Guerra na Ucrânia

Ucrânia prevê ataque russo no leste após invasores recuarem perto de Kiev

Moscou diz que agora está se concentrando em “libertar” a região de Donbass

Por  Reuters -

LVIV (Reuters) – Forças ucranianas estão se preparando para novos ataques russos na região sudeste, para onde as armas de Moscou estão agora apontadas depois que seu ataque à capital Kiev foi repelido, disse o presidente Volodymyr Zelenskiy nesta quinta-feira.

Cinco semanas depois de uma invasão que bombardeou cidades em terrenos baldios e criou mais de 4 milhões de refugiados, autoridades norte-americanas e europeias disseram que o presidente russo, Vladimir Putin, foi enganado por seus generais sobre o desempenho dos militares russos.

A forte resistência das forças ucranianas impediu a Rússia de capturar qualquer grande cidade, incluindo a capital Kiev, que foi atacada com colunas blindadas do noroeste e leste.

Moscou diz que agora está se concentrando em “libertar” a região de Donbass – duas províncias do sudeste parcialmente controladas por separatistas que a Rússia apoia desde 2014.

Em um discurso de vídeo no início da manhã, Zelenskiy disse que os movimentos de tropas russas para longe de Kiev e da cidade de Chernihiv, no norte, não foram uma retirada, mas sim “a consequência do trabalho de nossos defensores”.

A Ucrânia está vendo “um acúmulo de forças russas para novos ataques a Donbass e estamos nos preparando para isso”, declarou ele.

Isso inclui Mariupol, que já foi uma cidade de 400.000 pessoas, onde a maioria dos edifícios foi danificada ou destruída em quatro semanas de bombardeio e cerco russos constantes. Um comboio de ônibus ucranianos partiu para a cidade portuária nesta quinta-feira para tentar alcançar civis retidos, disse a vice-primeira-ministra Iryna Vereshchuk.

As Nações Unidas acreditam que milhares de pessoas morreram lá, muitas enterradas em covas anônimas.

Na última semana, houve uma contra-ofensiva ucraniana, recapturando subúrbios destruídos de Kiev e cidades e vilarejos estratégicos no nordeste e sudoeste. A Rússia declarou na segunda-feira que estava reduzindo sua ofensiva perto da capital e da cidade de Chernihiv, no norte, no que chamou de um gesto de construção de confiança para as negociações de paz.

A Rússia afirma que lançou uma “operação militar especial” para desarmar e “desnazificar” o país vizinho, e que a missão está dentro do planejado.

Os países ocidentais dizem que a invasão foi uma agressão não provocada, que o verdadeiro objetivo da Rússia era derrubar rapidamente o governo em Kiev e que seu fracasso foi uma catástrofe estratégica, trazendo ruína econômica e isolamento diplomático.

Autoridades dos EUA revelaram inteligência que, segundo eles, mostrou uma cisão entre Putin e seus assessores, que não o alertaram sobre o mau desempenho de suas forças armadas ou o impacto econômico das sanções ocidentais.

“Temos informações de que Putin se sentiu enganado pelos militares russos, o que resultou em tensão persistente entre Putin e sua liderança militar”, disse Kate Bedingfield, diretora de comunicações da Casa Branca, a repórteres durante uma coletiva de imprensa na quarta-feira.

Um diplomata europeu sênior afirmou que a avaliação dos EUA está alinhada com o pensamento europeu. “Putin achava que as coisas estavam indo melhor do que estavam. Esse é o problema de se cercar de ‘sim, homens'”, disse o diplomata.

Compartilhe