Em minhas-financas / cartoes

Radar: acompanhe algumas das principais oscilações na bolsa nesta quinta-feira

JBS segue em foco nesta sessão, após compra da Pilgrim's e acordo com Bertin; VisaNet e Redecard também têm forte alta

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - Após começar a tarde no negativo, o Ibovespa se descola de Wall Street e inverte novamente o sinal, marcando alta de 0,12%, mas mantém bastante instabilidade. Mesmo com dados melhores do que o esperado nos Estados Unidos, a realização de lucros pesa por lá, levando os principais índices acionários ao campo negativo.

A JBS (JBSS3) segue como destaque positivo, ainda refletindo o anúncio do acordo com a Bertin e da compra da norte-americana Pilgrim's na última sessão. Dessa forma, as ações da empresa sobem 3,93% nesta quinta-feira (17).

Já as ações da BM&F Bovespa sobem 0,66%, após a empresa anunciar uma nova máxima histórica no segmento Bovespa na quarta-feira. Somando o pregão regular e o after-market, foram realizadas 494.430 transações, superando as 444.351 registradas no fechamento de 15 de julho deste ano. O volume financeiro foi de R$ 7,092 bilhões.

Blue chips
Após serem definidos os presidentes e relatores das comissões especiais que vão analisar os projetos relacionados à exploração da camada pré-sal, a Petrobras (PETR3, PETR4) entra em foco com duas novas descobertas de indícios de petróleo, no bloco BM-S-7, situado na Bacia de Santos. Os papéis ordinários e preferenciais da estatal respondem com altas de 0,05% e 0,52%, respectivamente.

Por sua vez, as ações da Vale (VALE5) ignoram anúncios de melhora no setor siderúrgico internacional, com a japonesa Nippon Steel reativando uma das plantas que tiveram operações interrompidas devido à crise. Os papéis ordinários da mineradora caem 0,45% e os preferenciais recuam 0,20%.

Meios de pagamento
A VisaNet (VNET3) confirmou as notícias de que o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) vetou a medida preventiva da SDE (Secretaria de Direito Econômico) que suspendia o contrato de exclusividade entre a empresa e a bandeira Visa.

Em nota, a companhia informou que serão "mantidas as anteriores condições pactuadas entre a companhia e a Visa International, inclusive o prazo para a prestação de serviços como única adquirente da bandeira, cuja data de término contratualmente prevista continuará sendo em 30 de junho de 2010".

As ações da empresa subiram mais de 6% no último pregão devido à notícia e mantêm o desempenho nesta quinta-feira, registrando alta de 4,73%. No segmento de meios de pagamento, a Redecard (RDCD3) também se destaca, com as ações negociadas em alta de 4,51%.

Ratings
A agência de classificação de risco Moody's anunciou novidades em relação aos ratings de empresas brasileiras. Mesmo com a aquisição da Seara Alimentos, a instituição afirmou que não irá alterar imediatamente o rating "B1" da Marfrig (MRFG3) ou sua perspectiva negativa. As ações da empresa caem 4,01% nesta sessão.

Já em relação à NET (NETC4), a Moody's informou a elevação do rating de crédito corporativo em escala global de "Ba2" para "Ba1" e em escala nacional de "Aa3.br" para "Aa2.br". A justificativa da ação de rating foi a resiliência da empresa diante da desaceleração da economia brasileira. Em resposta, os papéis sobem 1,34%.

Emissões
A ALL (ALLL11) irá convocar uma assembleia geral para apreciar a proposta de emissão privada de debêntures conversíveis em Units ou em ações.A notícia não foi bem recebida pelos investidores e as ações da empresa marcam o pior desempenho do Ibovespa, com queda de 3,92%.

 

Contato