RADAR INFOMONEY Por que o mercado "gostou" do aumento na conta de luz? Assista ao programa desta terça

Por que o mercado "gostou" do aumento na conta de luz? Assista ao programa desta terça

Preços altos

Inflação de novembro foi maior para mais pobres do que para ricos, diz Ipea

Preços dos alimentos e de moradia ditaram o tom da inflação mais elevadas para os mais pobres

Preços de alimentos na feira
(John Lambeth/Pexels)
Aprenda a investir na bolsa

A inflação das carnes pesou mais sobre os mais pobres em novembro e, só não foi pior, porque a alta de preços foi compensada pelo barateamento de outros itens da alimentação, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda, divulgado nesta terça-feira, 10, pelo instituto, mostra que as famílias com renda mais baixa tiveram inflação de 0,54% em novembro. No mesmo período, o custo de vida aumentou 0,43% para as famílias de renda mais elevada.

O indicador do Ipea desagrega por faixa de renda os dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e usado pelo governo nas metas perseguidas pelo Banco Central (BC). Em novembro, o IPCA ficou em 0,51%.

Os preços dos alimentos e de moradia ditaram o tom da inflação mais elevadas para os mais pobres. “A alta de 8,1% das carnes em novembro contribuiu com 0,28 ponto porcentual (p.p.) para a inflação das classes mais baixas, anulando, inclusive, o alívio inflacionário vindo da queda de 12,2% nos preços dos tubérculos.

Aprenda a investir na bolsa

Adicionalmente, o reajuste de 2,2% das tarifas de energia elétrica – repercutindo a mudança da bandeira tarifária de verde para amarela – gerou uma contribuição de 0,12 p.p. para a inflação desse segmento”, diz um trecho da nota divulgada pelo Ipea.

Nas contas dos pesquisadores do instituto, apenas os aumentos das carnes e da conta de luz explicam “mais de 70%” de toda a alta inflacionária observada nas famílias de menor renda – na classificação do indicador do Ipea, a faixa mais baixa tem renda familiar de até R$ 1.638,70 por mês.

Já na faixa de renda mais elevada (renda mensal familiar acima de R$ 16.391,58), a inflação foi puxada pelos preços dos combustíveis (alta de 0,78% em novembro), das passagens aéreas (alta de 4,4%) e nos jogos lotéricos (avanço de 24,4%). “No caso das famílias mais ricas, embora o reajuste das carnes e da energia também tenha pressionado suas taxas de inflação, o menor peso desses itens em sua cesta de consumo acaba por aliviar seus impactos altistas”, diz a nota divulgada pelo Ipea.

A taxa de inflação das famílias de renda mais baixa acumulada em 12 meses até novembro de 2019 ficou em 3,40%, ainda mais elevada que a da faixa de consumidores mais ricos, de 3,26% no período. O IPCA acumulado em 12 meses até novembro de 2019 foi de 3,27%.

Não seja refém da inflação: invista. Abra uma conta gratuita na XP.