Westwing (WEST3) tem prejuízo 30% menor no 4º tri de 2022, a R$ 24,6 milhões, e foca em reduzir consumo de caixa

A empresa de loja de decoração tem reduzido parcelamento de clientes e melhorado gestão de estoque em meio a cenário desafiador

Equipe InfoMoney

Loja da Westwing (Divulgação)

Publicidade

A empresa de loja de decoração Westwing (WEST3) registrou um prejuízo líquido de R$ 24,573 milhões no quarto trimestre de 2022 (4T22), uma melhora de 30,3% em relação a igual período do ano anterior, informou a companhia, destacando ainda que o balanço do 4T21 foi reapresentado.

O lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado, por sua vez, foi negativo em R$ 25,1 milhões, uma melhora de 31,8% frente o 4T21.

No 4T22, a receita líquida caiu de 14,6% na comparação anual, atingindo R$ 69,57 milhões, impactada tanto pela performance de volume de mercadorias brutas (GMV, na sigla em inglês) no período, assim como pela descontinuidade da operação de marketplace (ocorrida em agosto de 2022).

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Desconsiderando a receita de marketplace na base comparativa do 4T21, operação que foi descontinuada em função da estratégia da companhia de redução de consumo de caixa, a redução no trimestre seria de 12,4% ao ano”, apontou a empresa.

“O ano de 2022 foi bastante desafiador em termos de crescimento para o mercado de casa e decoração. No 4T22, porém, ainda que não tenha apresentado números positivos de crescimento, conseguimos observar uma melhoria na dinâmica da performance do GMV (-6,9% na base anual) quando comparado aos trimestres anteriores (-21% na base anual no 2T22 e -22% no 3T22)”, apontou a companhia.

A Westwing ainda destaca que, em 2022, decidiu mudar sua estratégia para foco em menor consumo de caixa e maior busca de rentabilidade.

Continua depois da publicidade

A decisão advém de dois principais fatores, segundo a empresa: (i) mercado de casa e decoração com demanda aquém da esperada para o pós-pandemia, além das perspectivas ainda não concretas de potencial retomada, e (ii) manutenção de liquidez robusta para suportar o período desafiador, assim como se preparar e poder voltar a investir rapidamente assim que o cenário do setor começar a dar sinais mais positivos de crescimento.

“Para isso, implementamos algumas medidas com foco em redução do consumo de caixa, como redução do parcelamento de clientes e melhoria de gestão de estoque (com gestão integrada de Club, Now e lojas), com consequente redução dos níveis de estoque. Também trabalhamos em redução de SG&A [despesas de vendas, gerais e administrativas] para ganhos de eficiência, com redução de quadro de funcionários e reestruturação de despesas gerais, assim como redução de ritmo de investimentos”, afirmou.  Também foram reduzidos investimentos em marketing.

A companhia destaca ter fechado 2022 com liquidez total de R$ 218,2 milhões, dos quais R$ 158,2 milhões em caixa e aplicações financeiras e R$ 60 milhões em recebíveis de financiamentos continuam zeradas.

O consumo de caixa foi de R$ 1,6 milhão no 4T22, redução de 76% se comparado ao 3T22 e de 96% versus o 4T21.

As despesas operacionais aumentaram, contudo, 1,9% no 4T22 em relação ao 4T21, atingindo R$ 59,1 milhões. Já em 2022, as despesas atingiram R$ 192,5 milhões, queda de 7,9% versus 2021, “o que demonstra os esforços da companhia em maior preservação de caixa”, afirmou.