Destaques da Bolsa

Vale sobe 4% com China e recomendação; Petrobras sobe após emitir títulos e Oi dispara 7%

Confira os destaques da Bovespa nesta terça-feira (2)

arrow_forwardMais sobre
Mineração da Vale
Mineração da Vale
Aprenda a investir na bolsa

Vale (VALE3, R$ 20,83, +3,94%VALE5, R$ 17,43, +4%
As ações da Vale registram ganhos após terem a recomendação elevada de underperform para marketperform pelo Itaú BBA. Em relatório, os analistas Marcos Assumpção, André Pinheiro e Daniel Sasson destacam que a posição “mais construtiva” para a mineradora deriva do término da tendência de revisões negativas de balanços, risco de endividamento sob controle e melhora a caminho no fluxo de caixa livre a partir de 2017. O banco definiu ainda um novo preço-alvo no final de 2015, de US$ 7 por ADR (American Depositary Receipt) da companhia. 

Além disso, as siderúrgicas também registram ganhos. O cenário mais positivo também segue em alta em meio a rumores de que serão anunciadas medidas de estímulo econômico na China. Gerdau (GGBR4, R$ 9,10, +2,71%), Usiminas (USIM5, R$ 5,13, +1,58%) e CSN (CSNA3, R$ 6,48, +1,73%) registram ganhos. Cabe lembrar que a China ofusca o noticiário negativo da Usiminas que teve a sua recomendação rebaixada para venda pelo UBS. 

Petrobras (PETR3, R$ 13,64, +2,94%PETR4, R$ 12,66, +2,34%)
A
 Petrobras registra um novo dia de ganhos em sessão de noticiário agitado. Na noite de ontem, a companhia informou a precificação dos títulos em dólares com vencimento em 100 anos emitidos através da sua subsidiária integral Petrobras Global Finance B.V.e com garantia incondicional da Petrobras. A conclusão da operação está prevista para ocorrer em 05 de junho de 2015. A companhia emitiu US$ 2,5 bilhões em títulos e ofereceu os papéis com desconto, a 81% do valor de face e cupom de 6,85% ao ano. A demanda chegou a US$ 13 bilhões e, com a forte procura, o retorno dos papéis que era estimado em 8,85% ao ano caiu para 8,45% ao ano.

Aprenda a investir na bolsa

Conforme destaca a equipe do BTG Pactual, a colocação do bond de 100 anos foi surpreendente e pode dar alguma conotação positiva para o papel hoje, apesar de não endereçar todo o problema de caixa da companhia. 

Destaque ainda para a fala da diretora-geral da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis) Magda Chambriard em Londres sobre a 13ª Rodada de Licitações. Ela destacou que a produção do pré-sal está crescendo rapidamente e afirmou que as companhias devem apoiar regra de conteúdo local. Chambriard vê os contratos da 13ª rodada sendo assinados entre novembro e dezembro. 

A estatal informou ainda que a Petrobras Distribuidora concluiu ontem financiamento com prazo de cinco anos via notas de crédito à exportação junto ao Banco Bradesco no montante de R$ 3 bilhões. Segundo a estatal, essa operação é o resultado da evolução das negociações entre a Petrobras e o Bradesco e substitui a operação de “limite de financiamento pré-aprovado” (standby), conforme anunciado pela companhia em 17 de abril de 2015.

Bancos
Os bancos se recuperam e registram alta de mais de 1% após três sessões de baixa, refletindo a melhora do cenário interno, em meio à produção industrial melhor do que a esperada e com o maior otimismo frente o IPO (Initial Public Offering) da Par Corretora e o lançamento de títulos da Petrobras. 

Destaque ainda para a fala da Fitch Ratings, destacando que os riscos para os bancos emergentes são mitigados pelo apoio estatal. Assim, após sofrerem em meio à alta da CSLL e rumores de que os juros sobre capital próprio acabarão, os bancos têm um dia de alívio. O Bradesco (BBDC3, R$ 26,80, +0,81%; BBDC4, R$ 28,60, +1,62%) e Santander (SANB11, R$ 15,92, +1,40%), que teriam enviado proposta para comprar o HSBC Brasil, registram ganhos, enquanto Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 34,45, +1,09%) e Banco do Brasil (BBAS3, R$ 23,17, +1,27%) também registram alta superior a 1%. 

Oi (OIBR4, R$ 6,96, +6,75%)
As ações da Oi lideram os ganhos do Ibovespa com alta de quase 7%. Hoje, foi anunciado que a Altice e a Oi concretizaram nesta terça-feira o negócio de venda da PT Portugal. 

PUBLICIDADE

Pela aquisição da PT Portugal, a Altice Portugal desembolsou o valor total de 5,789 bilhões de Euros, dos quais 4,920 bilhões de euros foram recebidos, em caixa, pela Oi e 869 milhões de euros foram destinados a imediatamente quitar dividas da PT Portugal em Euros. O preço final está sujeito a eventuais ajustes, afirmou a Oi.

Cosan (CSAN3, R$ 25,82, +2,79%) e Tereos (TERI3, R$ 0,92, +1,10%)
As ações do setor sucro-alcooleiro registram ganhos nesta sessão. Segundo dados da ANP, o c
onsumo de etanol cresceu 32% entre janeiro e abril, com os motoristas reagindo ao aumento dos preços da gasolina. 

As vendas de etanol hidratado em abril no País, num total de 1 498 bilhão de litros, superam em 50,1% o total comercializado em igual mês de 2014, de 997,6 milhões de litros.

Weg (WEGE3, R$ 17,41, +0,69%)
A Weg registra leve alta após sua recomendação e seu preço-alvo terem sido elevados para compra pelo Bank of America Merrill Lynch. A performance robusta da companhia deve ser apoiada pelas vendas externas,  maior venda de geradores e equipamentos de geração, transmissão e distribuição (GTD) e com fusões e aquisições, destacam os analistas. O preço-alvo foi elevado de R4 16 para R$ 20. 

Papel e celulose
Em meio à nova baixa do dólar, que registra queda de 0,81%, a R$ 3,148 na compra e R$ 3,149 na venda, as ações do setor de papel e celulose seguem sendo o destaque negativo do índice, já que sua receita é bastante atrelada à moeda americana. 

A Suzano (SUZB5, R$ 16,06, -1,41%) e Fibria (FIBR3, R$ 43,31, -1,01%) registram baixa. Contudo, vale destacar o relatório do BTG Pactual sobre Suzano afirmando que, mesmo após alta de 48% no ano versus 6% do Ibovespa, ainda não é o momento para a realização de lucros.

Os analistas apontam que o valuation segue barato, há potencial de desalavancagem e existe um forte momento de ganhos. “É importante lembrar que a cada 10% de depreciação do real, o impacto no Ebitda seria de 15-16%”, destacam os analistas. 

Ultrapar (UGPA3, R$ 69,50, -0,14%)
A Ultrapar teve a cobertura reiniciada pelo BTG Pactual com recomendação neutra e elevação do preço-alvo de R$ 50,00 para R$ 65,00, com a melhora dos números vindo do Ipiranga e da Extrafarma.

PUBLICIDADE

Segundo os analistas, a estrutura de incentivos e alinhamento da companhia estão presentes ainda e seguem adicionando valor ao case. Contudo, o valuation alto os impedem de fazer um call mais incisivo nesse momento.