Forte queda

Via Varejo investiga fraude em balanços após denúncia; ações chegam a cair 9%, mas fecham em baixa de 1%

Companhia apontou que a primeira fase de investigações sobre as supostas irregularidades contábeis não confirmou as alegações de irregularidades

SÃO PAULO – Após ter a negociação suspensa entre 11h56 (horário de Brasília) e 12h16 desta quarta-feira (13), a ação da Via Varejo (VVAR3) chegou a operar com queda superior a 9% no começo da tarde, em meio à notícia de investigação sobre fraude contábil no balanço da companhia. Ao longo da sessão, contudo, os ativos foram diminuindo as perdas e fecharam em baixa de 0,99%, a R$ 7,02.

Em comunicado de esclarecimento ao mercado, a Via Varejo afirmou que está averiguando irregularidades na elaboração e divulgação de informações financeiras da companhia, depois de denúncia sobre possíveis práticas ilícitas.

Segundo a a dona das marcas Casas Bahia, Ponto Frio e Extra.com, a primeira fase de investigações sobre as supostas irregularidades contábeis não confirmou as alegações contidas nas denúncias anônimas.

PUBLICIDADE

Já a 2ª e última fase da investigação ainda se encontra em andamento, mas a administração da companhia, até então, não teve acesso a nada que altere os resultados da fase anterior.

A empresa confirmou que as denúncias foram recebidas entre o final de setembro e começo de outubro.

As investigações são realizadas por um comitê, que se reporta ao Conselho de Administração da companhia e é assessorado por consultores independentes e de renome, destacou a Via Varejo.

Além disso, a companhia concluiu preliminarmente que, tendo em vista que até o momento não houve confirmação do quanto alegado nas denúncias, não existem efeitos materiais às informações trimestrais que serão divulgadas na presente data em decorrência do apurado até o momento no âmbito da Investigação.

Leia também:
• TB Office: Fundo imobiliário é alvo de disputa em caso envolvendo acusação de conflito de interesse

De acordo com informações da Suno Notícias, executivos da companhia teriam contabilizado despesas como capex (investimentos em bens de capital) como se o montante fosse destinado a investimentos para a melhoria da operação; mas, na verdade, o dinheiro teria sido destinado a gastos de opex (despesas operacionais).

PUBLICIDADE

Essa mudança teria ocorrido pela possibilidade de transformar as despesas de capex em receita e diminuir as provisões da companhia. Com isso, o retorno sobre investimento da empresa seria maior que o real.

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta gratuita na XP!