AO VIVO Stock Pickers entrevista RI da Cogna: após entrevistarmos gestores comprados e vendidos, é hora de falarmos com o RI da empresa; assista

Stock Pickers entrevista RI da Cogna: após entrevistarmos gestores comprados e vendidos, é hora de falarmos com o RI da empresa; assista

Destaques da Bolsa

Vale cai pelo 3° pregão e Kroton sobe pelo 4º dia; CSN e Suzano despencam 6%

Confira os principais destaques de ações da Bovespa nesta sessão

SÃO PAULO – O Ibovespa acentuou as perdas na tarde desta terça-feira (20), com o mercado cauteloso com a política brasileira e em dia de agenda fraca no exterior. Os investidores ficaram de certa forma desapontados com a falta de novidades durante a fala da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, no começo desta tarde. 

No índice, ficaram com as maiores altas as ações das elétricas Cesp, Cemig e CPFL Energia, enquanto a Krotn atingiu seu quarto dia seguido de ganhos. Enquanto isso, na ponta negativa o destaque ficou com os papéis do setor de papel e celulose em meio à notícia de queda do preço da celulose na China.

Confira abaixo os principais destaques de ações da Bovespa na sessão desta terça-feira (20):

Papel e celulose
As ações do setor de papel e celulose afundaram na Bovespa em meio à queda do preço da celulose na China. Segundo o Foex reportou nesta manhã, o preço da celulose da semana do dia 13 ao dia 20 caiu US$ 9 a tonelada, ou 1,4% indo para US$ 650,3 a tonelada.

“Um declínio relevante e, juntamente com a queda do dólar frente ao real, estão levando as ações do setor abaixo”, comentaram os analistas do BTG Pactual. Hoje, as ações do setor de papel e celulose lideraram as perdas do Ibovespa: Suzano (SUZB5, R$ 17,75, -5,84%), Fibria (FIBR3, R$ 53,70, -4,19%) e Klabin (KLBN11, R$ 21,89, -3,53%). 

Petrobras (PETR3, R$ 9,80, +1,34%; PETR4, R$ 8,05, +1,26%)
Entre os destaques do mercado acionário brasileiro nesta sessão, ficaram as ações da Petrobras, que após chegarem a subir mais de 3%, acabram fechando com apenas leves ganhos.

No noticiário da estatal, os investidores observam o relatório final da CPI (Comissão parlamentar de Inquérito), que eximiu de responsabilidade sobre envolvimento em esquema de corrupção os ex-presidentes da companhia José Sérgio Gabrielli e Graça Foster, a presidente Dilma Rousseff (ex-presidente do conselho de administração) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Também ficaram de fora do relatório final parlamentares investigados – caso do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Vale (VALE3, R$ 17,61, -1,07%; VALE5, R$ 14,35, -2,05%)
Já as ações ordinárias da Vale caíram pelo terceiro pregão seguido em meio às preocupações sobre a desaceleração da economia chinesa. Ontem, saiu o PIB (Produto Interno Bruto) do terceiro trimestre do país, que mostrou avanço de 6,9% – pela primeira vez abaixo dos 7% desde 2009 -, ofuscando os dados recorde de produção de minério de ferro da Vale no terceiro trimestre e revisão para cima na recomendação do UBS da mineradora, de venda para neutra. Acompanharam o movimento hoje as ações da Bradespar (BRAP4, R$ 8,20, -3,07%), holding que detém participação na Vale. 

Siderúrgicas
Após chegarem a operar em alta no começo desta sessão, as ações do setor siderúrgico passaram a cair forte, acompanhando a divulgação de dados fracos para o setor. As vendas domésticas de aço bruto caíram mais de 20% em setembro na comparação anual, enquanto a produção nacional caiu 13%, para 2,5 milhões de toneladas, segundo dados do Instituto Aço Brasil. Na Bolsa, as ações da Usiminas (USIM5, R$ 3,11, -3,12%), Gerdau (GGBR4, R$ 6,07, -0,65%), e CSN (CSNA3, R$ 4,80, -6,43%) recuaram. Vale mencionar que a ação da CSN foram as que mais subiram esse mês, descolando das demais. Enquanto CSN subiu 27,5% até agora em outubro, Gerdau e Metalúrgica Gerdau avançaram 13,16% e 2,4%, respectivamente, e Usiminas caiu 3%.

PUBLICIDADE

 Do lado da Gerdau, figura no radar do investidor a notícia de que a companhia colocou à venda a controlada Sidenor, siderúrgica adquirida pela companhia na Espanha em 2005, conforme informou a imprensa internacional.

Cesp (CESP6, R$ 16,67, +4,12%) e Cemig (CMIG4, R$ 7,56, +5,73%)
O secretário de Energia de São Paulo admitiu que a Cesp negocia com grupo estrangeiro, além de “outros nacionais”, uma parceria para participar do leilão de outorga pela concessão de hidrelétricas, no próximo dia 6 de novembro. Segundo ele, a Cesp tem interesse em participar do certame para manter a concessão das usinas paulistas de Jupiá e Ilha Solteira, e ainda da usina de Três Marias, no Rio São Francisco, em Minas Gerais, operada pela Cemig e considerada “emblemática” pelo secretário. 

Além disso, investidores estão otimistas com a participação das empresas no leilão de concessões de 29 hidrelétricas já existentes, previsto para 6 de novembro. A expectativa é de que o governo flexibilize as condições do leilão, o que permitiria a empresas como Cesp e Cemig recuperar as concessões perdidas recentemente com a revisão do modelo do setor elétrico.

Lojas Americanas (LAME4, R$ 17,50, -0,29%)
Segundo informações da coluna Radar, da Veja, a Lojas Americanas deve reduzir o ritmo de abertura de lojas neste ano. Com o adiamento da entrada em operação de shopping centers e empreendimentos comerciais, a rede teria sinalizado a analistas que deve abrir apenas 95 lojas em 2015, contra 118 em 2014. Em agosto, a companhia anunciou que planejava abrir 117 lojas esse ano.  

PDG e Tecnisa 
Com o objetivo de reduzir seus endividamentos, a PDG Realty (PDGR3, R$ 2,49, +1,22%) e Tecnisa (TCSA3, R$ 3,24, -3,28%) comunicaram ontem que venderam suas fatias no empreendimento Jardim das Perdizes para a Hines. A PDG vendeu 25% do projeto por R$ 160 milhões, enquanto a Tecnisa vendeu 17,5% (dos 75% que possui) por R$ 180 milhões. O valor de mercado da PDG no fechamento da véspera era de R$ 121 milhões, enquanto o da Tecnisa era de R$ 603 milhões.  

BR Properties (BRPR3, R$ 10,82, -0,92%) 
Segundo matéria da coluna Mercados, da Veja, a BR Properties está fechando a venda de mais um pacote de ativos, que tem a Brookfield como um dos compradores. Na lista do que está sendo vendido há edifícios comerciais e galpões em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Na nota, não há citação de valores.

Kroton (KROT3, R$ 10,44, +0,68%)
As ações da Kroton conseguiram virar de volta para o positivo no fim do pregão, atingindo sua quarta sessão seguida de ganhos. Ontem, a companhia anunciou aquisição da startup de ensino Studiare por R$ 4,1 milhões. Acompanham a alta hoje as demais empresas do setor: Estácio (ESTC3, R$ 17,23, +4,05%), Anima (ANIM3, R$ 15,60, +2,63%) e Ser Educacional (SEER3, R$ 8,97, +0,79%). Nesses últimos quatro pregões essas ações subiram 5%, 21,7% e 8,7%, respectivamente.  

BRF
As ações da gigante do setor alimentício BRF (BRFS3, R$ 67,59, +1,33%) teve alta nesta sessão. Segundo a coluna de Ancelmo Góis, do jornal O Globo, a companhia estaria negociando a compra da mineira Pif Paf.

PUBLICIDADE

Como garimpar boas ações? Deixe seu email e descubra uma forma tão simples que até um menino de 10 anos consegue usar!