Méliuz impactada positivamente

Via volta a contribuir com Ebit, “expande o e-commerce” em 10% e impulsiona projeções para outra ação da Bolsa

Na avaliação da XP, a notícia é positiva para Méliuz devido à visibilidade de um mercado endereçável maior do que o estimado

Por  Lara Rizério -

SÃO PAULO – A Ebit Nielsen, empresa de amplo reconhecimento que analisa e mensura o e-commerce brasileiro, reavaliou positivamente sua estimativa do tamanho do mercado e-commerce no Brasil, sendo 10% maior do que a companhia estimava anteriormente.

A reavaliação foi promovida pelo fato de que a Via (VVAR3) passou a contribuir com os dados da Ebit, algo que não fazia desde janeiro de 2019.

O novo tamanho de mercado estimado pela Ebit é de R$ 95,7 bilhões, ou R$ 8,7 bilhões a mais que os R$ 87 bilhões estimados anteriormente, e esses quase R$ 9 bilhões a mais de receita são totalmente atribuíveis à Via.

Na avaliação da XP, a notícia é positiva para Méliuz (CASH3) devido à visibilidade de um mercado endereçável maior do que o estimado, o que poderia destravar mais valor para seu principal negócio, o cashback. Cabe destacar que, em uma sessão de expressiva queda para o Ibovespa, de 1,74%, as ações CASH3 fecharam em alta de 6,01%.

Já os analistas da Levante Ideias de Investimentos, Meraki Capital e Guide Investimentos destacaram o cenário para a Via. A ação VVAR3, por sua vez, fechou em queda de 0,32%, queda bem menos expressiva que o benchmark da Bolsa.

A Levante ressalta que a Via, dona das Casas Bahia e do Ponto Frio (atualmente Ponto), passou por um período delicado nos últimos anos, mas conseguiu arrumar a casa após um turnaround (grande reestruturação na empresa) bem-sucedido que começou em 2019.

Mesmo assim, ainda se acreditava que a empresa estava bem atrás de seus concorrentes na “guerra do e-commerce” brasileiro, principalmente da Magazine Luiza (MGLU3), referência no setor.

Porém, com esses novos dados, a participação de mercado da companhia é muito maior do que se acreditava anteriormente, podendo chegar a 21%.

Conforme apontam os dados  do primeiro trimestre, a Via teve um GMV (Gross Merchandise Volume ou Volume Bruto de Mercadorias) de R$ 18 bilhões em 2020, que representa 21% do faturamento da nova estimativa da Ebit.

Todavia, esses números não levam em consideração o Mercado Livre (MELI34), que não reporta seus números à Ebit.

“Esperamos uma reação positiva nas ações da companhia Via no curto prazo com esses novos dados sobre o mercado. Esses dados devem ficar ainda melhores para a empresa, à medida que ela continua melhorando suas operações e ganhando participação de mercado, como ela vem fazendo nos últimos seis trimestres, onde obteve um crescimento de vendas acima do mercado, utilizando a força de suas marcas”, afirmam os analistas da Levante.

A Guide Investimentos também ressalta que a Via representa mais no mercado de e-commerce do que se imaginava, o que deve trazer movimentação aos papéis com o novo dado revelado. “A sua capacidade de crescimento e execução vinha sendo subestimada quando comparada a seus pares”, avaliam os analistas da casa.

Já na visão de Angélica Marufuji, sócia e analista da Meraki Capital, na prática, não aconteceu grande mudança: a grande alteração ocorreu no fim de 2019, com a mudança de executivos e a virada nas operações, que agora passam por uma fase de amadurecimento e que mostram que a companhia conseguiu parar de perder participação no mercado.

“Agora, essa entrada no Ebit Nielsen é para trazer esse conforto de que agora eles são um ganhador de participação”, avaliam.

Olhando para frente, o mercado é bastante competitivo e o e-commerce busca penetração em outros segmentos, como vestuário, alimentos e produtos de limpeza.

Angélica ainda aponta que prefere estar em líderes do mercado, apontando preferência em Mercado Livre – líder em marketplace – e em Magazine Luiza ([ativo-MGLU3]) – em produtos próprios, ou 1P.

“Mas não dá pra ignorar que a Via está sendo muito ativa, fazendo mudanças internas e isso se reflete em vendas, serviços e tem muito espaço pra ela melhora”, destaca a analista.

Curso gratuito do InfoMoney mostra como você pode se tornar um Analista de Ações. Inscreva-se agora.

Compartilhe