Direto ao Ponto

Último pregão do ano deve ser de cautela quanto à decisões nos EUA

Na véspera, anúncio de nova reunião do Congresso norte-americano no domingo animou os mercados no exterior

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Mantendo o ritmo de final de ano, o Ibovespa apresentou uma liquidez reduzida no pregão da última quinta-feira (27) – ficando com giro financeiro de R$ 4,694 bilhões. Contudo, diferente dos outros dias, o índice de ações mostrou uma oscilação mais forte e encerrou a sessão com queda de 0,89% – a terceira seguida -, aos 60.415 pontos.

Nesta sexta-feira (28) o mercado deve se manter cauteloso. Mesmo com o dia 31 sendo considerado o último dia para uma resolução para o abismo fiscal nos EUA, esta sessão será a última do mercado brasileiro em 2012, e ainda não foram tomadas decisões em relação ao assunto. Analistas ressaltam que mesmo com a cautela diante do cenário norte-americano, a sessão desta sexta pode ter um volume de negócios um pouco maior por ser tratar do último pregão do ano.

Na véspera, o Departamento do Tesouro norte-americano tomou medidas que criam uma margem de US$ 200 bilhões na dívida do país. Segundo o secretário do tesouro, Timothy Geithner, a iniciativa afasta o risco do país declarar a suspensão de pagamentos de dívida e de gastos correntes no início de 2013.

Além disso, ele explicou que essa margem duraria 2 meses em circunstâncias normais, mas com os riscos do país entrar em recessão com o corte automático gastos públicos e a eliminação de benefícios fiscais, não é possível prever a duração das medidas tomadas.

Analistas mostram que mesmo sem animar muito os mercados, essas medidas reduziram as perdas das bolsas nos EUA: após chegarem a cair mais de 1% durante o dia, os três principais índices acionários terminaram o dia com queda próxima de 0,1%, após o anúncio de que o partido republicano vão se reunir no domingo para continuar as negociações em relação ao abismo fiscal, ganhando assim mais um dia.