Peso no bolso

Efeito da inflação: 95% dos brasileiros sentiram alta dos preços nos últimos 6 meses, diz pesquisa

Porcentual é bem maior que os 73% registrados em novembro do ano passado.

Por  Estadão Conteúdo -

Com a inflação persistentemente alta apesar das sucessivas elevações de juros pelo Banco Central, a população tem sentido cada vez mais no bolso o peso da alta dos preços disseminada por todos os setores da economia.

De acordo com pesquisa encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), 95% das pessoas sentiram que tudo ficou mais caro nos últimos seis meses. O porcentual é bem maior que os 73% registrados em novembro do ano passado.

Os dados fazem parte da pesquisa “Comportamento e economia no pós-pandemia”, realizada pelo Instituto FSB Pesquisa com 2.015 pessoas nos primeiros cinco dias de abril.

Para 87% delas, os preços aumentaram muito nos últimos meses, enquanto 8% responderam que os preços cresceram um pouco. No levantamento de novembro, 51% apontaram uma elevação grande dos preços e 22% sentiram um pouco de aumento.

Com a inflação sem dar trégua às famílias brasileiras, 76% dos entrevistados afirmaram que sua situação financeira foi afetada pela alta generalizada de preços, sendo que 54% já consideraram que suas finanças foram muito afetadas.

O porcentual total é semelhante aos 75% que se diziam impactos pela inflação em novembro, mas, naquela pesquisa, apenas 45% haviam apontado efeitos de maior magnitude sobre o orçamento doméstico.

Mesmo após nove altas seguidas da Selic pelo Banco Central – de 2,00% ao ano para 11,75% – a perspectiva de novos aumentos na taxa básica de juros, a pesquisa mostra que 66% dos brasileiros esperam que a inflação continuará aumentando nos próximos seis meses, sendo que 43% acreditam que os preços ainda vão aumentar muito à frente.

No levantamento anterior, de novembro, 54% dos entrevistados apostavam na piora da inflação e apenas 29% estavam no campo mais pessimista da resposta.

Embora mais pessoas percebam a alta da inflação e seus impactos na renda, diminuiu a quantidade de entrevistados que reduziram seus gastos. A pesquisa de abril mostra que 64% das famílias colocaram o pé no freio das despesas, ante 74% em novembro e 68% em julho do ano passado.

Considerando apenas os entrevistados que afirmaram ter reduzido gastos nos últimos seis meses, 49% fizeram um corte grande de despesas, sendo que 19% consideraram inclusive muito grande. Na pesquisa de novembro, 58% tinham feito grandes reduções de gastos, sendo maiores ainda para 20% delas.

A pesquisa mostra ainda que para 60% dos consultados agora, a redução de gastos será permanente. Além disso, 38% falam em continuar apertando as despesas nos próximos meses, enquanto apenas 11% enxergam espaço para gastar mais no período à frente.

Contas de consumo – luz, água, gás -, alimentos e combustíveis seguem sendo as prioridades no consumo dos brasileiros com pouco espaço para cortes. Já as despesas com vestuário, refeições fora de casa, eletrônicos, material de construção e TV por assinatura estão na mira da redução de gastos das famílias.

“A guerra travada na Ucrânia trouxe mais incertezas para a economia global, o que impulsiona a inflação e desperta o temor de retrocesso da economia em todo o mundo. Diante dessa conjuntura tão difícil quanto indesejada, o Brasil precisa adotar as medidas corretas para incentivar o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda da população. A principal delas é a reforma tributária. Não temos como fugir disso”, considerou, em nota, o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

9 formas de transformar o seu Imposto de Renda em dinheiro: um eBook gratuito te mostra como – acesse aqui!

 

Compartilhe