foram citados por 24,3% dos executivos.

PUBLICIDADE

“Em momentos de adversidade, o poder de influência do líder deve estar em evidência. É preciso ter a capacidade de provocar o comportamento, criar senso de equipe, estabelecer metas, além de saber liderar a si mesmo neste período cheio de novidades e com poucas respostas para muitos questionamentos”, comenta Adriano Lima, fundador da AL+ People & Performance Solutions e advisor de startups.

Para Lima, o momento é ideal para que o líder comece a jornada do autoconhecimento.

Investimento do tempo

Em termos de investimento de tempo, segundo o estudo, o foco na equipe foi o destaque entre as atividades administradas pelos líderes.

Para mais da metade dos entrevistados (54,2%), gerir o time foi a tarefa que mais demandou tempo e para 26,6% a comunicação com os clientes teve destaque.

Aprendizados

31% dos entrevistados afirmam que um dos maiores aprendizados foi entender que o home office era, de fato, viável.

Muitas empresas não acreditavam que o trabalho remoto pudesse gerar resultados ou que os funcionários conseguissem manter o nível de produtividade em casa. Mas agora, para 68,4% dos entrevistados, o home office tem funcionado “totalmente” durante a pandemia.

Depois, a ideia de cultivar o “aprender a aprender” foi citada por cerca de 29% dos executivos. Ainda, cerca de 24% dos líderes falaram que o formato digital ganhou mais relevância em seus respectivos modelos de negócios.

“Aprender a aprender, reaprender e desaprender pode ter sido uma das maiores lições para empresas, lideranças e profissionais em geral. A Covid-19 foi um importante ponto de inflexão para a transformação do mundo do trabalho”, diz Lima.

Somando os aprendizados deste ano até aqui, e considerando as possíveis tendências do mundo pós pandemia, a pesquisa revelou que o objetivo de 44,1% dos executivos é investir mais tempo no relacionamento estratégico, logo em seguida vem o olhar para a gestão da equipe e a organização da infraestrutura tecnológica digital.

Por fim, para 91% dos líderes entrevistados, o futuro do trabalho vai ser um modelo híbrido, com profissionais trabalhando parte em casa e parte no escritório.

Quer migrar para uma das profissões mais quentes do mercado financeiro? Assista à série gratuita “A Carreira do Futuro” e confira o passo a passo para chegar lá.