Em minhas-financas / cartoes

Radar: comece o pregão sabendo as novidades do cenário corporativo

Revisão do PIB dos Estados Unidos é destaque da sessão; no Brasil, atenção para negociações entre BM&F Bovespa e Nasdaq

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - A renda variável global inicia esta quinta-feira (27) sem tendência definida, com as bolsas europeias operando em leve queda e os futuros de Wall Street oscilando entre leves altas e baixas.

A instabilidade reflete as preocupações em relação à recuperação da economia mundial - agora que o governo chinês pretende refrear as indústrias siderúrgica e de cimento do país - e a divulgação do PIB (Produto Interno Bruto) norte-americano.

No front doméstico, o Ibovespa futuro acompanha os mercados dos Estados Unidos e oscila próximo à estabilidade, com alta de 0,09%. Na agenda, o destaque fica com a divulgação da Nota de Política Fiscal do Banco Central, que mostra os resultados fiscais não-financeiros do setor público nacional.

Parceria entre bolsas
O cenário corporativo faz frente ao fluxo de notícias internacionais nesta quinta-feira, com novidades relevantes sobre empresas brasileiras. A começar pela BM&F Bovespa (BVMF3), que comunicou ter iniciado conversas com a Nasdaq sobre uma possível parceria "estratégica, comercial e tecnológica".

Conforme informado pela bolsa, as negociações abordam principalmente o desenvolvimento de um sistema de roteamento de ordens entre ambas, que permitiria que os investidores internacionais conectados à plataforma da Nasdaq enviassem ordens de compra e venda de ações negociadas no sistema da BM&F Bovespa e vice-versa.

Investimentos em refino
Outra empresa que ganha as manchetes desta sessão é a Petrobras (PETR3, PETR4), que confirmou o aumento dos investimentos na Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, construída em sociedade com a venezuelana PDVSA. Agora, o início da operação é estimado para 2011 e os investimentos previstos são de US$ 12,00 bilhões.

Fusões & Aquisições
As assembleias extraordinárias realizadas na última sessão aprovaram a incorporação da Aracruz (ARCZ6) pela VCP (VCPA3), com a adoção da relação de troca única de 0,1347 para substituição das ações ordinárias e preferenciais da Aracruz pelos papéis da VCP. "Assim, a aprovação da relação de troca única resultará na emissão, por VCP, de 77.770.294 novas ações ordinárias, ao preço unitário de emissão de R$ 17,00", informaram as empresas.

Dando continuidade ao processo iniciado em meados de 2008, a Brasil Brokers (BBRK3) assumiu o controle acionário da Abyara, tendo exercido a opção de compra de 29,5% do total de ações da companhia, aumentando sua participação para 65,5% do capital social.

Problemas com reguladores
Aumentando a cautela em relação às empresas de cartões de crédito, o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) negou o recurso apresentado pela Redecard (RDCD4) e decidiu pela manutenção da medida preventiva adotada pela SDE (Secretaria de Direito Econômico), que impede o término do contrato com os chamados "facilitadores" de pagamento via Internet.

Em comunicado, a empresa informou que a decisão não influencia o processo administrativo aberto pela SDE para estabelecer se houve abuso de poder da Redecard em relação aos facilitadores. Dessa forma, reafirmou sua "plena convicção na solidez dos argumentos que encaminhou às autoridades publicas, e que entende culminará na improcedência da denúncia contra ela formulada".

Por outro lado, a Telesp (TLPP4) informou que retomará a venda do Speddy a partir desta sessão, após a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) liberar a comercialização do serviço.

Oferta de ações
Por fim, a Multiplan (MULT3) protocolou o pedido de registro de oferta pública primária de ações na Anbid (Associação Nacional dos Bancos de Investimento), estimando uma captação de R$ 650 milhões.

 

Contato