Conteúdo editorial apoiado por

XP lista os desafios da Amil sob novo comando do ex-Qualicorp; Hapvida pode se beneficiar

Baixa lucratividade, alavancagem e perda de fatia de mercado são principais problemas que José Seripieri Filho enfrentará

Vitor Azevedo

Publicidade

Após mais de um ano de negociações, José Seripieri Filho, fundador da Qualicorp (QUAL3) e da QSaúde, adquiriu a Amil da UnitedHealth Group (UHG), em uma transação bilionária e que pode mudar o panorama do setor de saúde privada no Brasil. Empresário experiente e bem relacionado, ele venceu a disputa pelo controle da companhia superando Nelson Tanure (Alliança Saúde, ex-Alliar), o fundo Bain Capital, a família Godoy Bueno (Dasa), a Coruja Capital, liderada pelo ex-vice-presidente do Itaú Unibanco, Márcio Schettini, e a Advent.

Segundo analistas da XP, a aquisição deverá servir como um “divisor de águas” para todo o setor de saúde, especialmente para concorrentes como a Hapvida, que poderá ser uma das mais beneficiadas. “Esperamos que a mudança de controle traga mais racionalidade aos preços praticados no mercado, dado que, em nossa opinião, a Amil tem sido muito agressiva em relação à precificação ultimamente”, escreveram, em relatório. 

“Eles estavam com alto nível de agressividade no mercado, especialmente no Rio e em São Paulo, praticando preços não-adequados à operação”, diz o executivo de uma empresa concorrente, em referência à venda de planos individuais da Amil.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Após a conclusão da negociação na sexta passada (dia 22), as ações da Hapvida (HAPV3) abriram o pregão desta terça-feira (26), entre as mais negociadas, valorizando-se quase 1%, no melhor momento do pregão; à tarde viraram. Outros pares também avançavam, como Qualicorp e Rede D’Dor (RDOR3). Entre as quedas, destacava-se a Dasa (DASA3), cujo controle pertence à família Godoy Bueno, derrotada na disputa.

Amil e seus desafios

Passada a conquista da aquisição, Seripieri Filho terá agora que enfrentar grandes desafios: ele assume a a terceira maior operadora de saúde do país, ao pagar R$ 2 bilhões, e assume passivos de cerca de R$ 9 bilhões. Conforme dados da Agência Nacional de Saúde (ANS), a empresa tem enfrentado dificuldades em trazer sua rentabilidade para níveis saudáveis, tendo um MLR [medical loss ratio, ou sinistralidade, em português] de mais de 100%, resultando em perdas sequenciais de resultado.

De acordo com os analistas da XP, a empresa é conhecida por ter um portfólio de planos individuais deficitário. O UHG vinha há anos buscando uma solução para essa carteira. Em 2022, tentou se desfazer dela, pagando R$ 2,3 bilhões ao comprador para se livrar do problema, mas a ANS ordenou que a empresa desfizesse o negócio e reassumisse a operação.

O time da XP também chama a atenção para o fato de que a Amil está perdendo fatia no mercado, que recuou de 9,1%, em 2015, para 6,2% atualmente. Para tentar reverter esse quadro, a operadora mantinha estratégia agressiva nos planos de baixo preço, com objetivo de aumentar sua base de clientes e o uso de seus hospitais e, consequentemente, melhorar a rentabilidade do seu portfólio. Assim, buscava tíquetes menores, mas em maiores quantidades.

A XP considera arriscada a estratégia de baixo preço, que prejudica a rentabilidade a médio prazo, sobretudo quando a utilização se elevar e os preços não acompanharem. A equipe de análise pondera, entretanto, que o novo comprador, com experiência no setor, é capaz de mudar os rumos da empresa.

“Vemos nele habilidades para expandir negócios, o que foi comprovado na Qualicorp. No entanto, na Amil, o executivo terá que encontrar maneiras de trazer eficiências rapidamente.”