Grécia

Votação acabará com conversas sobre saída da Grécia do euro, diz premiê

Antonis Samaras diz que os parlamentares devem aprovar o orçamento de 2013 em 11 de novembro, levando à liberação de 31,5 bilhões de euros em fundos de ajuda

arrow_forwardMais sobre

ATENAS – Conversas sobre a Grécia abandonar o euro terminarão depois de eleições críticas no Parlamento nesta semana sobre novas medidas de austeridade, reformas trabalhistas e o orçamento para 2013, disse o primeiro-ministro grego Antonis Samaras no domingo (4).

O governo tripartidário irá submeter o pacote de medidas ao Parlamento na segunda-feira (5) e deve aprová-lo, e o orçamento de 2013, para receber a ajuda que tanto precisa do FMI (Fundo Monetário Internacional) e da União Europeia para evitar a falência.

O Partido de Esquerda Democrata havia se recusado a apoiar a mescla de aumentos de impostos e reduções de gastos no valor de 13,5 bilhões de euros porque está vinculada a medidas que irão reduzir os salários e cortar pagamentos e descartar aumentos salariais automáticos.

Mas o Partido Nova Democracia, de Samara, e a maioria dos deputados de sua coalização de parceiros socialistas devem aprovar o pacote através de uma estreita maioria em uma eleição na quarta-feira (7).

Os parlamentares devem então aprovar o orçamento de 2013 em outro voto crucial em 11 de novembro, levando à liberação de 31,5 bilhões de euros em fundos de ajuda e deixando de lado qualquer conversa sobre a Grécia abandonar a zona do euro, disse Samaras.

“Assim que as novas medidas forem aprovadas e obtivermos o contrato de ajuda crítico, a liquidez começará de novo a alimentar os negócios e as residências, a incerteza terminará, o sentimento mudará e o temor de uma volta do dracma desaparecerá”, ele disse a parlamentares da Nova Democracia em uma reunião do partido.

“Nos últimos dois anos, através dos cortes em salários, pensões, gastos governamentais, recessão e desemprego, perdemos 35 por cento de nosso padrão de vida como país”, ele disse. “Se tivéssemos saído do euro, teríamos perdido duas vezes mais”.