Títulos Públicos

Yields da Alemanha sobem com rumor de que Espanha obtenha crédito

Após boatos, Espanha conseguiu realizar leilão bem sucedido de papéis de curto e médio prazos

SÃO PAULO – O rendimento dos títulos alemães sobem para os maiores patamares em três semanas, enquanto os de países periféricos da zona do euro, como Itália, Portugal e Espanha caem, com rumores de que os espanhóis estão prontos para obter uma linha de crédito via BCE (Banco Central Europeu).

Citando fontes do governo que preferiram não se identificar, o Financial Times publicou uma notícia na última noite na qual revela que a Espanha está pronta para fazer o pedido de resgate. Entretanto, esse processo está sendo adiado pela espera por uma melhora nos fatores externos.

A reportagem diz, ainda, que o país não irá pedir por dinheiro no fundo permanente de resgate, o ESM (Mecanismo Europeu de Estabilização), mas apenas uma linha de crédito no BCE (Banco Central Europeu), para que este compre os títulos públicos no mercado secundário.

PUBLICIDADE

Ainda no Velho Continente, o índice ZEW, que mede a confiança de economistas e investidores na Alemanha, mostrou uma recuperação mais rápida do que se esperava. O índice passou de um valor negativo de 18,2 em setembro para um também negativo 11,5 neste mês.

Leilão
A Espanha vendeu 4,86 bilhões em dívidas para o período de 12 a 18 meses, acima do montante previsto, de € 4,50 bilhões. A Bélgica e a Grécia também colocaram títulos à venda nesta manhã.

PaísRendimentoVariaçãoSpread vs. Bund*
Grécia17,55%+0,14%+16,01
Portugal8,05%-0,24%+6,51
Itália4,92%-1,47%+3,38
Espanha5,76%-0,96%+4,22
França2,19%+2,75%+0,65
Alemanha1,54%+4,96%

* Diferença calculada em pontos percentuais. Fonte: Bloomberg

Entenda: quanto maior, pior
Os títulos públicos são uma das maneiras que os governos possuem para se financiar, enquanto a variação diária dos rendimentos decorre das negociações no mercado secundário. O juro pago pelo governo e o valor do papel são definidos no momento da emissão dos títulos, mas este último sofre variação no mercado secundário.

Assim, quanto mais arriscado um investimento, maior será o prêmio demandado pelos investidores no mercado secundário. Portanto, o valor do título recua e, consequentemente, o rendimento no mercado secundário aumenta. Tal variação positiva é uma indicação de que caso o governo opte por emitir novos papéis o custo para se financiar deverá ser maior.