WEG (WEGE3) dribla projeções ruins, mostra sua força no 4º tri e ações sobem forte

Companhia teve aceleração nas receitas e números bons, mesmo retirando efeitos não-recorrentes

Lara Rizério

WEG (Divulgação: Linkedin)

Publicidade

As ações da WEG (WEGE3) tiveram uma sessão de “redenção” após a divulgação dos resultados do quarto trimestre (4T23), que seguiram o anúncio de dividendos e proposta de aumento de capital. Os papéis subiram 6,89% na sessão desta quarta-feira (21), a R$ 36,63, em um movimento bem diverso ao pós-terceiro trimestre, quando WEGE3 despencou em meio à visão de desaceleração dos números seguidamente positivos da fabricante de motores elétricos.

A expectativa era de números mais modestos para a WEG no 4T23, o que também “facilitou” a surpresa positiva dos analistas com os resultados. A companhia reportou resultados do 4T23 com lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) de R$ 1,8 bilhão (alta de 17% na base anual), ficando 4% acima do consenso da Bloomberg e da visão do Goldman Sachs.

As receitas aceleraram no trimestre, em alta de 7% na base anual, ante alta de 2% anual no 3T23, impulsionadas pelo aumento de 12% nas vendas da divisão de energia da WEG (principalmente no exterior) parcialmente compensadas por uma expansão de um dígito (+2%) na divisão de equipamentos industriais.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Enquanto isso, o Custo de Produtos Vendidos (CPV) do trimestre cresceu 2% na base anual, levando a uma margem bruta de 33,7% (superando a projeção do Goldman de 31,5%). A WEG destacou que a acomodação dos preços das principais matérias-primas que compõem sua estrutura de custos (nomeadamente aço e cobre) e um melhor mix de produtos foram catalisadores importantes para a evolução da margem bruta do trimestre. Contudo, os analistas do Goldman ponderam que provavelmente isso não será sustentável no longo prazo.

O lucro líquido subiu 46% ante o 4T22, beneficiando do reconhecimento de créditos fiscais relacionados com a criação de uma nova subsidiária no exterior (Suíça). Segundo a empresa, excluindo este evento extraordinário, o lucro líquido teria sido de R$ 1,4 bilhão (+18% na base anual). Contudo, na avaliação do Bradesco BBI, mesmo excluindo os não recorrentes a WEG teve um bom resultado.

O JPMorgan ponderou que o resultado final de GTD (Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica) internacional, apesar de forte com alta de 29% no comparativo anual, ficou abaixo da sua projeção de 38%. Porém, em relatório antes da abertura do mercado, já esperava uma reação positiva uma vez que a WEG superou o consenso e mostrou aceleração do crescimento.

Continua depois da publicidade

Na avaliação do Bradesco BBI, além dos créditos fiscais, os principais destaques ficaram com o GTD nos mercados externos, que continua impulsionando o crescimento das receitas. O guidance de investimentos para 2024 de R$ 1,947 bilhão e o retorno sobre o capital investido (ROIC) ajustado de 36% (+0,6 ponto percentual na base anual) também foram pontos positivos.

O Citi vê as receitas acelerando e também a margem Ebitda ainda perto dos níveis históricos a 21,4%, com uma margem líquida de 20,4%. “As margens continuam muito fortes e atribuímos isso a dois fatores principais: 1) um mix atual com proporção de ciclo longo maior (GTD e e equipamentos eletroeletrônicos industriais) que a média histórica (30% histórico versus 40% atual), que estruturalmente possui melhores margens e 2) aumento nas margens do mercado externo, à medida que as instalações de produção greenfield ou fábricas adquiridas amadurecem”, aponta o banco americano.

A recomendação do Citi para as ações WEGE3 é de compra, com preço-alvo de R$ 45 (upside de 31%), recomendação similar ao do JPMorgan (overweight, ou exposição acima da média do mercado). O Bradesco BBI e o Goldman Sachs, por sua vez, possuem recomendação neutra para as ações. O Goldman apontou que a aceleração da receita foi positiva, mas o crescimento permanece na faixa de um dígito. Além disso, o banco também modela alguma contração da margem Ebitda e aumento da alíquota de impostos em 2024.

Lara Rizério

Editora de mercados do InfoMoney, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional, além de ficar bem de olho nos desdobramentos políticos e em seus efeitos para os investidores.