Temporada de balanços

Vale (VALE3) deve reportar ganho com preço de minério no 1º trimestre, mas não suficiente para aumentar lucro

Mineradora deve registrar menores embarques, por conta das chuvas no Brasil, mas ter maior receita com valorização do minério

Por  Vitor Azevedo

A Vale (VALE3) divulga seu balanço trimestral nesta quarta-feira (26) e a expectativa dos analistas é, em geral, que o documento trará números neutros: de um lado, a mineradora deve ver seus embarques recuarem, por conta das fortes chuvas registradas no Brasil, mas por outro, terá prêmios maiores, com a alta do preço do minério.

Conforme o consenso da Refinitiv, a Vale deve registrar um lucro de US$ 4,240 bilhões, abaixo dos US$ 5,546 bilhões de um ano antes. Já a projeção para o lucro líquido reportado é de US$ 3,926 bilhões, também inferior à mesma cifra do mesmo período do ano passado, US$ 5,546 bilhões.

Para o Ebitda, o consenso da Refinitiv aponta para US$ 6,466 bilhões neste primeiro trimestre, ante US$ 8,350 bilhões do mesmo intervalo de 2021. Enquanto isso, a receita projetada é de US$ 11,433 bilhões, inferior à reportada um ano antes, de US$ 12,645 bilhões.

Em sua prévia operacional, a companhia trouxe números que dividiram os analistas, que os definiram entre “neutros” e “ligeiramente negativos”. De qualquer forma, não houve grandes surpresas – a queda de produção já era esperada bem como os maiores ganhos com o preço da commodity.

Tanto o Itaú BBA quanto o Bradesco BBI, com isso, mantiveram suas projeções de Ebitdas inalteradas em US$ 6,5 bilhões após a publicação das prévias da Vale.

“Estamos confortáveis com a nossa projeção de Ebitda para o primeiro trimestre de 2022. Apesar de a perda de duas toneladas, 3% abaixo da nossa projeção, a nossa previsão provavelmente será compensada por um prêmio de qualidade mais forte do que o esperado e melhor mix de vendas”, comentam os analistas Daniel Sasson, Edgard de Souza, Marcelo Palhares e Bárbara Soares, do Itaú BBA.

O BBA projetava que a Vale traria uma produção total de 63,9 milhões de toneladas entre janeiro e março, pouco mais do que as 60,6 milhões realmente registradas. O prêmio conseguido pela companhia foi de US$ 9 por tonelada, frente US$ 4,7 por tonelada no quarto trimestre de 2021.

“Isso devido a um maior spread de 65%/62%, e por conta de um mix de venda mais rico, já que alguns altos volumes de sílica estavam concentrados em plantas de beneficiamento chinesas antes da venda final”, explica o BBA.

Para o BBI, os embarques de minério de ferro nem ao menos frustraram as projeções, ficando em linha com o consenso. Os prêmios, por outro lado, ficaram acima daquilo que estimado pelo banco, que via algo próximo a US$ 6,5 por tonelada.

A XP Investimentos foi a única casa que definiu os resultados prévios da Vale como levemente negativos, por conta da produção menor. A corretora, contudo, tem visão otimista, indo na mesma linha das outras casas, afirmando que uma produção mais baixa, “apesar de reduzir a alavancagem operacional da empresa, mantém a oferta global de minério apertada, sustentando preços mais altos” – isso pelo fato de a Vale ter forte peso na produção mundial do produto não manufaturado.

Produções de cobre e de níquel também devem ser impactadas

Se a produção de minério foi impactada pelas fortes chuvas registradas no Brasil, as extrações de cobre e de níquel foram reduzidas por motivos diferentes – a primeira por obras de manutenção na mina do Sossego, no Carajás (PA), e a segunda por conta de um desempenho mais fraco da companhia na Indonésia, também por conta de manutenções e obras programadas.

A produção de cobre da Vale somou 56,6 mil toneladas nos três primeiros meses do ano e a de Níquel, 46 mil toneladas – ambas com quedas de, respectivamente, 5% e 27% na base trimestral e de 5% e 26% na anual.

No entanto, os dois bancos destacam que a mineradora manteve a sua projeção de guidance para os dois metais em 2022. “Isso implica na continuação da normalização para operações depois de 2021”, comenta o BBI.

A mesma opinião vale, de forma geral, também para a produção de minério da produtora, uma vez que, apesar da produção mais fraca no primeiro trimestre, a empresa reiterou seu gudance de produzir algo entre 320 a 335 milhões de toneladas da commodity no ano.

“Chuvas e outras paralisações devem deixar de afetar a produção da Vale ao longo do ano, daí a manutenção do guidance de produção pela empresa”, comenta a XP Investimentos.

XP Investimentos, Bradesco BBI e Itaú BBA têm, todos os três, recomendações de compra para as ações ordinárias da Vale. A corretora fixou o preço-alvo de R$ 97,1 por ação, enquanto os dois bancos têm alvo de, respectivamente, US$ 25 e US$ 19 para os ADRs.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar

Compartilhe