Via (VIIA3), Natura (NTCO3) e Alpargatas (ALPA4): Com bateria de reestruturações, o que observar nas teses de turnaround?

Especialistas falam em necessidade de mudanças "reais" e foco em negócio core e não só a busca por aumento de caixa

Vitor Azevedo

Publicidade

Os últimos meses foram marcados por diversos anúncios de reestruturações, principalmente de empresas ligadas ao setor de consumo. Companhias como Via (VIIA3), Natura (NTCO3) e Alpargatas (ALPA4) pisaram no freio, passaram a repensar parte dos seus negócios e a colocarem mudanças em prática – em processos nada fáceis.

Enquanto isso, analistas e investidores assistem a tudo isso, tentando mensurar o impacto no preço das ações. Em 2023, com exceção da Natura, que sobe 30,5% no acumulado, Via derreteu 50% e Alpargatas perdeu 41% de seu valor de mercado, até o pregão do dia 6 de setembro.

Das reestruturações anunciadas, a da Via (VIIA3), dona das Casas Bahia e do Ponto (antigo Ponto Frio) consiste no fechamento de lojas, a descontinuidade de categorias e toda uma alteração na sua estrutura de capital.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

No caso da Natura, a principal alteração acontece com a venda da Aesop, assim como a intenção de se desfazer da The Body Shop.

A Alpargatas, dona da Havaianas, por fim, irá simplificar seu portfólio e realizar mudanças na sua estrutura interna.

Via (VIIA3), Natura (NTCO3) e Alpargatas (ALPA4): sequência maus resultados

Algumas decidiram tomar medidas mais cedo do que outras, mas no cerne de tudo isso, claro, está a dificuldade de lucrar. As três empresas vêm de uma sequência de maus resultados.

Continua depois da publicidade

Em grande parte, o atual momento do ciclo econômico, com os juros mais altos, explica as dificuldades. O varejo, usualmente, é um setor de margens baixas e isso piora em momentos de Selic em alta – como vem ocorrendo desde o ano passado, com a taxa acima de 10% ao ano.

Um cenário de crédito mais apertado míngua as receitas das varejistas. Os clientes acabam recorrendo menos ao parcelamento e compram menos. Quando isso acontece, há uma série de impactos sucessivos, como a menor diluição dos custos fixos da companhia. Todo o operacional, então, piora. Enquanto isso, o custo da dívida se eleva, com mais encargos financeiros, reduzindo ainda mais a última linha do balanço.

Na Via, que acabou de colocar sua reestruturação em prática, por exemplo, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês), conhecido também como lucro operacional, caiu 32% no ano.

“São companhias de capital intensivo, com alta necessidade de reinvestimento”, diz Tiago Cunha, gestor de portfólios da Ace Capital.

“A diferença é que há dois anos elas estavam captando dinheiro a um CDI +1% ou +2%, somando uns 3% ou 4%. Agora, essas taxas foram a 15% ou 16% no total. Fora a alta das taxas, a avaliação de risco também piorou por conta do cenário. O custo de financiamento, então, piorou substancialmente”, diz Cunha.

Isso também é algo facilmente observado nos resultados das empresas que entraram em reestruturação. A Alpargatas, neste último segundo trimestre, teve um resultado financeiro negativo de R$ 32,8 milhões, ante déficit de R$ 6,8 milhões no mesmo período de 2022.

Com a combinação de menores ganhos com maiores gastos, então, as empresas começam a repensar suas operações – principalmente aquelas que, no momento de juros mais altos, estão com uma posição de caixa pior.

Necessidade de formar caixa

Grande parte das iniciativas das varejistas de mudarem seus negócios vêm da necessidade de terem maior capital disponível.

Como já mencionado, o setor é de capital intensivo. As companhias do setor do varejo têm sempre de estar gastando com o pagamento de fornecedores, por exemplo. Não raro, boa parte do patrimônio de uma varejista está nos produtos que ela tem em estoque.

As empresas, com os juros mais altos, gastaram mais com empréstimos para bancarem a compra de produtos que depois elas iriam vender. Parte deles ainda ficou atolado nos estoques, já que as compras diminuíram. Com a deterioração do cenário, essa dinâmica foi piorando, bem como as posições de caixa.

Com isso, na Via, a descontinuidade de categorias, segundo os próprios executivos da empresa, deve gerar caixa, uma vez que liberará capital de giro.

Outras iniciativas, como um follow on e a colocação do crediário da empresa em FDICs (Fundo de investimento em direitos creditórios) também foram traçadas.

Na Natura, as vendas de ativos também melhoraram a posição líquida da companhia. A Alpargatas, por sua vez, vem tentando queimar seu estoque.

“Nesse momento, a maior questão a se avaliar em uma empresa em reestruturação é quanto as mudanças serão só um tampão. Ou seja, quanto desses movimentos são só para o cara pagar a conta de amanhã e tentar de alguma forma reverter a situação e quanto é um capital que efetivamente vai fazer diferença na gestão da empresa”, explica Cunha, da Ace.

Venda de ativos

No caso da Natura, o gestor exalta a capacidade da empresa de se desfazer de ativos e focar no seu core business, ou seja, no seu negócio principal. Não a toa, os papéis da companhia se valorizam no ano, apesar das dificuldades.

Os resultados da empresa, que iniciou sua reestruturação há mais de um ano, já trouxeram sinalizações positivas. A XP Investimentos, por exemplo, definiu os resultados como fortes e destacou a expansão da marca principal.

“A Natura é um ótimo exemplo de empresa que tocou bem sua reestruturação”, pontua Cunha.

“No final das contas, a gente olha todos os processos, mas só vamos entrar naquelas que temos alguma convicção de que as mudanças vão fazer diferença do ponto de vista de estrutura de capital e de gestão. Se chegamos à conclusão de que a empresa está tentando levantar capital só para pagar o almoço que está devendo, ficamos de fora.”

Na maior parte das vezes, o especialista da Ace destaca que há pouco otimismo com os processos.

Dificuldades

Rafael Ragazi, sócio e analista de Ações da Nord Research, vai no mesmo sentido ao afirmar que reestruturações, usualmente, são processos de grande dificuldade.

“É uma combinação de diversas iniciativas. São várias frentes que são trabalhadas e não é necessariamente fácil conseguir fazer com que todas as iniciativas, com que todas as frentes, funcionem e gerem resultados como esperado”, comenta.

Ele cita, por exemplo, que processos como o fechamento de lojas e encerramento de categorias, como a Via fez, são corriqueiros. A empresa acaba priorizando unidades e processos que trazem mais lucros, ou seja, com margens maiores.

“Outra coisa que normalmente é feita logo de cara são cortes de despesas envolvendo pessoal e marketing. É deixar de gastar o que estavam gastando com divulgação, ou então tentar buscar formas mais eficientes disso, e reduzir o headcount, cortando as vagas dispensáveis”, explica o analista da Nord.

Fornecedores e alugueis

Questões como renegociações com fornecedores e de aluguéis também costumam entrar na lista, de acordo com Ragazi. A reestruturação das dívidas – buscando alongar o prazo para evitar resgates de títulos, que consomem mais caixa, e também a conseguir melhores condições – é algo importante, acrescenta.

“Por fim, podemos ver também a venda de ativos non core ou de imóveis, quando a empresa tem imóveis no seu nome. São fatores que também geram um fluxo positivo de capital para a empresa e costumam acontecer bastante nesse processo”, diz Ragazi.

“Enfim, são processos complexos, exatamente porque são várias frentes que precisam ser geridas ao mesmo tempo. O sucesso de um movimento do tipo vem do sucesso dessas pequenas iniciativas”, conclui.

Segundo os especialistas, em cada caso será necessário observar diferentes sinais. De qualquer forma, no entanto, o alcance da rentabilidade operacional, uma boa gestão de dívidas e geração de caixa são passos importantes para sair da lama.

Analistas aguardam resultados para observar andamento das reestruturações

Após a Via anunciar seu plano de reestruturação, no começo de agosto, parte dos analistas definiu as iniciativas como positivas. No entanto, o clima de cautela permanece

“Acreditamos que a apresentação do plano estratégico e o fato relevante de estudo potencial para emissão de cotas do FIDC, no valor de até R$ 1,5 bilhão, devem aliviar a reação negativa em relação ao fraco resultado operacional”, avalia a Genial Investimentos.

Anteriormente, os analistas da casa haviam apontado para a falta de visibilidade da Via em relação a sua estratégia operacional no curto e no médio prazos – o que era um assunto extremamente relevante dada a mudança de grande parte do corpo executivo da empresa e que agora foi endereçado.

A XP também valorizou as iniciativas da Via, uma vez que contêm alavancas claras e suas respectivas estimativas de ganhos, alcançando um potencial de R$ 1,5 bilhão a R$ 2 bilhões de Ebitda adicional e R$ 4 bilhões de monetização de ativos.

Além disso, aponta a equipe de análise, a nova estratégia da Via focará nas categorias-chave e mais rentáveis, o que enxerga como positivo.

“Entretanto, o mercado pode permanecer cético quanto a outro plano de reestruturação da companhia, em meio a um cenário macro ainda desafiador, embora ganhos iniciais do plano possam já ser vistos nos próximos resultados, o que pode ajudar a trazer mais conforto quanto sua execução”, avaliam os analistas.

Natura

Na Natura, o último resultado veio melhor do que o esperado e analistas já trazem um tom mais positivo.

“Estamos mais construtivos sobre a integração da Natura/Avon na América Latina antes dos anúncios sobre o progresso esperado para 16 de agosto. A principal força da Natura&Co está no canal de vendas diretas, que é mais competitivo nos mercados emergentes, especialmente na América Latina”, avaliou o Bradesco BBI, em um dos seus últimos relatórios sobre a empresa.

“Embora ainda não tenhamos clareza sobre quando a The Body Shop e a Avon Internacional retomarão o crescimento, elogiamos os esforços da empresa e observamos sinais iniciais de melhoria na lucratividade”, apontaram os analistas do Itaú BBA.

Na época da publicação, não havia tido nenhuma notícia sobre a possível venda da marca em questão, que saiu nos últimos dias. Contudo, os analistas já projetavam que a negociação podia incrementar o caixa da Natura em R$ 3,4 bilhões, o que seria positivo ao seu ver.

O JPMorgan, além de ver as ações mais dependentes da entrega de resultados, também enxerga uma venda extra de ativos, citando potencialmente a TBS, como um catalisador para maiores ganhos na Bolsa.

“Nesse contexto, acreditamos que os próximos resultados provavelmente apoiarão uma tendência positiva, enquanto o foco contínuo na simplificação dos negócios deve culminar com o desinvestimento do TBS, que, em nossa opinião, é um ativo que se ajusta de forma limitada ao portfólio principal da Natura”, apontou o banco americano.

Alpargatas

Por fim, para a Alpargatas, também o JP Morgan destacou que as mudanças devem continuar impactando os resultados nos próximos 12 a 24 meses, limitando a visibilidade da execução dos planos.

“No entanto, uma postura mais negativa sobre a ação é atenuada pelo fato dos acionistas controladores estarem aumentando sua participação na ação, enquanto há preocupações sobre uma possível deslistagem”, disseram.

Os números da Refinitiv mostram bem como o mercado se porta frente as empresas que estão mudando seus negócios. Hoje, as ações ordinárias da Via não nenhuma recomendação de compra, oito neutras e quatro de venda.

Para as da Natura, em uma situação já um pouco melhor, são cinco recomendações de compra, sete neutras e nenhuma de venda. As preferenciais da Alpargatas têm apenas cinco recomendações neutras.