XP revisa ações de geradoras, rebaixa AES (AESB3) e tem Serena (SRNA3) como preferida

Research da XP destaca que excesso de oferta de energia deve manter preços mais baixos e impactar nomes do setor

Camille Bocanegra

Publicidade

A equipe de análise da XP de energia e saneamento revisou suas estimativas e preços-alvo para 2024 na cobertura de empresas do segmento de geração de energia. A preferida da divisão de análise da corretora segue sendo a Serena (SRNA3) enquanto a AES Brasil (AESB3) foi rebaixada de compra para neutro.

Outros dos principais nomes sob cobertura, a Auren (AURE3), com preço-alvo estabelecido em R$ 15,00, e a Engie (EGIE3), que teve preço-alvo majorado para R$ 46,00, seguem classificadas como neutras.

“Acreditamos que há riscos de que o excesso de oferta permaneça por mais tempo se algumas iniciativas legislativas não forem bloqueadas. No entanto, há uma esperança de que o crescimento no consumo de energia traga um equilíbrio futuro de oferta e demanda até o final da década”, consideram os analistas Vladimir Pinto e Maíra Maldonado.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A Serena é considerada o nome preferido no segmento por se apresentar como descontada, negociada com uma taxa de retorno interno de 14,2%. O nome conta com projetos em estágio inicial, como o Goodnight II e Assuruá 4 e 5, que ainda não estão precificados nas ações atualmente, de acordo com a XP.

Assim, tanto a alienação da operação Goodnight I (projeto da empresa concluído em dezembro) quanto os inícios efetivos das outras iniciativas mencionadas poderiam ser gatilhos para os papéis da companhia. A XP reforça também a possibilidade de alienação de um dos principais acionistas como evento de impacto para os papéis. O preço-alvo para a companhia é de R$ 13,00, baseado no fluxo de caixa descontado (DCF).

“A Serena se beneficia por estar quase totalmente contratada em um cenário de preços baixos de energia para o futuro próximo. Outro aspecto positivo é que a empresa também tem a maior parte de seus custos de transmissão não afetados pelas regras locacionais, pois se beneficia por ter contratos no Mercado Regulado antes de 2022, o que garante que as tarifas de transmissão sejam ajustadas apenas pela inflação”, destaca a XP.

Continua depois da publicidade

A AES Brasil teve sua recomendação rebaixada para neutro com preço-alvo de R$ 14,00 por ação. Na análise da XP, a companhia ingressa em nova fase em 2024, com conclusão de ciclo de fortes investimentos e, no primeiro trimestre de 2024, tem previsão de início de projetos (Cajuína e Tucano). Assim, a expectativa da AES Brasil é de redução de alavancagem até o fim de 2024. O risco para o nome, que motiva o rebaixamento, é o cenário atual de preços de energia, como principal desafio para os novos projetos desenvolvidos. Uma alternativa, segundo a XP, seria a venda de ativos não essenciais, como o Parque Eólico Cassino.

Dentre as companhias consideradas como neutras, a Auren se destaca por apresentar disciplina de alocação de capital positiva para os analistas. Contudo, a ação é considerada já precificada, ainda que o nome apresente boa gestão de passivos para redução de contingências e otimização de portfólio.

Já a Engie apresenta desafios inerentes ao aumento de exposição no setor solar de energia e a venda de 15% de participação na TAG, considerada um dos melhores ativos para o nome. Além disso, a análise destaca que a companhia se apresenta em posição não contratada nos próximos anos, em razão de seus projetos em construção. Como pontos positivos, a Engie apresenta carteira diversificada, com receita recorrente vindo de diferentes negócios.

Confira as projeções da XP para as ações das elétricas: