Greve dos roteiristas de Hollywood chega ao 100º dia sem avanço nas negociações

Profissionais buscam regulamentar uso de inteligência artificial, por temor de que ela possa substituir atual força de trabalho

Reuters

Publicidade

A greve dos roteiristas de Hollywood completou 100 dias nesta quarta-feira (9), com negociações contratuais paralisadas e manifestantes protestando contra o que descrevem como desrespeito às suas demandas.

A greve começou em 2 de maio, depois que as negociações entre o Sindicato de Roteiristas da América (WGA, na sigla em inglês) e os principais estúdios chegaram a um impasse sobre compensação, número mínimo de roteiristas e pagamentos residuais na era do streaming, entre outras questões.

Os roteiristas também procuraram regulamentar o uso de inteligência artificial, que temem poder substituir sua contribuição criativa.

Masterclass

O Poder da Renda Fixa Turbo

Aprenda na prática como aumentar o seu patrimônio com rentabilidade, simplicidade e segurança (e ainda ganhe 02 presentes do InfoMoney)

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Os executivos da indústria do entretenimento têm tentado navegar em meio às correntezas de receitas de televisão em declínio, uma bilheteria de filmes que ainda não voltou aos níveis pré-pandemia e empresas de streaming que estão lutando para obter lucro.

“Estamos em águas desconhecidas”, disse o presidente-executivo da Warner Bros Discovery, David Zaslav, aos investidores na semana passada, quando a empresa alertou que a incerteza sobre a crise trabalhista em Hollywood poderá afetar o cronograma de filmes da empresa e sua capacidade de produzir e entregar conteúdo.

Os atores representados pelo sindicato SAG entraram em greve em 14 de julho também por causa de salários e inteligência artificial, interrompendo efetivamente a produção de programas de televisão e filmes com roteiro e impactando os negócios em toda a órbita do mundo do entretenimento. É a primeira vez que os dois sindicatos entram em greve juntos desde 1960.

Continua depois da publicidade

Uma reunião na semana passada para discutir a retomada das negociações entre o WGA e a Aliança de Produtores de Televisão e Cinema (AMPTP, na sigla em inglês), grupo que representa os principais estúdios nas negociações, não resultou em uma data certa para o retorno à mesa de negociações.

O WGA enviou uma mensagem a seus 11.500 membros no mesmo dia, reclamando sobre o vazamento de detalhes da sessão confidencial, mas afirmando que o comitê de negociação do sindicato “continua disposto a se envolver com as empresas e retomar as negociações de boa fé”.

O WGA não respondeu a pedidos de comentários e o AMPTP recusou-se a comentar.

“Estamos nisso até conseguirmos o acordo que precisamos e merecemos, mas não podemos deixar de nos sentir desencorajados pela atitude que estamos recebendo da AMPTP”, disse Dawn Prestwich, cujos créditos incluem o drama de TV “Chicago Hope” “A indiferença e, de certa forma, é uma espécie de crueldade total.”

A greve de três meses também assumiu a retórica da luta de classes, com roteiristas atacando a remuneração dos executivos da mídia.

O presidente-executivo da Walt Disney, Bob Iger, que recentemente acertou uma renovação de contrato que lhe deu a oportunidade de receber um bônus de incentivo anual de cinco vezes seu salário-base, foi criticado por chamar as demandas do sindicato de “simplesmente não realistas”.

“O que me deixa triste não é pensar que não vamos vencer”, disse o roteirista de TV e membro do WGA Jamey Perry. “O que me deixa triste é ser exposto à ganância e à crueldade do que essas empresas estão fazendo e ao absoluto erro do que estão fazendo. É muito ruim.”