Tributação

Investidor de previdência com doença grave tem direito à isenção de Imposto de Renda sobre rendimentos; saiba mais

Benefício é contemplado a aposentados e vale para planos de previdência privada

(Unsplash)

SÃO PAULO – Uma funcionária pública aposentada contribuiu ao longo de boa parte de sua vida para um plano de previdência. A contratação de um produto da Icatu foi feita quando ela era cliente de um grande banco, mas foi apenas com a migração para uma corretora independente que a aposentada foi avisada de um benefício fiscal que faria diferença significativa em seu patrimônio.

Ao se ver às voltas com um tratamento de um câncer (neoplasia maligna), a aposentada passou a ser enquadrada em um grupo de pessoas com doenças graves, que incluem ainda casos como cardiopatia grave, cegueira, síndrome da imunodeficiência adquirida (Aids), doença de Parkinson, esclerose múltipla e fibrose cística, entre tantos outros.

O governo concede a pessoas físicas residentes no Brasil portadoras de moléstias graves o direito à isenção tributária sobre rendimentos relativos à aposentadoria, pensão ou reserva/reforma (no caso de militares), e também à sua complementação, que seria o caso da aposentada, que tinha investimentos em um Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL).

Por isso, assim que foi informada por seu assessor desse benefício, ela começou o processo para converter o valor do PGBL em renda, sem nenhum tipo de tributação nas 12 parcelas previstas.

Para ser enquadrada no grupo e ser contemplada pela isenção, contudo, não foi fácil. Nesse tipo de situação, o contribuinte precisa comprovar sua doença procurando o serviço médico oficial da União, dos estados, do Distrito Federal ou dos municípios para que seja emitido um laudo pericial comprovando a moléstia. A Receita Federal é clara: só são aceitos laudos periciais expedidos por instituições públicas, independentemente de vinculação ao Sistema Único de Saúde (SUS).

“Os laudos periciais expedidos por entidades privadas não atendem à exigência legal e, portanto, não podem ser aceitos, ainda que o atendimento decorra de convênio referente ao SUS”, explica a Receita, no “Perguntão” deste ano.

Leia também:
Quais doenças têm isenção de Imposto de Renda?

No caso da investidora em questão, após o laudo e a separação dos documentos exigidos no processo, com relatórios deixando claro a data em que a enfermidade foi contraída e se a doença era passível de controle, o escritório de investimento lidou diretamente com a seguradora, que enviou a documentação à Receita. Poucos meses depois, a aposentada foi contemplada pelo benefício.

Em um material explicativo, a XP ressalta que, para ter acesso ao benefício tributário, além do laudo pericial para comprovar a moléstia grave, é necessário apresentar a carta de concessão da aposentadoria do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O caso descrito, contudo, não é tão frequente, tanto por conta do número de pessoas que se enquadram nas condições quanto pelo desconhecimento de investidores.

Vale tanto para PGBL quanto VGBL?

Ainda que o portador de uma doença grave seja contemplado pelo benefício, há duas questões que não são ponto pacífico. A primeira é se a isenção vale apenas para investidores de PGBL ou se também contempla planos do tipo Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL). E a segunda é se a medida se aplica tanto à contratação de renda quanto aos resgates da previdência.

Na XP, após consulta na Superintendência de Seguros Privados (Susep) em fevereiro deste ano, além da renda, os resgates de PGBL passaram a ser contemplados com a isenção tributária nas condições descritas. Rendimentos de VGBL ficam de fora.

O advogado Luis Felipe de Campos, sócio do Rolim, Viotti, Goulart, Cardoso Advogados, explica que o VGBL ainda é tratado como um seguro de pessoa pela própria Susep, enquanto o PGBL é considerado um plano de previdência complementar.

Ainda assim, o advogado avalia que o contribuinte de qualquer plano tem direito ao benefício, que é inclusive retroativo por cinco anos, se houver comprovação de que a moléstia foi contraída anteriormente. Para isso, orienta Campos, se houve retenção de imposto, cabe ao contribuinte retificar a declaração do Imposto de Renda para poder passar os valores da ficha de rendimentos tributáveis para a de rendimentos isentos.

Felipe Thé Freire, do Bocater Advogados, tem o mesmo entendimento em relação ao VGBL. “A lei é genérica ao tratar dos proventos de aposentadoria e o VGBL estaria, em tese, contemplado”, diz, ponderando as ressalvas. “É uma discussão no judiciário, não está pacificada.”

Já em relação à possibilidade de usufruir do benefício não só na conversão em renda, mas também no resgate integral dos recursos, o advogado indica que a questão já foi solucionada, inclusive com parecer da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) nesse sentido.

Como declarar investimentos no IR?
Baixe de graça um ebook que explica como declarar seus investimentos (e quais são isentos) no Imposto de Renda:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.