Unibanco recomenda compra das ações de empresas de papel e celulose na Bovespa

Analistas carregam elevado otimismo sobre preços externos da celulose e preferem VCP; potencial de alta acima de 25%

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – O Unibanco informou na segunda-feira (5) que está reiniciando cobertura das empresas do setor de papel e celulose com recomendação de compra. “Nossa perspectiva para a celulose como uma commodity global é altamente positiva”, revelam os analistas.

A preferida do banco é a VCP. Para a sua Top Pick, o preço-alvo para o final de 2008 é de R$ 69,60, um potencial de ganhos de cerca de 26%. Segundo o Unibanco, a empresa tem uma clara estratégia de crescimento que ainda não está precificada pelo mercado.

“O aumento da exposição em celulose com os projetos de Três Lagoas e Losango deve beneficiar as margens da VCP, combinado com um cenário de preços a níveis atrativos nos mercados internacionais”, afirma a instituição financeira.

Preços-alvo

Para a Klabin, o preço-alvo para o fim do ano que vem é de R$ 8,90 – potencial de valorização de 24%. A equipe do banco considera a empresa uma boa alternativa para quem quer exposição ao consumo doméstico e menor correlação com as cotações externas da celulose.

Já a respeito da Suzano Papel e Celulose, o preço-alvo estipulado para o dezembro de 2008 é de R$ 38,00, representando um potencial de alta de 28%. “Combina uma história de desalavancagem e crescimento com um cenário de preços amplamente favorável.”

Por fim, com a Aracruz, a expectativa é de preço-alvo para o final do próximo ano de R$ 16,60, um potencial de ganhos na faixa de 26%. Mais diretamente ligada à projeção promissora para a celulose, a empresa vem operando com desconto frente a suas pares, devido a atrasos no plano de crescimento operacional. O que deve ser revertido no futuro.

Compartilhe