Destaques da Bolsa

Vale e CSN disparam 8% com corte na oferta de minério; Gol sobe 16% e Pão de Açúcar salta 6%

Confira abaixo os principais destaques de ações do Ibovespa nesta sessão

Mineração da Vale
Mineração da Vale
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Ibovespa fechou próximo de sua máxima nesta segunda-feira (13) em meio à arrancada dos papéis da Vale e siderúrgicas, que ganharam força após a mineradora afirmar durante a manhã que cortará sua oferta a partir deste mês. O dia também foi de forte alta para as ações da Gol, que lideraram com facilidade os ganhos do índice, após anunciar um aumento de capital de US$ 146 milhões, por meio de aportes do acionista controlador, a família Constantino, e da Delta Airlines. 

Confira abaixo os principais destaques de ações do Ibovespa nesta sessão:

Vale (VALE3, R$ 18,50, +8,12%; VALE5, R$ 15,36, +6,59%)
As ações da Vale dispararam nesta segunda-feira, depois de operarem em baixa durante a manhã, após fala do diretor da companhia para ferrosos e estratégia, Peter Poppinga, durante evento em São Paulo. Acompanharam o movimento as ações da Bradespar (BRAP4, R$ 10,23, +5,36%), holding que detém participação na Vale. 

Aprenda a investir na bolsa

Segundo Poppinga, a mineradora vai reduzir oferta a partir de julho. A companhia espera retirar 25 milhões de toneladas de minério de ferro de oferta a partir desse mês. Segundo o analista Ricardo Kim, da XP Investimentos, a notícia é bem recebida pelo mercado em um momento que as projeções já apontavam para mais quedas do minério de ferro. 

Ele disse que a Vale está cortando oferta de minério de baixa qualidade e produção de outras empresas. Ele citou ainda uma “provável” sobreoferta de minério em 2016 e que vê crise de abastecimento no mercado de minério coincidindo com a demanda mais fraca. Para o diretor, os custos para China do minério devem cair para US$ 40 a tonelada até o final deste ano e para menos de US$ 35 a tonelada até 2018. A velocidade de depreciação do minério é assustadora, disse.

Porém, é importante ficar atento aos detalhes. Para os analistas do Credit Suisse e BTG Pactual, não haverá um corte na oferta, mas um reposicionamento na produção. A própria Vale informou, por meio de comunicado enviado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que mantém sua oferta de minério em 2015 em 340 milhões de toneladas. O mercado interpretou que haveria um corte de produção, mas, na realidade, é apenas um reposicionamento no volume da produção, disseram analistas dos dois bancos após conversas com a diretoria da empresa. “Mesmo com a queda dos preços do minério, a Vale manterá sua produção”, disse Ivano Westin, do Credit Suisse, que vê a disparada dos papéis hoje como “exagerada”.

Siderúrgicas
Na mesma toada das ações da Vale, as ações das siderúrgicas ganharam força nesta tarde depois de operarem em queda durante boa parte da manhã. Os papéis da CSN (CSNA3, R$ 4,86, +7,05%) ficaram entre as maiores altas do Ibovespa. As demais ações do setor também fecharam em alta: Usiminas (USIM5, R$ 4,33, +5,61%), Gerdau (GGBR4, R$ 7,03, +4,30%) e Metalúrgica Gerdau (GOAU4, R$ 5,23, +3,98%). 

Mais cedo, o presidente da CSN, Benjamin Steinbruch, confirmou que poderá vender fatia da Usiminas em programa de desinvestimentos e que, com certeza, espera vender outros ativos este ano. Após a declaração, as ações ordinárias da Usiminas afundaram na Bolsa. Neste momento, os papéis USIM3 caíram 3,83%, a R$ 11,05. “Temos que olhar para uma realidade de juros em alta e temos que ter cuidado com o nível de endividamento”, disse Steinbruch, completando que uma eventual venda da fatia da empresa na Usiminas “vai depender das oportunidades”. 

As declarações de Steinbruch vão em linha com reportagem do jornal O Estado de S. Paulo desta segunda-feira, que apontava que a companhia estaria em conversas com bancos para vender ativos em meio ao seu elevado endividamento. Com atuação em cinco áreas (siderurgia, mineração, cimento, logística e energia), a ideia seria se desfazer de negócios considerados não estratégicos, mas não descartaria a entrada de sócios em divisões importantes, como mineração, e venda de ativos de siderurgia da companhia no exterior.

Gol (GOLL4, R$ 6,98, +15,37%)
As ações da Gol dispararam e fecharam como a maior alta do Ibovespa, após anunciar na sexta-feira que receberá até US$ 146 milhões vindo do seu controlador, o fundo FIP Volluto e da parceira norte-americana Delta Air Lines. O fundo aplicará até US$ 90 milhões na empresa e a Delta os US$ 56 milhões restantes em um aumento de capital a ser realizado com emissão de novas ações preferenciais da Gol. Os termos do aumento de capital serão divulgados em 14 de julho, afirmou a companhia aérea.

Além disso, a Delta vai garantir um empréstimo de até R$ 300 milhões a ser contratado pela Gol ainda este ano, com a contragarantia sendo constituída na forma de ações da empresa de redes de fidelidade de clientes da Gol, a Smiles, atualmente em poder da companhia aérea brasileira. Segundo a Elite Corretora, a notícia é positiva pois libera caixa para a Gol em um momento mais complicado e reforça a aliança com uma empresa importante do setor. 

Petrobras (PETR3, R$ 13,26, -0,08%; PETR4, R$ 11,78, -0,08%) 
As ações da Petrobras ficaram entre perdas e ganhos em meio ao bom humor do mercado nesta sessão. A companhia informou que sua produção de petróleo e gás natural caiu 0,7% em junho contra o mês anterior, mas ficou 4,3% superior à produção de junho de 2014, atingindo 2,746 milhões de barris de óleo equivalente por dia. Segundo a XP Investimentos, o resultado demonstra a dificuldade da companhia em apresentar crescimento de produção. Já o Santander destacou que a companhia, para cumprir a meta de produção de 2015, teria que melhorar sua produção nos próximos meses. A média no segundo semestre teria que ser, de pelo menos, 2,120 mil barris de óleo equivalente por dia. 

PUBLICIDADE

Vale mencionar que as ações da Petrobras amenizam o movimento de queda hoje juntamente com os preços de petróleo, que suavizam as perdas nesta tarde. O Brent, cotado em Londres e usado como referência pela estatal, recuava 0,36%, a US$ 58,51, no mesmo horário, depois de ter caído mais de 2% mais cedo. 

Eletrobras (ELET3, R$ 5,94, +0,17%; ELET6, R$ 8,67, +0,81%)
O diretor da Eletrobras Valter Luiz Cardeal teria negociado propina, em setembro do ano passado, em contrato de R$ 2,9 bilhões do consórcio Una 3 – formado por Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa e UTC – para obras na usina de Angra 3. A informação, divulgada pela edição deste sábado da revista Veja, consta de delação premiada do dono da UTC, Ricardo Pessoa. Segundo Pessoa, a Eletrobras pediu um desconto de 10% ao consórcio, que aceitou um abatimento de 6%. A diferença, diz o delator, teria ido para a campanha da reeleição de Dilma Rousseff (PT). Cardeal teria avisado os petistas sobre os 4 pontos porcentuais de diferença e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, preso pela Lava Jato, teria procurado Pessoa para exigir o pagamento. 

Segundo o Valor, os diretores da estatal vão incluir na pauta da reunião ordinária desta segunda-feira uma análise sobre a reportagem da Veja. Conforme apurou o jornal, os diretores devem decidir sobre um novo posicionamento e uma eventual medida a ser adotada com relação à reportagem. 

Pão de Açúcar (PCAR4, R$ 74,05, +6,58%)
O Grupo Pão de Açúcar registrou receita líquida de R$ 16,1 bilhões no segundo trimestre de 2015, o que representou uma expansão de 6% na comparação anual. O segmento alimentar subiu 6,4% na mesma base de comparação, para R$ 8,95 bilhões, e o não alimentar avançou 5,3%, para R$ 7,17 bilhões.

De acordo com a companhia, o desempenho de vendas do trimestre foi negativamente impactada pelos efeitos da Copa do Mundo, que ocorreu no mesmo período de 2014, e Páscoa, que concentrou parte das vendas no primeiro trimestre de 2015 e, no ano anterior, havia ocorrido integralmente no segundo trimestre. A receita líquida “mesmas lojas” recuou 2,9% entre abril e junho, com destaque negativo para Via Varejo (que reúne as bandeiras Casas Bahia e Ponto Frio), que teve queda de 23,5% neste indicador.

Já as vendas líquidas da Cnova, companhia de comércio eletrônico que resultou da fusão de ativos do Grupo Pão de Açúcar e Casino, no Brasil alcançaram R$ 1,577 bilhão no segundo trimestre de 2015, montante 20,5% superior ao apurado pela companhia no mesmo período do ano passado.

Concessões rodoviárias
O Ministério da Fazenda definiu na sexta-feira em 9,2% a taxa de retorno que será usada como referência para os próximos leilões de concessões de rodovias. A taxa ficou acima da utilizada nas últimas concessões, em 2013, mas abaixo do que vinha sendo pedido pelas empresas do setor, uma taxa de dois dígitos. Pelo plano de concessões, deverão ir a leilão este ano quatro trechos de rodovias: BRs-476/153/282/480, do Paraná a Santa Catarina; BRs-364/060, entre Goiás e Mato Grosso; BR-364, entre Goiás e Minas Gerais; e BR-163, entre Mato Grosso e Pará.

Na bolsa, as ações do setor fecharam entre perdas e ganhos hoje: CCR (CCRO3, R$ 15,30, -1,48%), Ecorodovias (ECOR3, R$ 7,20, -0,96%), Arteris (ARTR3, R$ 9,41, -0,21%) e Triunfo (TPIS3, R$ 4,19, +0,72%). 

PUBLICIDADE

CVC Brasil (CVCB3, R$ 19,01, +2,20%)
Os papéis da companhia de turismo CVC ganharam força na tarde desta segunda-feira (13), chegando a ganhos de 6,43% na máxima do pregão após a notícia de que a TUI Travel, líder no mercado de turismo na Europa, estaria de preparando para fazer uma oferta pela CVC. As informações são de Geraldo Samor, da Veja MercadosSegundo ele, a TUI está trabalhando com o Deutsche Bank para fazer a oferta, lembrando que esta não é a primeira vez que a companhia tenta comprar a CVC.

Em 2012, a TUI comprou o MalaPronta.com, então a quarta maior agência online de turismo do Brasil, por um valor não divulgado. A companhia tem um valor de mercado de 5,8 bilhões de libras (cerca de R$ 28 bilhões), e é dona de 1.800 agências de turismo, um portfólio de hoteis, frota de aviões para vôos charter e navios de cruzeiro.

Hoje, a CVC vale R$ 2,5 bilhões na Bovespa, com a ação subindo 60% em 12 meses, sendo 31,50% apenas neste ano. Como comparação, em 2015 o Ibovespa subiu apenas 6,18%. Desde que entrou na bolsa, a um ano e meio, as ações passaram de R$ 16 do IPO para atuais R$ 19.