Ágora atualiza modelo e eleva para R$ 37,00 preço-alvo para Redecard

Analista destaca inclusão de performance do terceiro trimestre e melhores perspectivas para 2012 e 2013 como justificativa

SÃO PAULO – A Ágora Corretora elevou nesta terça-feira (29) o preço-alvo para as ações da Redecard (RDCD3) de R$ 35,10 para R$ 37,00, mirando dezembro de 2012. Com isso, os papéis passam a ter potencial teórico de valorização de 26,92%, tendo sido mantida a recomendação de compra.

“Incluímos os dados referentes ao terceiro trimestre do ano, ajustamos pontualmente as premissas das principais contas, concluindo pela elevação da receita, Ebitda (geração operacional de caixa) e lucro líquido da empresa nos próximos anos”, explica o analista Aloisio Villeth Lemos.

Em suma, o modelo de precificação das ações foi atualizado com projeções mais favoráveis para os próximos dois anos, resultando na elevação do preço-alvo. 

Projeções
Dentre os principais pontos de destaque, Lemos ressalta que apesar do leve decréscimo na taxa média de desconto dos lojistas, de 1,15% para 1,14% na passagem trimestral, houve um consistente aumento nos volumes transacionados como compensação.

“Esperamos pela manutenção de uma rota de crescimento significativa nos mercados de cartões de débito e crédito, ainda que a atividade econômica apresente alguma redução no ritmo de crescimento”, explica Lemos. “Nossa previsão é de aumento de 18% no volume de transações com cartões de crédito em 2012, com 15% em 2013, para transações de débito, estimamos aumento de 19% em 2012 e 16,5% em 2013”, completa.

Receita com aluguel de máquinas
Outro ponto de destaque incorporado no modelo se dá ao redor das receitas com aluguel de equipamentos portáteis aos lojistas. De um ano para cá, o mercado passou por uma fase de reajustes nas tarifas, o que não deve se manter daqui para frente. Dessa forma, a Ágora projeta uma redução média de 13% nesta linha de receita para a Redecard.

“Daqui para frente, acreditamos numa estabilização nos valores médios de aluguéis, acompanhada de elevação dos volumes e também do aumento da utilização de modelos sem fio, que são mais caros para os lojistas, mas trazem benefícios evidentes. Por outro lado, para as empresas adquirentes este fenômeno provoca elevação de investimentos”, pondera Lemos.

Além disto, o analista também projeta que a Redecard irá reduzir a antecipação de recebíveis nos próximos anos, dos atuais 17,5% do total das receitas para cerca de 14% até 2014, o que representa um incremento à mais ao montante final recebido.

Olho na concorrência
Sob uma ótica mais ampla, a Ágora lembra da entrada de novos players no mercado de cartões como um desafio que deve surgir no horizonte próximo, sendo o Santander o principal concorrente potencial no curto prazo, além de outros como Elavon, Global Payments e First Data. 

PUBLICIDADE

“Nos próximos cinco anos, com a gradativa evolução deste mercado, estimamos que os novos players, em conjunto, atinjam cerca de 15% de participação. Atualmente, em números aproximados Cielo detém cerca de 58% e Redecard 42% do mercado, entre cartões de crédito e débito”, finaliza Lemos.

Confira as novas projeções da Ágora

201120122013
Receita Líquida*3.0043.3193.671
Ebitda Ajustado*2.1922.3452.680
Margem Ebitda60,260,3%61,3%
Lucro Líquido*1.3531.4461.659