Europa

UE registra queixa junto à OMC por taxas chinesas sobre aço inoxidável

Governo chinês suspeitou que as importações estavam sendo precificadas de forma injusta e impôs tarifas antidumping, que são contestadas pela UE

Por  Reuters

GENEBRA – A União Europeia anunciou nesta quinta-feira ter apresentado uma queixa à Organização Mundial do Comércio (OMC) contra a imposição de encargos antidumping sobre as importações de tubos de aço inoxidável, seis meses depois de o Japão mover uma ação semelhante.

A reclamação centra-se em produtos de aço de alta qualidade que a China necessita para construir novas usinas, cruciais para os planos de atualizar e tornar mais limpa sua infraestrutura de eletricidade.

A indústria siderúrgica da China, de longe a maior do mundo, descobriu que não poderia produzir os mesmos produtos tão baratos quanto seus rivais japoneses e europeus. O governo chinês suspeitou que as importações estavam sendo precificadas de forma injusta e impôs tarifas antidumping.

“A UE acredita que os direitos antidumping são incompatíveis com as regras da OMC, tanto com base processual como por razões de mérito”, disse em um comunicado. “As taxas de 9,7 a 11,1 por cento impostas aos produtos europeus estão prejudicando de forma significativa o acesso ao mercado chinês.”

A ação legal confirma o plano que fontes da UE revelaram à Reuters na terça-feira, e vem após uma série de ações comerciais “olho por olho” alimentadas por uma disputa sobre as enormes exportações chinesas de componentes de energia solar baratos.

A ação também define o tempo para processo legal na OMC, que dá à China até 60 dias para manter conversações com a União Europeia para tentar lidar com a queixa.

Compartilhe