Seu direito

Herdeiros de contribuintes falecidos receberão dinheiro ‘esquecido’ em bancos; saiba como proceder

Regras para este tipo de resgate ainda serão divulgadas em breve pelo Banco Central

Por  Dhiego Maia -

Herdeiros de pessoa já falecida poderão resgatar valores esquecidos em bancos que eram do trabalhador que morreu usando o sistema do Banco Central lançado para identificar e transferir esses recursos, o SVR (Sistema Valores a Receber).

Por meio de nota enviada ao InfoMoney, a autoridade monetária disse que divulgará, em breve, os requisitos para esse tipo de operação.

Terceiros legalmente autorizados, segundo o BC, são “procuradores, tutores, curadores, herdeiros, inventariantes ou responsáveis por menor não emancipado”, afirmou, em nota.

Quem se enquadra nestas categorias poderão efetuar os resgates conforme a legislação vigente no país. A consulta sobre o saldo esquecido já pode ser feita no sistema.

Saiba como fazer as consultas

Entre na página exclusiva do SVR: valoresareceber.bcb.gov.br. Em seguida, informe o CPF ou CNJP da pessoa falecida ou da empresa que ela tinha.

Caso a pessoa falecida tenha algum valor a receber, no momento da consulta, aparecerá uma data e uma faixa de horário para solicitar o resgate do saldo existente. Anote esta data.

As regras para este tipo de resgate de dinheiro ainda serão divulgadas. De acordo com o BC, todos os valores “esquecidos” serão devolvidos a partir de 7 de março.

A devolução será feita, preferencialmente, via Pix, o sistema de transações instantâneas. Caso o pedido de resgate seja feito sem a chave Pix, a instituição financeira escolhida entrará em contato com o solicitante para realizar a transferência.

Mas fique atento: a instituição responsável por fazer a devolução do dinheiro não pode pedir dados pessoais do usuário e nem a senha.

Entenda o SVR

O SRV permite que a população confira se tem dinheiro esquecido em contas encerradas com saldo disponível ou devido a tarifas cobradas indevidamente em operações de crédito, por exemplo.

A consulta aos valores esquecidos será feita em duas fases. O BC calcula que há R$ 3,9 bilhões em valores “esquecidos” nas instituições financeiras nesta primeira etapa, de 28 milhões de CPF e CNPJ.

No total, são R$ 8 bilhões — destes, R$ 900 mil já foram resgatados antes da suspensão do SVR.

O BC ainda reitera que não envia links nem entra em contato com o cidadão e que ninguém está autorizado a fazê-lo em nome do órgão ou do SVR.

“Portanto, o cidadão nunca deve clicar em links suspeitos enviados por e-mail, SMS, WhatsApp ou Telegram. O cidadão não deve fazer qualquer tipo de pagamento para ter acesso aos valores. É golpe!”, alerta o BC.

Reportagem do InfoMoney mostrou que já há criminosos utilizando o SVR para aplicar golpes em pessoas desavisadas. Veja como se proteger.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe