XP projeta Ibovespa em 2024 a 149 mil pontos e vê ações cíclicas domésticas como atrativas

Projeção anterior era de 142 mil pontos, com elevação nas expectativas por conta das projeções de lucro maiores

Lara Rizério

Publicidade

A XP elevou as projeções para o Ibovespa ao final de 2024 de 142 mil pontos para 149 mil pontos, um avanço de 15,5% em relação ao fechamento de fevereiro, de 129.020 pontos, devido às expectativas mais altas para lucros.

“Após um 2023 negativo para os resultados das empresas, a perspectiva é melhor. Para 2024 e 2025, a projeção do consenso de mercado é um crescimento de LPA [lucro por ação] em 15% e 6% respectivamente. Isso é próximo das nossas estimativas de 16% e 4% para os próximos dois anos, com o Ibovespa excluindo commodities projetado para crescer em um ritmo ainda mais forte de 31% e 12% para 2024 e 2025, respectivamente”, avalia a equipe de análise da XP. O valuation do benchmark da Bolsa permanece atrativo, ressalta, com o índice P/L [preço/lucro] do Ibovespa permanecendo descontado em 8,1 vezes (ante média histórica de 11 vezes) e em 10 vezes sem as commodities (versus média de 12 vezes).

Dois outros temas importantes para o movimento da Bolsa além da alta das projeções de lucro foram analisados em relatório. A XP ressalta ver o Brasil bem posicionado entre os países emergentes, apesar de haver quase R$ 18 bilhões em saídas de investidores estrangeiros no acumulado do ano à medida que as taxas subiram globalmente e investidores realizaram lucros após a forte recuperação da Bolsa no 4º trimestre.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Continuamos a ver o Brasil como bem posicionado entre os mercados emergentes, o que deverá continuar a atrair fluxo estrangeiro. Isso porque: (i) o país é um mercado grande e líquido dentro de mercados emergentes e deverá aumentar o seu peso nos índices MSCI; (ii) o valuation da Bolsa permanece descontado; (iii) o Brasil está à frente de outros países no seu ciclo de flexibilização de juros; e (iv) o país tem baixos riscos geopolíticos”, avalia a equipe de análise.

O segundo ponto é o cenário para as small caps. “As taxas de juros deverão continuar a cair com o processo de desinflação em curso. Com isso, as Small Caps continuam atrativas e seguem com uma performance inferior ao Ibovespa no ano”, destaca.

Os analistas da casa apontam que, olhando para múltiplos, as ações de Small Caps permanecem descontadas. Seu Preço/Lucro projetado em 12 meses atualmente negocia em 9,8 vezes, 30% de desconto relativo à sua média histórica de 14,3 vezes. Em comparação, o Ibovespa negocia com um P/L de 8,1 vezes. Enquanto isso pode indicar que Small Caps estão um pouco mais caras, a diferença de valuation entre elas está na verdade abaixo da média histórica. “Com valuations atrativos e alta exposição à nomes cíclicos domésticos que devem navegar bem durante este ciclo de corte de juros, nós atualmente preferimos Small Caps, mas ainda focados em nomes de maior qualidade”, reforçam.

Continua depois da publicidade

Desta forma, a XP conta com um posicionamento relativamente defensivo em suas carteiras para o mês, mas optou por reduzir a exposição em commodities e aumentar em cíclicos domésticos, baseado nos temas de ciclo de afrouxamento monetário, valuation e perspectiva de lucros, mas ainda focado em qualidade.

Em sua Carteira Top 10, removeu São Martinho (SMTO3) e adicionou Banco do Brasil (BBAS3). Já na Carteira Top Dividendos, cortou o peso de Engie (EGIE3) de 10% para 5% e incluiu Cemig (CMIG3). Na Carteira Top Small Caps, trocou Oncoclínicas (ONCO3) por Marcopolo (POMO4). Por fim, na Carteira ESG, removeu Oncoclínicas (ONCO3) também, e adicionou Yduqs (YDUQ3) em seu lugar.

Confira as carteiras da XP para março:

Lara Rizério

Editora de mercados do InfoMoney, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional, além de ficar bem de olho nos desdobramentos políticos e em seus efeitos para os investidores.