Destaques da Bolsa

Vale dispara 5%, exportadoras caem com dólar e small cap desaba 32%

Confira os principais destaques de ações da Bovespa nesta sessão

SÃO PAULO – O Ibovespa teve um dia de repique nesta segunda-feira (10) após forte queda na sexta-feira e acompanhando o desempenho das bolsas americanas. Lá fora, os índices avançaram após o vice-presidente do Federal Reserve, Stanley Fischer, sugerir que ainda não é certo uma alta dos juros na próxima reunião da autoridade em setembro.

Por aqui, os comentários contribuíram para a alta de quase 2% do Ibovespa nesta sessão, enquanto puxou o dólar para baixo, pesando sobre as ações expostas à moeda, como Suzano (SUZB5) e Fibria (FIBR3), que possuem suas receitas atreladas ao dólar. Na ponta positiva, as ações “pesos pesados” Petrobras e Vale subiram após caírem forte no último pregão da semana passada. 

Confira os principais destaques de ações da Bovespa nesta sessão:

Petrobras (PETR3, R$ 11,01, +3,77%PETR4, R$ 9,95, +2,68%)
As ações da Petrobras tiveram dia de repique hoje depois de forte queda na sexta-feira. No noticiário da Petrobras, destaque para a entrevista de Aldemir Bendine. De acordo com a Rico Corretora, a entrevista foi “pró-mercado”. Além disso, o preço do petróleo está em alta, com ganhos de 1,2%, a US$ 49,81, o que ajuda as ações a subirem hoje. 

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo no domingo, o presidente da Petrobras comentou sobre a política atual de preços da companhia para a gasolina e o diesel. Bendine foi categórico ao afirmar que essa política é da companhia e que não existe interferência do governo e afirmou que a empresa presta esclarecimento sobre os preços dos combustíveis apenas ao conselho de administração.

Além disso, na sexta-feira, após notícia veiculada no jornal O Estado de São Paulo, a Petrobras  comunicou esclarecimento ao mercado em geral e seus acionistas, afirmando que as premissas e variáveis utilizadas pelo Plano Estratégico 2030 ainda serão revisitadas à luz das novas condições macroeconômicas e do mercado de óleo e gás e, por estar em fase inicial, ainda não se pode quantificar as novas premissas e metas.

No radar da companhia, outra preocupação: o pagamento de dívidas tributárias à União poderá pesar sobre os resultados da Petrobras ainda no futuro. 

Vale (VALE3, R$ 19,35, +5,05%; VALE5, R$ 15,45, +3,62%)
As ações da Vale também subiram depois de queda na sexta-feira e seguindo o noticiário asiático, assim como os papéis da Bradespar (BRAP4, R$ 10,20, +3,03%), holding que detém participação na mineradora. Dados da China mostraram uma desaceleração mais profunda na demanda da maior potência industrial do mundo, o que aumenta a expectativa de mais uma rodada de estímulos do governo.

Notícias de mais uma queda nas exportações chinesas, a maior em quatro meses, e de um forte recuo nos preços dos produtores mostram como a vacilante demanda industrial chinesa atingiu o comércio global e combaliu os ativos dos mercados emergentes. 

PUBLICIDADE

Educacionais
Os papéis do setor educação apareceram entre as maiores perdas do Ibovespa hoje, com Estácio (ESTC3, R$ 12,36, -3,59%). Essas ações renovaram hoje as mínimas de dezembro de 2012 e novembro de 2013, respectivamente. Fora do índice, a Anima (ANIM3, R$ 14,99, +0,07%) e a Ser Educacional (SEER3, R$ 11,38, +1,16%) conseguiram subir.

Sobre a Anima, a 15ª Vara Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal (SJDF) concedeu mandado de segurança na sexta-feira a pedido da companhia, suspendendo o prazo de inscrições dos alunos para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) até que o Ministério da Educação (MEC) esclareça os critérios usados na distribuição das vagas. As inscrições de estudantes para o Fies, referentes ao segundo semestre de 2015, serão realizadas até esta sexta-feira. Esta edição do Fies oferecerá 61.500 vagas, realizada sob novas regras anunciadas pelo governo no fim de junho. 

Gerdau (GGBR4, R$ 6,04, +0,50%)
As ações da Gerdau viraram para alta nesta tarde, acompanhando o desempenho do restante do setor, com os papéis da CSN (CSNA3, R$ 4,00, 0,00%) e Usiminas (USIM5, R$ 3,92, -0,76%).

O Goldman Sachs iniciou hoje cobertura do setor na América Latina, com recomendação de compra para Gerdau e venda para CSN e Usiminas. Segundo os analistas, além do valuation parecer atrativo nesse patamar de preços, a companhia deve ser beneficiada por sua exposição ao mercado americano nos próximos anos. Confira a matéria completa, clicando aqui. Vale mencionar que a Gerdau divulgará balanço na próxima quarta-feira. 

Exportadoras
As ações das empresas do setor de papel e celulose Suzano (SUZB5, R$ 16,91, -2,87%) e Fibria (FIBR3, R$ 47,83, -2,21%) caíram hoje com o recuo do dólar frente ao real. A moeda americana registrou queda de 1,86%, a R$ 3,4429 na venda.

Gafisa (GFSA3, R$ 2,45, -4,30%)
A Gafisa passaram a cair nesta sessão, refletindo balanço do segundo trimestre. A construtora reverteu 
prejuízo líquido de R$ 851 mil no segundo trimestre de 2014 em lucro líquido de R$ 28,4 milhões este ano. O mesmo aconteceu com o prejuízo dos primeiros seis meses do ano passado, de R$ 40,6 milhões, que foi convertido em lucro de R$ 60,1 milhões. A receita líquida da companhia teve um aumento de 14% e encerrou em R$ 591,5 milhões ante R$ 519,5 milhões em 2014.

Para o BTG Pactual, o destaque foi a melhora operacional da Tenda, que já era esperada (e deve continuar uma vez que a demanda por baixa renda tem se mostrado resiliente). Contudo, a desaceleração de Gafisa (e Alphaville), aliados a uma estrutura de custo fixo alta, podem impedir uma recuperação do ROE (Retorno sobre o Patrimônio Líquido). A recomendação para o papel segue neutra. 

Ações sensíveis aos juros
As ações mais sensíveis ao juros dispararam no pregão desta segunda-feira. Com os contratos de DIs recuando nesta sessão, após salto nos últimos dias, papéis de empresas que se beneficiam com a Selic mais baixa registram forte alta hoje. Nas maiores valorizações da Bolsa apareceram as ações da administradora de shoppings BR Malls (BRML3, R$ 11,77, +5,18%) e a concessionária de rodovias CCR (CCRO3, R$ 14,33, +4,98%). Ecorodovias (ECOR3, R$ 6,57, +3,30%) e Multiplan (MULT3, R$ 44,38, +2,38%), que também ganham com isso, subiam forte hoje.  

PUBLICIDADE

Na prática, o que ocorre é o seguinte. Essas companhias operam alavancadas, isso porque a TIR (Taxa Interna de Retorno) delas é maior do que os juros pagos, mas quando os juros sobem, essa diferença entre o ganho da TIR em relação ao custo da dívida diminui, e elas são, consequentemente, penalizadas. Em um relatório do Credit Suisse, ele apontava como as empresas mais sensíveis negativamente a um juro mais alta as ações da BR Malls, BR Properties (BRPR3, R$ 10,53, +1,35%), CCR, Iguatemi (IGTA3, R$ 23,00, +1,32%), Ecorodovias, Multiplan e Taesa (TAEE11, R$ 19,93, +0,66%). 

Hoje, os juros futuros seguiram o alívio do dólar e cedem depois de registrarem a maior alta semanal desde protestos de 2013. A queda, entretanto, é menos intensa nos contratos mais longos, que ainda carregam doses importantes de prêmio de risco em meio às incertezas políticas.

Vale mencionar que essa é a primeira alta da Ecorodovias após cinco pregões seguidos de perdas, enquanto os papéis da CCR registram ganhos pela primeira vez depois de recuar por três dias e baterem na sexta-feira o menor patamar desde junho de 2012. 

Taesa (TAEE11, R$ 19,93, +0,66%)
As ações da Taesa viraram para queda depois de abertura positiva, seguindo a divulgação do seu resultado do segundo trimestre. A empresa 
mostrou alta de 200,3% em seu lucro líquido que aumentou de R$ 80,1 milhões em 2014 para R$ 240,5 milhões neste período de abril a junho. No semestre, a companhia teve aumento de 130,9% ao alcançar R$ 442,5 milhões contra R$ 191,6 milhões nos primeiros seis meses do ano passado. 

Segundo o Santander, os resultados ficaram em linha. O ajuste de inflação à receita anual combinado com controle de custos ajudaram a sustentar boas margens. “Acreditamos que a Taesa é uma empresa sólida, com perfil de baixo risco”, afirmam os analistas.

Ferbasa (FESA4, R$ 8,65, +6,13%) 
A Ferbasa, fabricante de ferro-ligas, registrou um lucro líquido de R$ 79,3 milhões no segundo trimestre, multiplicando em quase três vezes o lucro de R$ 28,7 milhões de igual período de 2014. Embora tenha registrado queda no volume vendido e menor preço médio das ligas em dólar no período, a empresa se beneficiou do efeito da, desvalorização cambial sobre receitas na moeda americana.  

Com a alta de hoje, as ações da Ferbasa alcançam o maior patamar de fechamento de outubro de 2014. O volume financeiro registrado nesta sessão também chama atenção, batendo R$ 3,7 milhões, contra média diária de R$ 77 mil nos últimos 21 pregões. 

Recrusul (RCSL3, R$ 1,17, -22,00%; RCSL4, R$ 1,01, -32,67%)
As ações da small cap Recrusul afundam após realizar grupamento de suas ações, na proporção de 75 ações para uma. Os papéis ficaram “ex-grupamento” nesta segunda-feira.  

PUBLICIDADE