Custo dos remédios pesará no bolso dos consumidores em 2024; entenda

10 estados e o DF se anteciparam à reforma tributária e elevaram o ICMS para medicamentos, que terão dois aumentos

Anna França

Remédios

Publicidade

Muitos brasileiros já estão pagando mais por seus remédios. Os reajustes nos preços dos medicamentos, que tradicionalmente ocorrem em março e utilizam o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para recompor os gastos das indústrias, chegaram mais cedo em 2024. Com elevação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em10 estados e o Distrito Federal, os consumidores terão dois aumentos ao invés de um.

Pernambuco será a unidade da federação com maior alta, com alíquota passando de 18% para 20,5%. Em seguida vem os aumentos de Distrito Federal, Ceará, Paraíba, Tocantins e Rondônia. Ainda devem subir o ICMS no primeiro semestre os estados de Paraná, Rio de Janeiro, Goiás, Maranhão e Bahia.

Essas elevações, segundo economistas, impactará o próprio IPCA, que regulará o aumento tradicional a partir de março. Sem elas, a alta seria de 4,10% ao ano, mas agora deve ficar mais próxima de 4,20%. O centro da meta de inflação em 2024 é de 3%, com margem até de 4,5%.

Masterclass

O Poder da Renda Fixa Turbo

Aprenda na prática como aumentar o seu patrimônio com rentabilidade, simplicidade e segurança (e ainda ganhe 02 presentes do InfoMoney)

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“O reajuste em março sempre repõe a inflação do ano, de acordo com uma fórmula paramétrica feita pelo governo. E sempre acontece no terceiro mês do ano. Mas agora os governos estaduais resolveram aumentar o ICMS, o que torna a carga tributária dos remédios a maior do mundo, em torno de 36% contra 6% de média internacional”, explica Sergio Mena Barreto, CEO da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma).

Nos estados que saíram na frente, elevando ICMS em 1º de janeiro, os aumentos já estão pesando no bolso do consumidor. Segundo o representante da Abrafarma, não houve discussão nem estudos para medir o impacto disso. “Acabamos de aprovar uma reforma tributária, onde consideraram saúde como prioridade, mas os estados se anteciparam e aumentaram a carga tributária”, afirma Barreto.

Segundo o representante, a Abrafarma tentou conversar com os governadores para tratar dos reajustes dos medicamentos e o que isso implicaria, colocando inclusive a possibilidade de se estabelecer a substituição tributária, mecanismo fiscal que antecipa o pagamento das taxas.

Continua depois da publicidade

“Quando a reforma estava tramitando, uma das ideias era adotar uma alíquota média, mas a proposta não foi finalizada e os governadores aproveitaram a onda para elevar a arrecadação”, disse Barreto, acrescentando que isso terá sérios efeitos na vida dos pacientes, porque as pesquisas mostram que 54% das pessoas abandonam o tratamento porque não conseguem bancar os remédios indicados pelos médicos. “É uma visão míope, porque, se uma pessoa com pressão alta ou diabetes abandona o tratamento, lá na frente ela terá problemas sérios e vai acabar na conta do sistema de saúde”.

Para Barreto, o aumento no preço dos fármacos resulta da falta de políticas públicas para a área de saúde, que não trata bem os doentes e ainda taxa os medicamentos. “E não tem como renegociar porque é uma lei estadual”, diz Barreto.

Veja novas alíquotas de ICMS dos medicamentos que serão cobradas nos estados:

Veja as alíquotas já cobradas por estados que manterão ICMS:

Anna França

Jornalista especializada em economia e finanças. Foi editora de Negócios e Legislação no DCI, subeditora de indústria na Gazeta Mercantil e repórter de finanças e agronegócios na revista Dinheiro.