AO VIVO Stock Pickers entrevista RI da Cogna: após entrevistarmos gestores comprados e vendidos, é hora de falarmos com o RI da empresa; assista

Stock Pickers entrevista RI da Cogna: após entrevistarmos gestores comprados e vendidos, é hora de falarmos com o RI da empresa; assista

Destaques da Bolsa

Vale e Petrobras caem 2%; Tereos recua após disparar 252% em 6 pregões

Confira os destaques de ações da Bovespa nesta segunda-feira (14)

11h11: Copasa (CSMG3, R$ 11,41, +10,35%)
As ações da Copasa disparam pelo terceiro dia. Procurados pelo InfoMoney, operadores de mercado não souberam justificar o movimento. Em três dias, os papéis sobem 30%.   

11h04: Petrobras (PETR3, R$ 8,67, -1,59%; PETR4, R$ 7,53, -1,70%)
As ações da Petrobras caem dando sequência à queda dos últimos dias. Na sexta, elas atingiram o menor valor desde novembro de 2004. Na última sexta-feira, os papéis amargaram perdas após o rebaixamento de rating pela agência de classificação de risco Standard & Poor’s, o que também levou diversos bancos de investimentos a rebaixarem a recomendação e/ou preço-alvo para os ativos. 

Hoje, destaque para a notícia de que o presidente da Vale, Murilo Ferreira, pediu aos demais integrantes do conselho de administração da Petrobras afastamento da presidência do conselho da estatal até 30 de novembro para concentrar-se na gestão da mineradora. A notícia foi confirmada nesta manhã pela Vale.  

“O problema deles é que eles são China, muito concentrados. A situação deles é complicada porque a Vale concentra em um produto só (minério de ferro), não é fácil”, disse uma fonte da petroleira à Reuters, sob condição de anonimato, ao comentar a licença de Ferreira.

10h50: Smiles (SMLE3, R$ 38,50, +1,66%)
Depois de cair 19% nos três pregões anteriores, as ações da Smiles têm alta nesta segunda-feira. O movimento ocorre depois que a CVC informou que os acionistas controladores da companhia não têm a intenção de realizar qualquer tipo de operação societária com a Smiles neste momento. 

A companhia se manifestou sobre matéria publicada na última quinta-feira no Estadão , que noticiou que o fundo de private equity Carlyle, controlador da agência de turismo, estaria em conversas com investidores estratégicos para a venda do controle da CVC. A reportagem destacou que o fundo teria entrado em negociações com o Smiles, empresa de milhagem controlada pela companhia aérea Gol, mas as conversas ainda estariam esbarrando em alguns pontos, como no valor do negócio.

10h47: Siderúrgicas e Vale
Depois de uma abertura positiva, as ações da Vale e siderúrgicas viraram para queda, juntamente com o Ibovespa, que passou a cair depois da abertura das Bolsas americanas. Recuam neste momento as ações da Vale (VALE3, R$ 19,01, -2,26%; VALE5, R$ 15,30, -2,36%) e as siderúrgicas Gerdau (GGBR4, R$ 6,46, -3,29%) e Metalúrgica Gerdau (GOAU4, R$ 3,75, -3,11%). As ações da CSN (CSNA3, R$ 5,21, +1,56%) e Usiminas (USIM5, R$ 4,72, +1,51%), que chegaram a cair também, voltaram para o campo positivo. 

Do dia 25 de agosto até a última sexta-feira, os papéis da Gerdau, Usiminas e CSN dispararam cerca de 50%, 75% e 83%, respectivamente. No radar, há rumores de que pode haver reajuste nos preços de aço e a “trégua” entre os sócios da Ternium e da Nippon pela disputa societária devido às dificuldades operacionais da siderúrgica, segundo informações do Valor. 

No caso da Vale, as ações acompanham o pregão negativo do minério de ferro. Os preços da commodity caíram 1,54% no porto de Qingdao, na China, para US$ 58,10 a tonelada, em meio à preocupações com a economia chinesa. 

PUBLICIDADE

10h44: Tereos (TERI3, R$ 0,80, -5,88%)
As ações da Tereos viraram para queda depois de forte disparada dos últimos dias. Nos seis pregões anteriores, os papéis dispararam 252%. Na sexta-feira, a BM&FBovespa indagou a companhia sobre a valorização das ações. Em resposta, a empresa disse que foram divulgadas duas notícias positivas para o setor sucroenergético, que acredita ter influenciado na alta das ações e no volume negociado.

São elas: expectativa do mercado em relação a um possível aumento da Cide (Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico) sobre a gasolina, que é uma demanda antiga do setor, o que ganhou força em razão das recentes declarações do governo de que precisa aumentar a arrecadação. “O aumento da Cide elevaria o preço da gasolina e poderia levar ao aumento da demanda por etanol, beneficiando as empresas do setor”.

Outro fator é o aumento do preço do açúcar: “conforme divulgado pela imprensa brasileira, os contratos futuros de açúcar demerara negociados na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) encerraram o pregão do dia 3 de setembro com uma forte alta, onde o preço para contratos com vencimento em outubro subiu 5,68% e fechou a US$ 11,34 centavos por libra-peso. A referida alta no preço do açúcar teria subido em razão dos temores quando aos efeitos do El Nino e aumento das importações pela China”.

10h28: Oi (OIBR4, R$ 2,89, +4,71%)
Após disparar quase 5% na abertura, a ação da Oi entrou em leilão na Bovespa. A companhia anunciou que vai oferecer velocidades intermediárias de internet banda larga a partir dessa semana, o que deve elevar a competição no segmento. A empresa lança amanhã ofertas de internet com velocidades de 20, 25 e 35 megabits por segundo (Mbps), com o objetivo de disputar um espaço que já era ocupado pelas operadoras concorrentes. De acordo com a Oi, o esforço visa aumentar a rentabilidade de seus clientes e se concentrará inicialmente em 564 municípios brasileiros, o que deve ser ampliado em 2016.