Radar InfoMoney

Via Varejo e Marisa fecham lojas no Brasil por coronavírus; Vale compra 5 mi de testes rápidos e mais destaques

Confira os destaques do noticiário corporativo da sessão desta segunda-feira (23)

Aprenda a investir na bolsa

A mineradora Vale (VALE3) comprou 5 milhões de kits de testes para detectar o coronavírus e eles serão doados ao governo brasileiro. Segundo a Vale, o kit detecta se uma pessoa tem o Covid-19 em apenas 15 minutos. O fornecedor chinês deverá entregar o primeiro lote, de 1 milhão de kits, em 27 de março, na próxima sexta-feira.

Já a Cemig (CMIG4) informou que sua subsidiária Renova, em recuperação judicial, aceitou oferta vinculante feita pela ARC Capital, G5 e XP para o financiamento da conclusão das obras do Complexo Eólico Alto Sertão III, no interior da Bahia. As obras estão paradas há anos. Já a Via Varejo e a Lojas Marisa comunicaram no final de semana que fecharam todas as suas lojas no Brasil para tentar conter a epidemia do coronavírus.

Vale (VALE3

A Vale informou que comprou 5 milhões de kits de testes do coronavírus e doará o material ao governo brasileiro. Segundo a mineradora, o primeiro lote, com 1 milhão de kits, será entregue pelo fornecedor chinês na sexta-feira (27 de março) e deverá chegar ao Brasil na semana seguinte. A Vale informou que os outros lotes com 4 milhões de kits deverão chegar ao Brasil no decorrer de abril.

Cemig (CMIG4

Aprenda a investir na bolsa

A Cemig informou que a sua subsidiária Renova Energia S.A., em recuperação judicial, aceitou oferta vinculante feita pela ARC Capital, G5 Administradora de Recursos e XP Vista Asset Management para financiamento da conclusão das obras do Complexo Eólico Alto Sertão III – Fase A. O oferta também é para a Renova cobrir despesas operacionais correntes. As obras do complexo de Alto Sertão III, no interior da Bahia, foram paralisadas há anos pela Renova. A subsidiária da estatal mineira entrou com pedido de recuperação judicial em dezembro do ano passado, informando dívidas de R$ 3,1 bilhões.

Via Varejo (VVAR3)

A Via Varejo comunicou no sábado que fechou todas as lojas físicas das bandeiras Casas Bahia e Ponto Frio, em 20 estados brasileiros e no Distrito Federal, por causa da epidemia do coronavírus. As lojas foram fechadas ao meio-dia do próprio dia 21 e ficarão sem funcionar por prazo indeterminado, embora a Via Varejo tenha ressaltado que o comércio eletrônico continua em operação. No total, a medida para ajudar na contenção da epidemia no Brasil envolveu o fechamento de 700 lojas da Casas Bahia e 250 do Ponto Frio. “Continuaremos a acompanhar a evolução da pandemia do Covid-19 de forma a avaliar, em linha com as medidas sanitárias e médicas em vigor, o melhor momento para a reabertura”, informou a Via Varejo.

Lojas Marisa (AMAR3

A Lojas Marisa informou no domingo que fechou todas as suas 300 lojas no Brasil, também por causa do avanço do Covid-19. “A companhia decidiu fechar as lojas físicas em todo o Brasil por tempo indeterminado, em função dos desdobramentos recentes relacionados ao Covid-19”, comunicou a varejista. A empresa também ressaltou que o comércio eletrônico continua a funcionar e os funcionários da parte administrativa trabalharão em home office a partir desta semana.

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Vulcabras (VULC3)

A Vulcabras Azaleia informa que decidiu paralisar todas as unidades fabris e escritórios da companhia em razão do coronavírus. A empresa permanecerá em férias coletivas por um período de 21 dias, contados a partir do dia 23 de março de 2020, exceto alguns departamentos essenciais que trabalharão de forma remota e com a equipe reduzida.

“Esta decisão está alinhada ao conjunto de medidas já adotadas pela companhia visando preservar a segurança das pessoas envolvidas em suas atividades e também para colaborar na redução da transmissão da covid-19, em conformidade com as orientações proferidas pelas autoridades”, explica a empresa em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A empresa afirma ainda que, neste momento, não há como precisar os impactos a longo prazo no cenário econômico, e, em especial, os impactos nas operações da companhia.

Guararapes (GUAR3)

PUBLICIDADE

A Guararapes anunciou na sexta-feira à noite o fechamento de todas as lojas da Riachuelo desde o último sábado, por tempo indeterminado, por conta da epidemia do novo coronavírus (covid-19).

Na quinta, a empresa havia informado que suspendeu as atividades das fábricas que possui em Fortaleza e Natal e que deu férias coletivas a todos os 12 mil funcionários que trabalham nos parques fabris.

Portobello (PTBL3)

A Portobello, uma das maiores fábricas de cerâmicas do Brasil, divulgou balanço do quarto trimestre de 2019 e do ano passado inteiro. A Portobello obteve um lucro líquido de R$ 13,1 milhões em 2019, uma queda de 90% em comparação aos R$ 134 milhões de 2018. O lucro líquido apenas no quarto trimestre também caiu, 68% sobre igual período de 2018, para R$ 9,1 milhões. Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi de R$ 30,2 milhões no quarto trimestre de 2019, uma retração de 56% sobre igual período de 2018. O Ebitda do ano inteiro foi de R$ 128,8 milhões, queda de 55% sobre 2018. Os resultados da Portobello vieram mais fracos que em 2018 porque, afirma a empresa, aumentaram os custos da energia – o negócio da cerâmica demanda muito combustível para os fornos.

A receita líquida da empresa avançou 11,5% no quarto trimestre do ano passado, sobre 2018, para R$ 382,2 milhões. No ano inteiro, a receita líquida avançou 6,8% para R$ 1,11 bilhão. Os resultados são recorrentes. Como ganhos não recorrentes, a Portobello obteve R$ 41 milhões em créditos fiscais reconhecidos pelo judiciário e outros R$ 170 milhões com um precatório relativo ao crédito do IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados.

A empresa comentou que usou os recursos para investir em melhorias na área industrial, sobretudo na marca Pointer, e para reforçar o fluxo de caixa.

A Portobello também ampliou sua presença nos Estados Unidos. Embora os dados em geral da Portobello sejam bons, a empresa teve aumento na relação dívida líquida sobre o Ebitda, que passou de 1,64 vezes (1,64x) em 2018 para 3,32 vezes (3,3x) no final de 2019. A empresa fechou 2019 com uma dívida líquida de R$ 427,1 milhões. Segundo a Portobello houve alongamento na dívida e 69% têm vencimento em longo prazo. A administração irá propor a distribuição de R$ 6,2 milhões em dividendos aos acionistas.

Mitre (MTRE3)

O banco Itaú BBA iniciou a cobertura dos papéis da construtora e incorporadora Mitre, que atua na capital paulista. A Mitre recentemente fez oferta pública de ações na B3 e na avaliação do BBA “está bem posicionada para participar da retomada do mercado imobiliário na cidade de São Paulo pelos próximos anos”.

O BBA comenta que após o sell-off na B3 provocado pelo coronavírus, a ação da Mitre está em um ponto bom de entrada, com a perda de 44% do valor desde o IPO em fevereiro. “Na nossa visão, a avaliação da Mitre não incorporou o crescimento nos lançamentos (de imóveis) após o sell-off. Como fatores de risco, apontamos o aumento da competição no segmento médio e médio-alto imobiliário, porque as construtoras levantaram mais de R$ 3,3 bilhões com as ofertas de ações desde julho de 2019”, comenta o BBA.

PUBLICIDADE

O banco fixou preço-alvo de R$ 17,70 para a ação MTRE3 em 2020, uma alta de 64% sobre os valores da última sexta-feira na B3. A nota é outperform – acima da média.

Aproveite as oportunidades para fazer seu dinheiro render mais: abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações!

(Com Bloomberg e Agência Estado)