Zona do euro acumula inflação de 2,9% até outubro

Conteúdo do Portal InfoMoney – Editoria Mercados

Por  Equipe InfoMoney

Os países que compõem a zona do euro divulgaram a variação nos Preços ao Consumidor referente a outubro, que apresentou variação positiva de 0,3%, depois de ter se mantido estável no mês anterior. Este aumento é conseqüência do repasse do aumento dos combustíveis e das matérias-primas aos preços. Os Preços ao Consumidor acumulam variação positiva de 2,9% do início do ano até outubro.

A Irlanda apresentou a maior taxa inflacionária entre os 11 países da zona do euro, com elevação de 6,0%; seguida por Luxemburgo, com inflação de 4,5% e Espanha, com 4,1%. A França apresenta a menor variação, de 2,2%, enquanto que na Alemanha os preços subiram 2,6% e na Itália 2,9%.

O aumento do preço do petróleo e o declínio da cotação do euro frente às moedas internacionais, em especial o iene e o dólar, pressionaram fortemente os preços, causando um aumento da taxa de inflação da região. Contudo, a combinação da redução do preço internacional do petróleo, com o avanço do euro sobre as outras moedas e o menor crescimento econômico dos países do euro tende a diminuir o risco de aceleração inflacionária para os países da região.

A cotação internacional do petróleo deverá se manter em baixa, que será notada já na variação dos preços em dezembro. O Banco Central Europeu, por sua vez, tenta controlar a inflação da região – que já está há seis meses acima da meta de 2% ao ano – com o aumento da taxa de juros, o que já aconteceu sete vezes desde novembro de 1999. Por outro lado, o mercado aposta na queda dos juros para meados do próximo ano. O contrato trimestral de taxa de juros futuro, com vencimento em junho, apresenta rendimento de 4,67%, 0,26% a menos que a taxa atual para empréstimo de três meses.

Compartilhe